Ensino Remoto Emergencial

Percepções iniciais de docentes e o papel da tecnologia e da família em um contexto pandêmico

Palavras-chave: ensino remoto emergencial, escola, família, tecnologias

Resumo

 Este trabalho é parte de uma pesquisa do grupo PROMOT - Processos Motivacionais em Contextos Educativos que trata sobre a adaptação inicial de docentes ao Ensino Remoto Emergencial, instaurado devido à pandemia de COVID-19 no Brasil. A coleta de dados se deu através de um formulário no Google Forms, ao qual 202 professores responderam. Os dados foram analisados por meio da metodologia de Análise de Conteúdo (BARDIN, 2011). Como resultado, com relação às influências do Ensino Remoto Emergencial no desenvolvimento dos estudantes, os professores destacam o desenvolvimento da autonomia, a valorização da escola e algumas consequências negativas, como prejuízo pedagógico e acentuação de desigualdades educacionais. No que se refere às estratégias do momento atual que continuarão a ser aplicadas no futuro, os professores apostam no uso das tecnologias digitais e na manutenção de relações mais estreitas entre escolas e famílias. Já com relação a como imaginavam que seria o retorno às aulas presenciais, os professores se abstiveram de responder ou manifestaram pessimismo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Giovana Fernanda Justino Bruschi, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), Porto Alegre, RS, Brasil.

Doutora em Educação pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), em Porto Alegre, RS, Brasil; mestre em Gestão Educacional pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos), em Porto Alegre, RS, Brasil.

Larissa Liss Cardoso de Andrade, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), Porto Alegre, RS, Brasil.

Mestre em Educação pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), em Porto Alegre, RS, Brasil.

Bettina Steren dos Santos , Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), Porto Alegre, RS, Brasil.

Doutora em Psicologia Evolutiva e da Educação pela Universidade de Barcelona, em Barcelona, Espanha. Pós-doutorado no College of Education, The Univesity of Texas at Austin, EUA e na Faculdade de Educação na Universidade de Barcelona, Espanha. Professora da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), em Porto Alegre, RS, Brasil.

Referências

BARDIN, L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

BERBEL, N. As metodologias ativas e a promoção da autonomia dos estudantes. Semina: Ciências Sociais e Humanas, Londrina, v. 32, n. 1, p. 25-40, jan./jun. 2011.

BOCK, A; M. FURTADO, O; TEIXEIRA, M. L.T. Psicologias: Uma introdução ao estudo de psicologia. 13. ed. São Paulo: Saraiva, 1999.

CARISSIMI, A; TROJAN, R. A valorização do professor no Brasil no contexto das tendências globais. Jornal de Políticas Educacionais, [S. l.], n. 10, p. 57-69, ago./dez. 2011.

CIEB. Centro de Inovação para Educação Brasileira. Planejamento das Secretarias de Educação do Brasil para Ensino Remoto. São Paulo: Consed, Undime, Fundação Lemann, 2020.

FAGUNDES, L. et al. Aprendizes do futuro: as inovações começaram. Coleção informática para a mudança na Educação. Brasília: MEC: SEED: Proinfo, 1999.

FLICK, U. Desenho da pesquisa qualitativa. Porto Alegre: Artmed, 2009.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2016.

GATTI, B. Formação de professores do Brasil: características e problemas. Educ. Soc., Campinas, v. 31, n. 113, p. 1355-1379, out./dez. 2010.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas, 1999

GUIMARÃES, S. E. R. (org.). Motivação para aprender: aplicações no contexto educativo. Petrópolis: Vozes, 2010.

GASKELL, G. Entrevistas individuais e grupais. In: BAUER, M. W.; GASKELL, G. (org.), Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. Petrópolis: Vozes, 2002. p. 64-89.

HERNÁNDEZ, Fernando. Transgressão e mudança na educação: os projetos de trabalho. Tradução de Jussara Haubert Rodrigues. Porto Alegre: Artmed, 1998.

HODGES, C. et al. The Difference Between Emergency Remote Teaching and Online Learning. EDUCAUSE Review, [S. l.], Mar 27, [2020]. Disponível em: https://bityli.com/JWChY. Acesso em: 23 fev. 2021.

LEAL, A. E. M. Construindo o conhecimento pela pesquisa: orientação básica para elaboração de trabalhos científicos. Santa Maria: Sociedade Vicente. Pallotti, 2006.

MACHADO, P. L. P. Educação em tempos de pandemia: O ensinar através de tecnologias e mídias digitais. Revista Científica Multidisciplinar Núcleo do Conhecimento, [S. l.], ano 5, v. 8, n. 6, p. 58-68. jun. 2020. Disponível em: https://www.nucleodoconhecimento.com.br/educacao/temposde-pandemia. Acesso em: Acesso em: 19 jul. 2021.

MORAN. J. Metodologias ativas requerem engajamento. Disponível em: https://bityli.com/qMxjCbX. 2018. Acesso em: 19 jul. 2021

MOREIRA, J. A. SCHLEMMER, E. Por um novo conceito e paradigma de educação digital onlife. Revista UFG, [S. l.], v. 20, p. 1-35, 2020.

MOREIRA, J. A; HENRIQUES, S.; BARROS, D. Transitando de um ensino remoto emergencial para uma educação digital em rede, em tempos de pandemia. Dialogia, São Paulo, n. 34, p. 351-364, jan./abr. 2020. Disponível em: https://doi.org/10.5585/Dialogia.N34.17123. Acesso em: 19 jul. 2021

MOSQUERA, J.; STOBAÜS, C. Afetividade: a manifestação de sentimentos na educação. Educação, [S. l.], v. 29, n. 1, 2006. Disponível em: https://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/faced/article/view/438. Acesso em 19 jul. 2021.

NÓVOA, A.; ALVIM, Y. Covid-19 e o fim da educação 1870-1920-1970-2020. Revista História da Educação (Online), [S. l.], v. 25, e110616, 2021. https://doi.org/10.1590/2236-3459/110616. Acesso em 19 jul. 2021.

PAPERT, S. A. Máquina das Crianças: repensando a escola na era da informática. Tradução de Sandra Costa. Porto Alegre: Artes Médicas, 1994.

PIAGET, J. O Juízo Moral na Criança. Tradução de Elzon Lenardon. São Paulo: Summus Editorial, 1994.

RODRÍGUEZ, S. Estado Actual de la escuela y nuevo establecimiento dela (1794). In: RODRÍGUEZ, Simón. Obras Completas. Caracas: Ediciones Rectorado, 2016. p. 21-40.

SANCHO, J. Me han sorprendido quienes afirman que la pandemia ha revelado la desigualdad, ¿De verdad no lo sabían? [Entrevista concedida a] Jaume Carbonell. Revista El diario de la Educación, Madrid, 15 jun. 2020. Disponível em: https://bityli.com/fratJmD. Acesso em: 19 jul. 2021.

SANCHO, Juana et al. Tecnologias para transformar a educação. Porto Alegre: Artmed, 2006.

SANTOS, B.S. A Cruel Pedagogia do Vírus. Coimbra, Portugal: Edições Almedina, 2020.

SASTRE, G.; MORENO, M. Resolução de Conflitos e Aprendizagem Emocional: gênero e transversalidade. São Paulo: Moderna, 2002.

TUZEL, S.; HOBBS, R. The Use of Social Media and Popular Culture to Advance CrossCultural Understanding. Comunicar, [S. l.], n. 51, v. XXV, 2017. Disponível em: https://doi.org/10.3916/C51-2017-06. Acesso em: 30 jun. 2021.

UNICEF. Cenário da Exclusão Escolar no Brasil. Um alerta sobre os impactos da pandemia da COVID-19 na Educação. [S. l.]: UNICEF, 2021.

Publicado
2022-09-16
Como Citar
Bruschi, G. F. J., Andrade, L. L. C. de, & Santos , B. S. dos. (2022). Ensino Remoto Emergencial: Percepções iniciais de docentes e o papel da tecnologia e da família em um contexto pandêmico. Educação Por Escrito, 13(1), e41550. https://doi.org/10.15448/2179-8435.2022.1.41550