De que forma o currículo pode motivar os estudantes para a aprendizagem escolar?

  • Luciane Bernardes da Silva
  • Renato Capitani
Palavras-chave: Motivação, Aprendizagem, Currículo, Infâncias

Resumo

Este artigo busca refletir sobre os conceitos de motivação, aprendizagem e currículo e compreender de que forma o currículo pode interferir na motivação dos estudantes para a aprendizagem. A aprendizagem pode ser definida como a forma pela qual os sujeitos adquirem novos conhecimentos, desenvolvem competências e modificam o comportamento; é uma mudança relativamente estável do comportamento, de uma maneira mais ou menos constante, obtida por meio da experiência e da prática motivada. Portanto, motivação e aprendizagem estão interligadas. A pesquisa realizada traz uma reflexão sobre a importância de um currículo aberto, flexível e em movimento, aspectos reconhecidos como facilitadores da aprendizagem dos estudantes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luciane Bernardes da Silva

Licenciada em Pedagogia pela Universidade Ritter dos Reis (UniRitter). Especialista em Educação Infantil pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Orientadora educacional no Colégio Marista Assunção. 

Renato Capitani

KOLLER, Silvia; PAULA COUTO, Maria Clara; HOENDORFF, Jean Von. Manual de produção científica. Porto Alegre: Penso, 2014.

Referências

COSENZA, Ramon; Leonor GUERRA. Neurociência e educação. Porto Alegre:Artmed, 2009

DELVAL, Juan. Crescer e pensar: a construção do conhecimento na escola. 1998.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia. São Paulo: Paz e Terra, 2015.

FERNANDEZ, Alícia. O saber em jogo. Porto Alegre: Artmed, 2001.

LIMA, Elvira Souza. Currículo e desenvolvimento humano. Brasília, DF: Ministério da Educação, 2007).

LARROSA, Jorge; VEIGA-NETO, Alfredo. Pedagogia profana: danças, piruetas e mascaradas. Autêntica Editora, 2010.

LOURENÇO, Abílio Afonso; PAIVA, Maria Olímpia Almeida de. A motivação escolar e o processo de aprendizagem. Ciências & Cognição, Porto, v. 15, p. 132-140, 10 ago. 2010. Disponível em: <www.cienciasecognicao.org>. Acesso em: 15 ago. 2010.

MOSQUERA, Juan José Mouriño; STOBAUS, Claus Dieter. A cognição e a afetividade no ato pedagógico: aspectos propositivos para a educação marista. In: BONHEMBERGER, Marcelo; MENTGES, Manuir José. Educação Marista: perspectiva e desafios. São Paulo: Ftd, 2016. p. 172-181.

SACRISTÁN, J. Gimeno. Currículo uma reflexão sobre a prática. São Paulo: Martins Fontes, 2010.

TROIS, Loide Pereira; MENTGES, Manuir. Infâncias: seus fazeres e saberes. In: BONHEMBERGER, Marcelo;

MENTGES, Manuir. Educação Marista: perspectiva e desafios. São Paulo: FTD, 2016. p. 183-193.

UNIÃO MARISTAL DO BRASIL. Projeto Educativo do Brasil Marista: nosso jeito de conceber a Educação Básica. Brasília, DF: Umbrasil, 2010

VYGOTSKY, L.S. Pensamento e linguagem. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2003.
Publicado
2020-11-23
Como Citar
Bernardes da Silva, . L., & Capitani, R. (2020). De que forma o currículo pode motivar os estudantes para a aprendizagem escolar?. Caderno Marista De Educação, 10(1), e39605. Recuperado de https://revistaseletronicas.pucrs.br/index.php/caderno-marista-de-educacao/article/view/39605
Seção
Artigos