Guerra justa, hermenêutica política e pluralismo religioso em John Rawls e Claude Geffré

  • Nythamar de Oliveira Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
  • Tiago de Fraga Gomes Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
Palavras-chave: Guerra justa. Teologia política. Pluralismo religioso. John Rawls. Claude Geffré.

Resumo

Para John Rawls é primordialmente importante para o Direito dos Povos que a justiça seja assegurada pela estabilidade de sociedades liberais e decentes. Uma intervenção militar com fins humanitários ou autodefesa seria uma resposta legítima aos abusos perpetrados pelos grupos ou Estados “fora da lei”, na medida em que fomentam a guerra e o terrorismo, o que poderia ser caracterizada como uma instância de “guerra justa”. A hermenêutica política emerge no espaço de razão pública onde se propõe a conciliação e o acordo entre as doutrinas religiosas e as concepções abrangentes de bem comum, com seus conflitos e incompatibilidades. O liberalismo político busca acomodar tal pluralidade de doutrinas abrangentes razoáveis através do consenso sobreposto. Claude Geffré propõe uma teologia com orientação hermenêutica como uma nova postura política diante do pluralismo hodierno. O enigma da alteridade plural das concepções religiosas manifesta a riqueza espiritual da vivência humana do divino, porém, levanta importantes questionamentos para a convivência social. Rawls e Geffré convergem quanto ao problema hermenêutico da justificação normativa postulada num contexto pluralista de reconhecimento do outro e de tolerância em face às querelas irreconciliáveis.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Nythamar de Oliveira, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
Professor dos PPGs em Filosofia e em Teologia da PUCRS. Doutor em Filosofia, Mestre em Filosofia e em Teologia, Licenciado em Teologia. Possui 6 pós-doutorados no exterior.
Tiago de Fraga Gomes, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
Doutorando em Teologia pela PUCRS, Mestre em Teologia, Bacharel em Filosofia e em Teologia.

Referências

BOAVENTURA, Josuel dos Santos. O Deus único nas distintas formas de revelação. Teocomunicação, Porto Alegre, v. 36, n. 152, p. 383-421, jun. 2006.

DUPUIS, Jacques. Vers une théologie du pluralisme religieux. Paris: Du Cerf, 1997.

DUQUOC, Christian. A teologia no exílio: o desafio da sobrevivência da teologia na cultura contemporânea. Trad. Gentil Adelino Titton. Petrópolis: Vozes, 2006.

GEFFRÉ, Claude. De Babel à Pentecostes: ensaios de teologia inter-religiosa. Trad. Margarida Maria Cichelli Oliva. São Paulo: Paulus, 2013.

______. Como fazer teologia hoje: hermenêutica teológica. Trad. Benôni Lemos. São Paulo: Paulinas, 1989.

______. Crer e interpretar: a virada hermenêutica da teologia. Trad. Lúcia M. Endlich Orth. Petrópolis: Vozes, 2004.

GOMES, Tiago de Fraga. Hermenêutica teológica e teologia da revelação em Claude Geffré. In: SUSIN, Luiz Carlos; RODRIGUES, Jéferson Ferreira (Org.). Fazer teológico. Porto Alegre: Editora Fi, 2015. p. 49-71.

______. A teologia hermenêutica de Claude Geffré e a sua relevância para a teologia da revelação. 2015. 140 f. Dissertação (Mestrado em Teologia) – Faculdade de Teologia, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2015.

HAMMES, Érico João. Hermenêutica e teologia: interpretar é preciso. In: PICH, Roberto Hofmeister; ZILLES, Urbano (Org.). Filosofia, Ciência e Religião. Porto Alegre: Edições EST, 2009. p. 57-67.

HICK, John. God has many Names. Filadélfia: Westminster, 1980.

HOBSBAWM, Eric. A era dos extremos: o breve século XX: 1914-1991. Trad. Marcos Santarrita. São Paulo: Paz e Terra, 1995.

HUNTINGTON, Samuel. O choque de civilizações e a recomposição da ordem mundial. Rio de Janeiro: Objetiva, 1997.

NARDIN, Terry (Org.). The ethics of war and peace. Princeton, NJ: Princeton University Press, 1996.

OLIVEIRA, Nythamar de. Revisitando a crítica comunitarista ao liberalismo: Sandel, Rawls e teoria crítica. Síntese Revista de Filosofia, Belo Horizonte, v. 41, p. 393-413, 2014.

______. Tout autre est tout autre: direitos humanos e perspectivismo semânticotranscendental. Veritas, Porto Alegre, v. 51, p. 98-108, 2006.

PANIKKAR, Raymond. The unknown Christ of hinduism. Mary-knoll: Orbis Books, 1981.

QUEIRUGA, Andrés Torres. O diálogo das religiões. São Paulo: Paulus, 1997.

RAWLS, John. The law of peoples. Cambridge, Mass.: Harvard University Press, 1999.

______. A theory of justice. Cambridge, Mass.: Harvard University Press, 1971.

______. Political liberalism. New York: Columbia University Press, 1996.

SILVA, Cássio Murilo Dias da. Metodologia da exegese bíblica. 3. ed. São Paulo: Paulinas, 2009.

SOLZHENITSYN, Alexander. Uma palavra de verdade. São Paulo: Hemus, 1972.

STEIN, Ernildo. Aproximações sobre Hermenêutica. Porto Alegre: Edipucrs, 1996.

STRACHAN, Hew. European armies and the conduct of war. London: Routledge, 1998.

______. Financing the war. Oxford: Oxford University Press, 2004.

______. The first world war: to arms. Oxford: Oxford University Press, 2003.

WALZER, Michael. Just and unjust wars: a moral argument with historical illustrations. London: Allen Lane, 1978.

ZILLES, Urbano. Pierre Teilhard de Chardin: ciência e fé. Porto Alegre: Edipucrs, 2001.

Publicado
2016-11-08