Aprendizagem e tecnologias móveis sem fio

Conexões, problematizações e possibilidades

Palavras-chave: Aprendizagem móvel, Tecnologias móveis, Subjetividade

Resumo

O objetivo deste artigo é discutir e problematizar a disseminação e o enaltecimento da aprendizagem móvel a partir dos conceitos ferramenta de prática discursiva e de subjetividade. Narrativas digitais produzidas por estudantes da Educação Básica e práticas discursivas mobilizadas pela UNESCO constituem a empiria da discussão tecida nesta problematização. As narrativas demonstraram que o uso feito por adolescentes das tecnologias digitais móveis sem fio (TMSF) como ferramenta para a aprendizagem restringe-se a utilitarismo, treinamento e reprodução. Alicerçada nos estudos foucaultianos, a analítica desenvolvida permite afirmar que a exacerbação da ideia de aprendizagem móvel cria condições de possibilidade para a produção de outros tipos de subjetividades, mais participativas e dispersas, ligadas à necessidade de conexão em rede. A este outro modo de subjetividade, denomina-se Homo œconomicus discentis accessibilis, um sujeito que, além de encarregar-se de empresariar a si mesmo, também assume a necessidade de manter-se disponível para acessar e ser acessado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carine Bueira Loureiro, Instituto Federal Rio Grande do Sul (IFRS), Porto Alegre, RS, Brasil.

Doutora em Educação pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos), em São Leopoldo, RS, Brasil; professora do Instituto Federal Rio Grande do Sul (IFRS), em Porto Alegre, RS, Brasil.

Maura Corcini Lopes, Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos), São Leopoldo, RS, Brasil.

Doutora e Mestre em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do sul (UFRGS), em Porto Alegre, RS, Brasil; professora da Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos), em São Leopoldo, RS, Brasil

Referências

Barcelos, R. J. S., Tarouco, L., & Berch, M. (2009). O uso de mobile learning no ensino de algoritmos. Novas Tecnologias na Educação, 7(2), 1-11.

Biesta, G. (2018). O dever de resistir. Educação, 41(1), 21-29.

Biesta, G. (2016). Devolver la enseñanza a la educación. Uma respuesta a la desaparición del maestro (C. E.

Noguera-Ramírez, tradutor). Pedagogya y Saberes, 44, 119-129.

Biesta, G. (2013). Para além da aprendizagem: educação democrática para um futuro humano. Belo Horizonte:

Autêntica.

Castro, E. (2009). Vocabulário de Foucault. Belo Horizonte: Autêntica.

Corea, C. (2016a). Pedagogía y comunicación en la era del aburrimiento. In C. Corea, & I. Lewkowicz, Pedagogía

del aburrido: escuelas destituidas, familias perplejas (pp. 41-70). Buenos Aires: Paidós Educador.

Corea, C. (2016b). El agotamiento de la subjetividad pedagógica. In C. Corea, & I. Lewkowicz, Pedagogia del aburrido: escuelas destituidas, familias perplejas (pp. 71-81). Buenos Aires: Paidós Educador.

Dardot, P., & Laval, C. (2016). A nova razão do mundo (M. Echalar, tradutora). São Paulo: Boitempo.

Deleuze, G. (2010). Conversações (2. ed.). São Paulo: Editora 34.

Ensweiler, D. (2017). Intencionalidade pedagógica: relações entre ensinar e aprender. In C. B. Loureiro, & R. Klein (Orgs.), Inclusão e aprendizagem: contribuições para pensar as práticas pedagógicas (pp. 33-51). Curitiba: Appris.

Foucault, M. (2010). Vigiar e punir (38. ed.). Petrópolis: Vozes, 2010.

Foucault, M. (2009). A arqueologia do saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária.

Foucault, M. (2008). O Nascimento da Biopolítica. São Paulo: Martins Fontes.

Foucault, M. (1997). Resumo dos cursos do Collège de France (1970 – 1982). Rio de Janeiro: Zahar.

Howard, P. N. (2002). Network ethnography and the hypermedia organization: new media, new organizations, new methods. New media and Society, 4(4), 550-74.

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. (2016). ENEM. Recuperado de http://portal.inep.gov.br/web/guest/educacao-basica

Lazzarato, M. (2011). La fabrique de l’homme endetté: essai sur la condition néolibérale. Paris: Éditions Amsterdam.

Loureiro, C. B., & Lopes, M. C. (2015). A promoção da inclusão digital e a constituição do Homo oeconomicus accessibilis. Educação, 38(3), 329-339.

Marín-Díaz, D. L. (2013). Autoajuda e educação: uma genealogia das antropotécnicas contemporâneas (Tese de Doutorado). Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Moraes, A. L. (2008). Disciplina e controle na escola: do aluno dócil ao aluno flexível (Dissertação de Mestrado).

Universidade Luterana do Brasil.

Noguera-Ramírez, C. E. (2011). Pedagogia e governamentalidade: ou da Modernidade Educativa como uma sociedade educativa. Belo Horizonte: Autêntica.

Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura. (2016a). Diretrizes de políticas para a aprendizagem móvel. Recuperado de www.unesco.org/open-acces/terms-use-ccbyncnd-port

Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura. (2016b). O futuro da aprendizagem móvel: implicações para planejadores e gestores de políticas. Recuperado de http://unesdoc.unesco.org/images/0022/002280/228074POR.pdf

Rose; N. (2011). Inventando nossos Selfs: psicologia, poder e subjetividade. Petrópolis, RJ: Vozes.

Saraiva, K. (2010). Educação a distância: outros tempos, outros espaços. Ponta Grossa: UEPG.

Sennettt, R. (2012). A corrosão do caráter: consequências pessoais do trabalho no novo capitalismo. Rio de Janeiro: Record.

Sennett, R. (2015). O artífice. Rio de Janeiro: Record.

Serres, M. (2015). Polegarzinha: uma nova forma de viver em harmonia, de pensar as instituições, de ser e de saber. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Sibilia, P. (2012). Redes ou paredes: a escola em tempos de dispersão. Rio de Janeiro: Contraponto.

Touraine, A. (2001). Pensar de outro modo. Lisboa: Instituto Piaget.

Valente, J. A., & Almeida, M. E. B. (2014). Narrativas digitais e o estudo de contextos de aprendizagem. Em Rede: Revista de Educação a Distância, 1(1), 32-50.

Veiga-Neto, A. (2013). Estudos biopolíticos e educação na América Latina: avaliação e perspectivas. Anais do IV Colóquio Latino-americano de Biopolítica – CLAB, II Colóquio Internacional de Biopolítica y Educación – CIBE, Bogotá, 2013.

Veiga-Neto, A. (2007). Pensar a escola como uma instituição que pelo menos garanta a manutenção das conquistas fundamentais da modernidade. In M. V. Costa, A escola tem futuro? (pp. 97-118). Rio de Janeiro: Lamparina.

Veiga-Neto, A. (2006). Na oficina de Foucault. In J. Gondra, & W. Kohan (Orgs.). Foucault 80 anos (pp. 79-91). Belo Horizonte: Autêntica.

Publicado
2021-06-21
Como Citar
Loureiro, C. B., & Lopes, M. C. (2021). Aprendizagem e tecnologias móveis sem fio: Conexões, problematizações e possibilidades . Educação, 44(1), e32274. https://doi.org/10.15448/1981-2582.2021.1.32274
Seção
Outros Temas