Juventude e cultura digital

Notas de um diário etnográfico

Palavras-chave: etnografia, redes, tecnologia

Resumo

Estudo etnográfico realizado em uma escola municipal de Florianópolis-SC, durante o biênio 2018-2019. O artigo elege a etnografia educacional como campo de reflexão acadêmica e toma as tecnologias como tema de pesquisa. O objetivo geral do percurso foi compreender de que forma o jovem internauta utiliza as tecnologias ubíquas, bem como as transformações, oportunidades e tensões que essa conexão gera nas sociabilidades juvenis. A partir da longa descrição do lócus observado, o texto elucida possibilidades e desafios para realização de uma etnografia no espaço educacional. Os resultados da pesquisa evidenciam as transformações profundas que as tecnologias ubíquas vêm provocando nos modos de comunicação, produzir e receber informações. Diante de tal panorama, a educação é um elemento essencial para que o jovem infonauta possa desenvolver habilidades de interrogar e desafiar as representações preconceituosas, extremistas, bem como as violências simbólicas tecidas nas redes sociais digitais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Valdeci Reis, Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC), Florianópolis, SC, Brasil.

Doutor em Educação pela Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC), em Florianópolis, SC, Brasil. Coordenador de Publicações no Instituto Federal de Santa Catarina (IFSC), em Florianópolis, SC, Brasil. 

Referências

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM EDUCAÇÃO. Ética e pesquisa em Educação: subsídios. Rio de Janeiro: ANPEd, 2019.

BANCO MUNDIAL. World development report 2016: Digital dividends. Washington: Banco Mundial, 2016.

BAUDRILLARD. Jean. Simulacros e simulação. Lisboa: Relógio D’ Água, 2006.

BLACK Mirror: terceira temporada. Direção: Bryn Higgins, Carl Tibbetts, Owen Harris. Roteiro: Charlie Brooker. Reino Unido, 2016, Netflix.

BRASIL. [Constituição (1988)]. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF: Presidência da República, [2016]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/ Constituiçao.htm. Acesso em: 1 jan. 2017.

BRASIL. Lei nº 12.852, de 5 de agosto de 2013. Institui o Estatuto da Juventude e dispõe sobre os direitos dos jovens, os princípios e diretrizes das políticas públicas de juventude e o Sistema Nacional de Juventude – SINAJUVE. Brasília, DF: Presidência da República, [2013]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2013/Lei/L12852.htm. Acesso em: 5 dez. 2018.

BRASIL. Lei nº 12.852, de 5 de agosto de 2013. Institui o Estatuto da Juventude e dispõe sobre os direitos dos jovens, os princípios e diretrizes das políticas públicas de juventude e o Sistema Nacional de Juventude – SINAJUVE. Brasília, DF: Presidência da República, [2013]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2013/Lei/L12852.htm. Acesso em: 5 dez. 2018.

BRASIL. Lei nº 12.965, de 23 de abril de 2014. Estabelece princípios, garantias, direitos e deveres para o uso da Internet no Brasil. Brasília, DF: Presidência da República, [2014]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2014/lei/l12965.htm. Acesso em: 6 dez. 2018.

BRASIL. Terceira Conferência Nacional da Juventude: Relatório Final. Brasília: Secretaria Nacional da Juventude, 2015.

BECKER, Howard. Métodos de pesquisa em ciências sociais. São Paulo: Hucitec, 1993.

BECKER, Kyene. Manuela D’ Ávila veste camiseta com a frase “Jesus é Travesti” em foto. Política. In: Boatos.org. [S. l.], 3 out. 2018. Disponível em: https://www.boatos.org/politica/manuela-davila-jesus-travesti.html. Acesso em: 15 out. 2018.

CARMO, Paulo Sérgio do. Culturas da rebeldia: a juventude em questão. São Paulo: SENAC, 2003.

CASIMIRO, Flávio Henrique Calheiros. “As classes dominantes e a nova direita no Brasil contemporâneo”. In: GALLEGO, Esther Solano. O ódio como política: a reinvenção das direitas no Brasil. São Paulo: Boitempo, 2018, 41-47. (Coleção Tinta Vermelha).

GALLEGO, Esther Solano. O ódio como política: a reinvenção das direitas no Brasil. São Paulo: Boitempo, 2018. (Coleção Tinta Vermelha).

GEERTZ, Clifford. Obras e vidas: o antropólogo como autor. Tradução de Vera Ribeiro. 3. ed. Rio de Janeiro: EdUFRJ, 2009.

GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: LTC, 1989.

KEEN, Andrew. #VertigemDigital: por que as redes sociais estão nos dividindo, diminuindo e desorientando. Tradução de Alexandre Martins. Rio de Janeiro: Zahar, 2012.

KISS me first: primeira temporada. Direção: Bryan Elsley. Reino Unido, 2018, Netflix.

MACEDO, Fernanda Beatriz Ferreira de. “Falando a gente encontra a solução”: Estudo de caso sobre a percepção dos alunos e alunas participantes do Projeto Crimes Virtuais. 2018. 135 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Centro de Ciências Humanas e da Educação, Universidade do Estado de Santa Catarina, Florianópolis, 2018.

MALINOWSKI, Bronislaw. “Tema, método e objetivo desta pesquisa”. In: MALINOWSKI, Bronislaw. Os argonautas do Pacífico Ocidental. 2. ed. São Paulo: Ática, 1976. p. 17-34.

MATTOS, Carmem Lúcia Guimarães de. “A abordagem etnográfica na investigação científica”. In: MATTOS, Carmem Lúcia Guimarães de; CASTRO, Paula Almeida de (org.). Etnografia e educação: conceitos e usos. Campina Grande: EDUEPB, 2011. p. 49-83.

PEIRANO, Marisa. Etnografia não é método. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, v. 20, n. 42, p. 377-391, 2014.

ROSISTOLATO, Rodrigo. “Você sabe como é, eles não estão acostumados com antropólogos!”: uma análise etnográfica da formação de professores. Pró-Posições, Campinas, v. 24, n. 2, p. 41-54, 2013. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0103-73072013000200004.

SANTAELLA, Lúcia. Comunicação ubíqua: representações na cultura e na educação. São Paulo: Paulus, 2013.

THE MATRIX. Direção: Lilly Wachowski, Lana Wachowski. Austrália/EUA, 1999, DVD (2h 16min).

TERRA em transe. Direção: Glauber Rocha. Brasil, 1967. DVD (1h 48min).

WEBER, Florence. A entrevista, a pesquisa e o íntimo, ou por que censurar seu diário de campo? Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, v. 15, n. 32, p. 157-170, 2009. 1983: primeira temporada. Direção: Joshua Long, Maciej Musiał. Roteiro: Frank Marshall, Robert Zotnowski. Polônia, 2018, Netflix.

Publicado
2022-09-16
Como Citar
Reis, V. (2022). Juventude e cultura digital: Notas de um diário etnográfico. Educação Por Escrito, 13(1), e40140. https://doi.org/10.15448/2179-8435.2022.1.40140