Narrativas digitais para uma aprendizagem significativa no Ensino Superior: qual a percepção dos estudantes?

Ernandes Rodrigues do Nascimento, Fábio Leandro Melo Ramos dos Anjos, Karla Karina Oliveira Menezes, Gregório Batista Lima de Oliveira

Resumo


Nos últimos anos, buscando desenvolver uma educação que atenda a demanda atual do mercado profissional, muito tem se falado sobre metodologias ativas, ensino híbrido, inovação no ambiente educacional, entre outros temas que nos remetem ao processo de ensino e aprendizagem. Mas, na literatura, pouco se encontra sobre a percepção dos estudantes do ensino superior em relação ao uso das metodologias ativas no processo de ensinagem. O estudante desse nível de ensino, em sua maioria, trabalha em parte do dia, cuida da família em outro momento e estuda em determinado turno, possuindo dezenas de ocupações e escassez de tempo. Para ele, deve-se maximizar sua aprendizagem no menor tempo possível, mesclando atividades presenciais e virtuais, mas evitando deixar excesso de atribuições acadêmicas fora do ambiente escolar, pois o mesmo não dará a devida atenção. A partir disso, torna-se importante conhecer a sua percepção sobre o uso de metodologias ativas de ensino, objetivo deste artigo. O presente trabalho buscou conhecer a percepção dos estudantes de graduação da rede particular de ensino sobre o uso de narrativas digitais para uma aprendizagem significativa. A partir de uma abordagem qualitativa, a pesquisa foi desenvolvida por meio de entrevistas individuais, grupo focal, diário de campo e observação, durante a realização de um curso de extensão universitária. Os resultados demonstraram a percepção dos estudantes em relação ao uso das narrativas digitais como metodologias ativas, destacando pontos positivos e suas objeções no tocante ao processo de ensino e aprendizagem, despertando novas inquietações e sugerindo que outras pesquisas sejam realizadas.


Palavras-chave


Narrativas digitais; Metodologias ativas; Percepção dos estudantes; Aprendizagem significativa e colaborativa.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, T. P.; CARVALHO, A. B. G.; FREIRE, R. Cultura digital, redes sociais e narrativa transmidiática nos novos filmes de Star Wars. In: 5ª Conferência Internacional de Cinema de Viana. Viana do Castelo: Associação ao Norte, 2016. Disponível em:

http://www.aonorte.com/img/recursos/publicacoes/conferencia016.pdf. Acesso em: 10 out. 2017.

AMARAL, S. F. do; BARROS, D. M. V. Estilos de Aprendizagem no contexto educativo de uso das tecnologias digitais interativas. Disponível em:

http://lantec.fae.unicamp.br/lantec/pt/tvdi_portugues/daniela.pdf. Acesso em: 15 maio 2015.

ANASTASIOU, L. Processos Formativos de docentes universitários: aspectos teóricos e práticos. In: PIMENTA, S.; ALMEIDA, M. Pedagogia Universitária: caminhos para formação de professores. São Paulo: Cortez, 2011.

BACICH, L.; MORAN, J. Metodologias Ativas para uma Educação Inovadora: uma abordagem teórico-prática. Porto Alegre: Penso, 2018. Série: Desafios da Educação.

BACICH, L. NETO, A. T.; TREVISANI, F. de M. Ensino Híbrido: Personalização e tecnologia na educação. Porto Alegre: Penso, 2015.

BATESON, G. MEAD, M. Balinese Character: a photographic analysis. Vol. 2. New York: New York Academy of Sciences, 1942.

BLIKSTEIN, P. Digital fabrication and ‘making’ in education: The democratization of invention. FabLabs: of machines, makers and inventors, 2013. p. 1-21.

CARVALHO, A. B. G. Documentário Finding our way: um olhar sobre a narrativa e as contribuições da antropologia visual no campo da Educação. In: ALVES, T. P.; CARVALHO, A. B. (Org.). Mídias digitais e mediações interculturais. Recife: Amazon, 2017.

DAVIDOFF, Linda L. Introdução à Psicologia. 30. ed. São Paulo: Makron Books, 2001.

DENZIN, N. K.; LINCOLN, Y. S. The SAGE Handbook of Qualitative Research. 4. ed. Thousand Oaks, CA: Sage, 2011.

DEWEY, J. Experience and education. New York: Touchstone, 1938.

HARSTORF, A. H.; CANTRILL, H. A. They Saw a Game. Abnorm. Soc. Psychol., n. 49, 1954.

FARIA, J. de S. Metodologia Ativa de Aprendizagem na Educação a Distância: Notas sobre a formação do professor. In: INOVA, 2015. Disponível em:

http://www.lantec.fe.unicamp.br/inova2015/images/trabalhos/artigos2/B3.pdf. Acesso em: 10 maio 2016.

FLICK, U. Introdução à pesquisa qualitativa. 3. ed. Porto Alegre: Bookman/Artmed, 2009.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia. 39. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2009.

GEMIGNANI, E. Y. M. Y. Formação de professores e metodologias ativas de ensino-aprendizagem: ensinar para a compreensão. In: Fronteiras da Educação, Recife, v. 1, n. 2, dez. 2013. ISSN 2237-9703. Disponível em:

http://www.fronteirasdaeducacao.org/index.php/fronteiras/article/view/14. Acesso em: 10 maio 2016.

GIBBS, G. Análise de dados qualitativos. Porto Alegre: Artmed, 2009.

JARVIS, P. Meaningful and meaningless experience: toward an analysis of learning from life. Adult Education Quarterly, v. 37, n. 3, Spring, 1987.

JENKINS, H. As competências necessárias na cultura dos novos media. In: BRITES, M. J.; JORGE, A.; SANTOS, S. C. (Ed.). Metodologias participativas: os media e a educação. Covilhã: LabCom Books, 2015. Disponível em:

http://www.labcom-ifp.ubi.pt/ficheiros/20150629-2015_10_metodologias_participativas.pdf. Acesso em: 10 out. 2017.

JENKINS, H. Cultura da convergência. São Paulo: Aleph, 2013.

KALENA, F. Uniamérica, em Foz de Iguaçu, passa por reformulação, inverte a sala de aula e deixa de dividir as turmas por períodos. In: PORVIR. 2014.

KOLB, D. Experiential learning. New Jersey: Prentice Hall, 1984.

LABAR KS, C. R. Cognitive neuroscience of emotional memory. Nat Rev, n. 7, p. 54-64.

LIMA, L. H. F. de. MOURA, F. R. de. O Professor no Ensino Híbrido. In: BACICH, L.; NETO, A. T.; TREVISANI, F. de M. Ensino Híbrido: Personalização e tecnologia na educação. Porto Alegre: Penso, 2015.

LIVINGSTONE, S. Internet literacy: a negociação dos jovens com as novas oportunidades on-line. In: Revista Matrizes, São Paulo, ano 4, n. 2, jan./jun. 2011.

MASSAROLO, J. C.; MESQUITA, Dário. Narrativa Transmídia e a Educação: panorama e perspectivas. In: Revista Ensino Superior Unicamp, v. 9, p. 34-42, 2013. Disponível em:

https://www.revistaensinosuperior.gr.unicamp.br/edicoes/edicoes/ed09_abril2013/NMES_3.pdf. Acesso em: 17 nov. 2017.

MAYRING, P. Qualitative Content Analysis. In: FLICK, U.; KARDORFF, E. V.; STEINKE, I. (Ed.). A Companion to Qualitative Research. London: SAGE, 2004.

MAYRING, P. Qualitative Content Analysis. In: Forum Qualitative Social Research, v. 1, n. 2, Art. 20, 2000. Disponível em:

http://nbn-resolving.de/urn:nbn:de:0114-fqs0002204. Acesso em: 15 maio 2014.

MEZIROW, J. Transformative Dimensios of Adult Learning. San Francisco: Jossey-Bass, 1991.

MORAN, J. Educação Híbrida: Um conceito-chave para a educação, hoje. In: BACICH, L; NETO, A. T.; TREVISANI, F. de M. Ensino híbrido: personalização e tecnologia na educação. Porto Alegre: Penso, 2015.

MORAN, J. Mudar a Forma de Ensinar e de Aprender: transformar as aulas em pesquisa e comunicação presencial-virtual. In: Revista Interações, São Paulo, v. V, p. 57-72, 2000.

MYERS, D. Introdução à Psicologia Geral. Rio de Janeiro: LTC, 1999.

NASCIMENTO, E. R. do; OLIVEIRA, K. K.; BARBOSA, L. C.; ALMEIDA, T. D. M. de. Metodologias ativas e B-learning: um estudo de caso com alunos do ensino superior no campo das ciências sociais aplicada. In: XIV Congresso Internacional de Tecnologia na Educação, set. 2016, SENAC, Recife.

NASCIMENTO, E. R. do; OLIVEIRA, K. K.; FREITAS-DA-COSTA, M.; MARQUES, R. Q. Panorama da Pesquisa em Marketing no Brasil: uma análise da produção funcionalista em periódicos Qualis A2, B1 e B2. In: REMARK – Revista Brasileira de Marketing, v. 14, n. 2, abr./jun. 2015.

MILNE, A.; RIECKE, B.; ANTLE, A. Exploring Maker Practice: Common Attitudes, Habits and Skills from Vancouver’s Maker Community. Studies, v. 19, n. 21, p. 23, 2014.

PAULUS, M. P.; FRANK, L. R. Ventromedial Prefrontal Cortex Ativation is Critical for Preference Judgments. In: NeuroReport, v. 14, n. 10, 2003.

PEIRCE, C. S. The Collected Papers of Charles Sanders Peirce. Ed. A. W. Burks Edição eletrônica reproduzindo os seis primeiros volumes. Cambridge: Harvard University Press, 1958. v.7-8.

PRADO, A. L.; LAUDARES, E. M. de A.; VIEGAS, P. P. C.; GOULART, I. do C. V. Narrativas Digitais: Conceitos e contextos de letramento. In: RIAFE – Revista Ibero-Americano de Estudos em Educação, v. 12, n. esp., p. 1156-1176, ago. 2017. Disponível em:

http://seer.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/10286/6679. Acesso em: 18 nov. 2017.

RESENDE, V. L. A narrativa transmidiática: conceitos e pequenas dissonâncias. In: Anais do VII Simpósio Nacional da Associação Brasileira de Pesquisadores em Cibercultura. Realizado de 20 a 22 de novembro de 2013. Disponível em:

https://abciber.org.br/simposio2013/anais/pdf/Eixo_5_Entretenimento_Digital/25959arq05638141600.pdf. Acesso em: 15 nov. 2017.

ROCHA, E. F. Metodologias Ativas: um desafio além das quatro paredes da sala de aula. In: ENPED, 2012.

SANTOS, G. de S. Espaços de Aprendizagem. In: BACICH, L.; NETO, A. T.; TREVISANI, F. de M. Ensino híbrido: personalização e tecnologia na educação. Porto Alegre: Penso, 2015.

XAVIER, A. Storytelling: histórias que deixam marcas. 4. ed. Rio de Janeiro: Best Business, 2017.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/2179-8435.2018.2.31354

>

e-ISSN: 2179-8435

*********************************

Avaliação do Qualis CAPES - 2016

ÁREA CAPES - Educação

CLASSIFICAÇÃO - B2

ÁREA CAPES – Ensino

CLASSIFICAÇÃO – B1


Indexado em:
 

REDIB 

 *********************************

Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org

Licença Creative Commons

Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul.

Copyright: © 2006-2019 EDIPUCRS