O Museu como espaço de transversalidade

  • José Luís Schifino Ferraro Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
  • Roberta Giglio Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS).
Palavras-chave: de ciências. Museu. Temas trasnversais. Educação.

Resumo

O presente trabalho visa abordar a temática da transversalidade a partir da orientação dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs) como possibilidade para uma prática pedagógica significativa em um espaço não formal de educação: os museus. Tomando como referência o Museu de Ciências e Tecnologia da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (MCT-PUCRS) em sua área expositiva, o artigo pretende abordar dois temas transversais específicos, “saúde” e “meio ambiente”, discutindo e propondo uma ressignificação das práticas educativas tradicionais que se inscrevem no âmbito do ensino de ciências.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

José Luís Schifino Ferraro, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
Doutor em Educação – Professor da Faculdade de Biociências e do Programa de Pós-graduação em Educação em Ciências e Matemática da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS).
Roberta Giglio, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS).

Licenciada em Ciências Biológicas e Mestranda do Programa de Pós-graduação em Educação em Ciências e Matemática da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS).

Referências

BOMFIM, Alexandre Maia do et al. Parâmetros curriculares nacionais: uma revisita aos temas transversais meio ambiente e saúde. Trab. Educ. Saúde, v. 11, n. 1, p. 27-52, 2013.

BRASIL. Parâmetros curriculares nacionais. Brasília: Ministério da Educação, 1998.

D’AMBROSIO, Ubiratan. Transdisciplinaridade. São Paulo: Palas Athena, 1997.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mil platôs. São Paulo: Editora 34, 1995. v. 1.

DEMO, Pedro. Educar pela pesquisa. 9. ed. São Paulo: Autores Associados, 2011.

FERRARO, José Luís Schifino. Por uma ecologia do currículo: nova percepção, diferente perspectiva. Revista e-Curriculum, v. 12, n. 1,

p. 969-990, 2014.

KROEF, Ada Beatriz Gallicchio. Currículo-nômade: sobrevôos de bruxas e travessias de piratas. 2003. Tese (Doutorado) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, 2003.

NAVAS, Ana Maria. Concepções de popularização da ciência e da tecnologia no discurso político: impactos nos museus de ciências. 2008. Dissertação (Mestrado) – Universidade de São Paulo. São

Paulo, 2008.

INOCÊNCIO, Adalberto Ferdnando. Educação ambiental e educação não formal: um estudo de caso na perspectiva de um museu interdisciplinar. In: SEMINÁRIO DE PESQUISA E EDUCAÇÃO DA REGIÃO SUL, IX. (IX ANPED SUL). 2012. p. 1-13.

OLIVEIRA, Guilherme Cordeiro da Graça de et al. Visitas guiadas ao Museu Nacional: interações e impressões de estudantes da Educação Básica. Ciênc. Educ., v. 20, n. 1, p. 227-242, 2014.

SOARES, Charles Tiago dos Santos; DA SILVA, Ana Maria Marques. Escolha e controle em um ambiente museal: um estudo com professores de Ciências. Investigações em Ensino de Ciências, v. 18,

n. 1, p. 177-198, 2013.

VALENTE, Maria Esther et al. Museus, ciência e educação: novos desafios. História, Ciências, Saúde, v. 12, supl., p. 183-203, 2005.

VIEIRA, Valéria et al. Espaços não-formais de ensino e o currículo de ciências. Ciência e Cultura, v. 57, n. 4, p. 21-23, 2005.

Publicado
2014-10-13
Como Citar
Ferraro, J. L. S., & Giglio, R. (2014). O Museu como espaço de transversalidade. Educação Por Escrito, 5(2), 333-345. https://doi.org/10.15448/2179-8435.2014.2.17802