Trabalho em grupo

Sentidos e significados na prática escolar

  • Clarice Conter
  • Ana Cristina dos Santos Alves
Palavras-chave: Trabalho em grupo, Aprendizagem, Gestão de sala de aula

Resumo

O objetivo deste estudo é compreender a intencionalidade da realização dos trabalhos em grupo, verificando os seus sentidos e significados na perspectiva de estudantes de 7º ano do Ensino Fundamental II de uma escola particular de Porto Alegre/RS. Para isso, propõe-se trabalhar com questões pertinentes à gestão de trabalhos em grupo na sala de aula, como: aprender a argumentar, ouvir a opinião do outro, dividir e planejar tarefas, aprender com as diferenças, respeitar e ser tolerante, exercitar a capacidade de negociação e outras habilidades. Para investigar como ocorrem as relações de grupo nas salas de aula, foi aplicado um questionário com turmas de 7º ano. Notou-se que não há um critério único de escolhas de grupo na sua formação e, na maioria das vezes, os conflitos iniciam nessa etapa, pois não há uma orientação aos estudantes para lidarem com exclusões ou trabalharem com as diferenças. Percebeu-se também que há uma variedade de trabalhos propostos pelos professores. Todos os entrevistados afirmaram haver exclusão em sala de aula na formação de grupos. Mesmo informando algumas situações que ocorrem e que não são “administradas” de maneira coerente pelos professores, a grande maioria dos estudantes acha importante a realização de trabalhos em grupo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Clarice Conter

Orientadora educacional, pedagoga, especialista em Psicopedagogia e Interdisciplinaridade. Acadêmica do curso de Especialização em Gestão Curricular Marista e mestre em Gestão Educacional. 

Ana Cristina dos Santos Alves

Mestre em Lingüística e Letras pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Brasil Assessora da Área de Conhecimento Linguagens e Códigos da Gerência Educacional.

Referências

DAVIS, Claudia; SILVA, Maria Alice Setubal; ESPÓSITO, Yara L. Papel e valor das interações na sala de aula. Cadernos de pesquisa, v. 71, p. 49-54, 1989.

FABRIS, F. Pichon-Rivière, irrupción y génesis de un pensamiento. Revista Intersubjetivo de Psicoterapia Psicoanalítica y Salud, v. 1, n. 10, p. 11-28, 2009.

FLORES, M.; GONZÁLEZ, S. Medios ambientes de aprendizaje colaborativo en educación a distancia: una experiencia en proceso. Escuela de Graduados en Educación, v. 5, p. 4-12, 2001.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 35. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

HOUAISS, Antonio. Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001.

LANE, Silvia. O processo grupal. In: LANE, Silvia; CODO, Wanderley (Orgs.). Psicologia social: o homem em movimento. 10. ed. São Paulo: Brasiliense, 1992.

LANE, Silvia. Uma análise do processo grupal. Cadernos PUC, São Paulo, v. 11, p. 95-107, 1981.

LANE, Silvia. A Psicologia Social e uma nova concepção de homem para a Psicologia. In: LANE; S. T. M.; CODO, Wanderley (Eds.). Psicologia Social: O homem em movimento. São Paulo: Brasiliense, 1984. p. 10-19.

LEWIN, K. Teoria de campo em ciência social. São Paulo, Pioneira, 1965.

PIAGET, Jean. Sobre a Pedagogia. Porto Alegre: Casa do Psicólogo, 1998.
Publicado
2020-11-23
Como Citar
Conter, C., & dos Santos Alves, A. C. (2020). Trabalho em grupo: Sentidos e significados na prática escolar. Caderno Marista De Educação, 10(1), e39603. Recuperado de https://revistaseletronicas.pucrs.br/index.php/caderno-marista-de-educacao/article/view/39603
Seção
Artigos