Bullying nas escolas: a metodologia dos círculos restaurativos

  • Andréia Mendes dos Santos Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
  • Patricia Krieger Grossi Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
  • Patricia Teresinha Scherer Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
Palavras-chave: Bullying. Círculos restaurativos. Violência. Escolas.

Resumo

O bullying é uma forma de violência (verbal, física, material, psicológica, moral, sexual ou virtual), de forma intencional e repetida. Esta pesquisa qualitativa foi realizada em quatro escolas de Porto Alegre/RS através de grupos focais com 64 alunos na faixa etária de 9 a 17 anos e entrevistas com 10 profissionais das escolas. O objetivo foi investigar as manifestações do bullying e a efetividade dos círculos restaurativos. Esses são encontros dialógicos entre agressor e vítima, mediados por um coordenador. Visa expressar os motivos subjacentes ao conflito e elaborar acordos. Os resultados evidenciam satisfação em relação aos círculos restaurativos, porém tal prática pode ser paliativa ou punitiva quando o acordo é imposto.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Andréia Mendes dos Santos, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
Doutora em Serviço Social pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (Porto Alegre, RS, Brasil) e Professora na Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
Patricia Krieger Grossi, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
Doutora em Serviço Social pela Universidade de Toronto (Toronto, Canadá) e Professora na Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (Porto Alegre, RS, Brasil).
Patricia Teresinha Scherer, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
Doutoranda em Serviço Social na Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (Porto Alegre, RS, Brasil).

Referências

ALMEIDA, Kathanne Lopes; SILVA, Annamaria Cavalcante; CAMPOS, Jocileide Sales. Importância da identificação precoce da ocorrência do bullying: uma revisão de literatura. Revista Pediatria, Fortaleza, v. 9, n. 1, p. 8-16, 2008.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1977.

BAUER, Martin, W; GASKELL, George. Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. Petrópolis: Vozes, 2002.

BRANCHER, Leoberto. Práticas restaurativas: manual de práticas restaurativas. Porto Alegre, 2008. (apostila)

DAY, Nancy. Violence in schools: learning in fear. Berkeley Heights, NJ: Enslow, 1996.

DEMO, Pedro. Metodologia científica em ciências sociais.

ed. São Paulo: Atlas, 1995.

FANTE, Cleo. Fenômeno bullying: como prevenir a violência nas escolas e educar para a paz. 2. ed. rev. Campinas: Verus, 2005.

GROSSI, Patrícia Krieger; SANTOS, Andreia Mendes dos. Bullying in Brazilian schools and restorative practices. Canadian Journal of Education, v. 35, p. 120-136, 2012.

GUARESCHI, Pedrinho; SILVA, Michele. Bullying: mais sério do que se imagina. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2008.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/presidencia/noticias/noticia_visualiza.php?id_noticia=1525 Acesso em: 20 ago. 2010.

LOPES NETO, Aramis Antonio; SAAVEDRA, Lucia Helena. Diga não para o bullying. Rio de Janeiro: ABRAPI, 2004.

MARSHALL, Chris; BOYACK, Jim; BOWEN, Hellen. Como a justiça restaurativa assegura a boa prática: uma abordagem baseada em valores. In: SLAKMON, C.; DE VITTO, R.; PINTO, R. Gomes. Justiça restaurativa. Brasília: Ministério da Justiça, PNUD, 2005.

MINAYO, Maria Cecília de Souza. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 5. ed. São Paulo: Hucitec; Rio de Janeiro: Abrasco, 1998.

MORRISON, Brenda. Bullying escolar e justiça restaurativa: compreensão teórica do papel do respeito, orgulho e vergonha. The Society for the Psychological Study of Social Issues. 2006. Disponível em: http://snowbirdbooks.com/images/downloads%20gratuitos/liv_justica_restaurativa.pdf#page=19 Acesso em: 21 ago. 2010.

PEPLER, Debra; CRAIG, Wendy. Promuovere le relazioni ed eliminare la violenza – il modello PREVNet in Canada (Promoting Relationships and Eliminating Violence – The PREVNet Model in Canada). Età evolutiva 90, 97-105,

PEPLER, Debra;& CRAIG, Wendy. Making a Difference in Bullying. Disponível em: http://psycserver.psyc.queensu.ca/craigw/Craig_Pepler_2000_REPORT_Making_a_Difference_in_Bullying.pdf 1988. Acesso em 25 out. 2013.

RIO GRANDE DO SUL. Lei 13.474, de 28 de junho de 2010. Dispõe sobre o combate da prática de “bullying” por instituições de ensino e de educação infantil, públicas ou privadas, com ou sem fins lucrativos. Diário Oficial do Estado do Rio Grande do Sul, n. 121, 29 jun. 2010. Disponível em: http://www.al.rs.gov.br/Legis/Arquivos/13.474.pdf Acesso em: jul. 2010.

ROLIM, Marcos. Bullying: o pesadelo da escola. Porto Alegre: Dom Quixote, 2010.

SANTOS, Andreia Mendes dos; GROSSI, Patricia K. Fenômeno bullying: desvendando esta violência nas escolas públicas de Porto Alegre. Revista Textos & Contextos, Porto Alegre, v. 7, n. 2, p. 286-301. jul./dez. 2008. Disponível em: http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/fass/article/viewFile/4827/3633 Acesso em: 23 jun. 2011.

SANTOS, Andreia Mendes dos; GROSSI, Patricia K. Des-

vendando o fenômeno bullying: a situação das escolas de Porto Alegre/Brazil. México: Académica Espanõla, 2012. v. 1, p. 130.

SILVA, Ana Beatriz Barbosa. Bullying, Cartilha 2010 – Projeto justiça nas escolas. Brasília, DF: MEC, 1. ed. 2010.

SIMMONS, Rachel. Garota fora do jogo: a cultura oculta da agressão nas meninas. Rio de Janeiro: Rocco, 2004.

Publicado
2014-08-11
Como Citar
dos Santos, A. M., Grossi, P. K., & Scherer, P. T. (2014). Bullying nas escolas: a metodologia dos círculos restaurativos. Educação, 37(2), 278-287. https://doi.org/10.15448/1981-2582.2014.2.14495
Seção
Outros Temas