Projetos em disputa

Uma análise de políticas de formação de professores sob a ótica do Ciclo de Políticas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15448/2179-8435.2022.1.42976

Palavras-chave:

Formação de professores, Base Nacional Comum Curricular, BNC-Formação, Ciclo de Políticas

Resumo

A Base Nacional Comum Curricular, desde seu processo de construção, anunciava-se como documento que ecoaria não apenas no currículo da Educação Básica, mas diretamente na formação docente. Diante disso, esta pesquisa tem como objetivo analisar a atual política nacional de formação de professores: Base Nacional Comum - Formação (BNC-Formação). Trata-se de uma pesquisa qualitativa, que tem como aporte teórico o “Ciclo de Políticas” proposto por Ball e Bowe (1992), constituído por cinco basilares contextos, dos quais analisaremos dois: o contexto de Influência e o contexto de Produção de Texto. Constatamos a pressão para a efetivação de um projeto conservador, neoliberal e privatista, em detrimento de educação pública, democrática, gratuita, laica, plural, inclusiva, emancipatória e de qualidade socialmente referenciada, defendida por associações científicas e instituições acadêmicas. Desse modo, fica evidente que a descaracterização da docência, sendo reduzida ao repasse de conhecimento, não constitui um avanço para a profissionalização docente. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Amanda Gomes Rêgo, Universidade de Pernambuco (UPE), Recife, PE, Brasil.

Graduada em Pedagogia pela Universidade de Pernambuco (UPE), em Nazaré da Mata, PE, Brasil. Professora das redes pública e privada de ensino em Recife, PE, Brasil. 

Doriele Silva de Andrade Costa Duvernoy, Universidade de Pernambuco (UPE), Recife, PE, Brasil.

Doutora em Educação pela Université Lumière Lyon 2, França. Docente do curso de Pedagogia e do Programa de Pos-graduação em Educação da Universidade de Pernambuco (UPE), Campus Mata Norte, em Nazaré da Mata, PE, Brasil. 

Referências

AGUIAR, M. A. S.; DOURADO, L. F. BNCC e formação de professores: concepções, tensões, atores e estratégias. Retratos da Escola, Brasília, v. 13, n. 25, p. 33-37, jan./maio 2019. Disponível em: https://doi.org/10.22420/rde.v13i25.990. Acesso em: 23 set. 2021.

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM EDUCAÇÃO (ANPEd). Ofício CNE. Rio de Janeiro: ANPEd, 4 dez. 2017.

BALL, S.; MAINARDES, J. Políticas Educacionais: questões e dilemas. São Paulo: Cortez, 2011.

BALL, Stephen J.; BOWE, Richard. Subject departments and the ‘implementation’ of national curriculum policy: an overview of the issues. Journal of Curriculum Studies, London, v. 24, n. 2, p. 97-115, 1992. Disponível em: https://doi.org/10.1080/0022027920240201. Acesso em: 4 set. 2021.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Tradução de Luís Antero Reto e Augusto Pinheiro. São Paulo: Edições 70, 2011.

BAZZO, V.; SCHEIBE, L. De volta para o Futuro... retrocessos na atual política de formação docente. Retratos da Escola, Brasília, v. 13, n. 27, p. 669-684, set./dez. 2019. Disponível em: http://dx.doi.org/10.22420/rde.v13i27.1038. Acesso em: 5 out. 2021.

BEHRENS, M. A. O paradigma emergente e a prática pedagógica. Petrópolis, RJ: Vozes, 2013.

BOWE, R.; BALL, S.; GOLD, A. Reforming education and changing schools: case studies in policy sociology. London: Routledge, 1992.

BRASIL. Lei Federal N° 9394 de 20 de dezembro. Lei de Diretrizes e Bases da educação Nacional. Brasília: Presidência da República, 1996.

BRASIL. Resolução Nº 2, de 22 de dezembro de 2017b. Institui e orienta a implantação da Base Nacional Comum Curricular, a ser respeitada obrigatoriamente ao longo das etapas e respectivas modalidades no âmbito da Educação Básica. Brasília, DF: Conselho Nacional de Educação, [2017]. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/historico/RESOLUCAOCNE_CP222DEDEZEMBRODE2017.pdf. Acesso em: 19 out. 2021.

BRASIL. Resolução Nº 2, de 20 de dezembro de 2019. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação Inicial de Professores para a Educação Básica e institui a Base Nacional Comum para a Formação Inicial de Professores da Educação Básica (BNC-Formação). Brasília, DF: Conselho Nacional de Educação, [2019]. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/docman/dezembro-2019-pdf/135951-rcp002-19/file. Acesso em: 19 out. 2021.

BRASIL. Resolução Nº 1, de 27 de outubro de 2020. Dispõe sobre as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação Continuada de Professores da Educação Básica e institui a Base Nacional Comum para a Formação Continuada de Professores da Educação Básica (BNC-Formação Continuada). Brasília, DF: Conselho Nacional de Educação, [2020]. Disponível em: https://www.in.gov.br/web/dou/-/resolucao-cne/cp-n-1-de-27-de-outubro-de-2020-285609724. Acesso em: 19 out. 2021.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Conselho Pleno. Resolução Nº 2/2015. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. Brasília, DF: CNE, 2015.

SILVA, K. A. C. P. C. A (de)Formação de Professores na Base Nacional Comum Curricular. In: UCHOA, A. M. C.; LIMA, Á. M.; SENA, I. P. F. S. (org.) Diálogos críticos, reformas educacionais: avanço ou precarização da educação pública? Porto Alegre: Editora Fi, 2020. v. 2. p. 102-122.

DOURADO, L. F. Diretrizes curriculares nacionais para a formação inicial e continuada dos profissionais do magistério da educação básica: concepções e desafios. Educ. Soc., Campinas, v. 36, n. 131, p. 299-324, jun. 2015. Disponível em: https://doi.org/10.1590/ES0101-73302015151909. Acesso em: 3 dez. 2021.

FRANCO, M. A. S.; LIBANEO, J. C.; PIMENTA, S. G. Elementos para a formulação de diretrizes curriculares para cursos de pedagogia. Cad. Pesqui., São Paulo, v. 37, n. 130, p. 63-97, abr. 2007. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-15742007000100005&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 30 nov. 2021.

FREITAS, S. C.; MOLINA, A. A. Estado, Políticas Públicas educacionais e formação de professores: em discussão a nova Resolução CNE/CP Nº 2, de 20 de dezembro de 2019. Pedagogia Foco, Iturama, v. 15, n. 13, p. 62-81, jan./jun. 2020.

GUERRA, S. Z.; ESTORMOVSKI, R. C. O papel da pesquisa no processo de avaliação das políticas educacionais. Educação Por Escrito, Porto Alegre, v. 12, n. 1, p. e37396-e37396, 2021. Disponível em: https://doi.org/10.15448/2179-8435.2021.1.37396. Acesso em: 3 fev. 2022.

HYPOLITO, Á. M. BNCC, agenda global e formação docente. Retratos da Escola, Brasília, v. 13, n. 25, p. 187-201, jan./maio 2019. Disponível em: https://doi.org/10.22420/rde.v13i25.995. Acesso em: 15 jan. 2022.

LAVOURA, T. N.; ALVES, M. S.; SANTOS JUNIOR, C. L. Política de formação de professores e a destruição das forças produtivas: BNC-Formação em debate. Práxis Educacional, Vitória da Conquista, v. 16, n. 37, p. 553-577, 2020. Disponível em: https://doi.org/10.22481/praxisedu.v16i37.6405. Acesso em: 3 dez. 2021.

MACEDO, E. Por uma leitura topológica das políticas curriculares. Education Policy Analysis Archives/Archivos Analíticos de Políticas Educativas, [S. l.], v. 24, p. 1-23, 2016. Disponível em: https://www.redalyc.org/journal/2750/275043450051/html. Acesso em: 10 nov. 2021.

MAINARDES, J.; MARCONDES, M. I. Entrevista com Stephen J. Ball: um diálogo sobre justiça social, pesquisa e política educacional. Educ. Soc., Campinas, v. 30, n. 106, p. 303-318, jan./abr. 2009. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0101-73302009000100015. Acesso em: 3 set. 2021.

MAINARDES, J. Abordagem do ciclo de políticas: uma contribuição para a análise de políticas educacionais. Educ. Soc., Campinas, v. 27, n. 94, p. 47-69, jan./abr. 2006. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0101-73302006000100003. Acesso em: 3 set. 2021.

MANFRE, A. H. (Semi)formação, BNCC e escolarização: Qual é a base para a educação? Educação Por Escrito, Porto Alegre, v. 12, n. 1, p. e33173-e33173, 2021. Disponível em: https://doi.org/10.15448/2179-8435.2021.1.33173. Acesso em: 10 fev. 2022.

PAVIANI, J; CARBONARA, V. Pressupostos epistemológicos nos processos de ensino e de aprendizagem a partir de uma perspectiva ética. Conjectura: filosofia e educação, v. 23, n. 3, p. 541-560, 2018. Disponível em: https://doi.org/10.18226/21784612.V23.N3.6. Acesso em: 10 nov. 2021.

RODRIGUES, L. Z.; PEREIRA, B.; MOHR, A. Recentes imposições à formação de professores e seus falsos pretextos: as BNC Formação Inicial e Continuada para controle e padronização da docência. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, Rio de Janeiro, p. e35617-39, 2021. Disponível em: https://doi.org/10.28976/1984-2686rbpec2021u12771315. Acesso em: 8 fev. 2022.

SOARES, S. S. Novos cenários e velhos debates no campo da política de formação de professores no Brasil. Momento - Diálogos em Educação, Rio Grade/RS, v. 27, n. 2, p. 58-75, 2018. Disponível em: https://doi.org/10.14295/momento.v27i2.8045. Acesso em: 4 nov. 2021.

Downloads

Publicado

2022-09-30

Como Citar

Rêgo, A. G., & Duvernoy, D. S. de A. C. (2022). Projetos em disputa: Uma análise de políticas de formação de professores sob a ótica do Ciclo de Políticas. Educação Por Escrito, 13(1), e42976. https://doi.org/10.15448/2179-8435.2022.1.42976