Coparentalidade aos três meses de vida do bebê

  • Beatriz Schmidt Universidade Federal do Rio Grande do Sul, RS
  • Vitória Santos Arenhart Universidade Federal do Rio Grande do Sul, RS
  • Rita de Cassia Sobreira Lopes Universidade Federal do Rio Grande do Sul, RS
  • Cesar Augusto Piccinini Universidade Federal do Rio Grande do Sul, RS
Palavras-chave: coparentalidade, relações familiares, desenvolvimento infantil, relações pais-criança.

Resumo

O objetivo do presente estudo foi investigar a coparentalidade aos três meses de vida do bebê. Participaram 26 famílias nucleares, com filho único. Mãe e pai responderam a entrevistas. A análise de conteúdo qualitativa revelou responsabilidade predominantemente materna nos cuidados do bebê na maioria das famílias. A mãe parecia ocupar uma posição de guardiã da relação pai-bebê, apresentando comportamentos facilitadores ou inibidores do envolvimento paterno. Todos os participantes mencionaram apoio ao papel coparental, embora também tenha sido identificada depreciação materna à contribuição paterna. O envolvimento triádico ocorria principalmente nos cuidados básicos do bebê. Verbalizações dos genitores sugeriram boa qualidade na comunicação familiar, além de bons níveis de acordo sobre os cuidados. Salientam-se aspectos gratificantes e desafiadores da coparentalidade aos três meses de vida do bebê, período em que os genitores estão se adaptando à nova identidade e aos novos papeis, para atender às necessidades do filho.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Beatriz Schmidt, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, RS
Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), com bolsa da CAPES. Psicóloga, Especialista em Saúde da Família e Mestre em Psicologia pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). É integrante do Núcleo de Infância e Família (NUDIF) da UFRGS. Possui experiência nas áreas de Psicologia do Desenvolvimento Humano, Psicologia da Família e Psicologia da Saúde. Interessa-se principalmente por temas atinentes a Relações Familiares e Desenvolvimento Infantil.
Vitória Santos Arenhart, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, RS
Estudante de graduação em Psicologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Possui especial interesse por avaliação psicológica, psicoterapia psicanalítica, desenvolvimento infantil, práticas parentais e psicologia jurídica. É membro do Grupo de Estudo, Aplicação e Pesquisa em Avaliação Psicológica (GEAPAP/UFRGS). Atualmente, realiza estágio em Psicologia Clínica no Instituto de Terapias Integradas de Porto Alegre (ITIPOA).
Rita de Cassia Sobreira Lopes, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, RS
Possui graduação em Psicologia pela Universidade de Brasília (1982), Licenciatura em Psicologia pela Universidade de Brasília (1981) e doutorado em Psicologia pela University of London (1993). É Professora Titular da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Está vinculada ao programa de pós-graduação em Psicologia, na área de Psicologia do Desenvolvimento, com ênfase em Desenvolvimento Emocional. Sua linha de pesquisa abarca, principalmente, os seguintes tópicos: desenvolvimento emocional primitivo, parentalidade, gestação, parto e puerpério. Site: http://www.ufrgs.br/nudif
Cesar Augusto Piccinini, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, RS
Doutor pela University of London (Inglaterra), com Pós-Doutorado na mesma Instituição; Mestre em Psicologia pela Universidade de Brasília; Psicólogo pela UFRGS. Professor Titular da UFRGS, atuando na Graduação, Especialização, Mestrado e Doutorado em Psicologia. Dedica-se à pesquisa sobre os aspectos subjetivos e comportamentais relacionados à interação pais-bebê/criança, com destaque para as relações familiares na infância, transição para a maternidade e paternidade e avaliação de intervenções precoces. As pesquisas e intervenções envolvem diferentes contextos de desenvolvimento infantil, tais como: prematuridade, depressão pós-parto, gravidez adolescente, malformação, doença crônica, HIV/Aids, problemas de comportamento, nascimento do segundo filho e ingresso na creche. Site: http://www.ufrgs.br/nudif; https://scholar.google.com.br/citations?user=opxAsoUAAAAJ&hl=pt-BR

Referências

Augustin, D. & Frizzo, G. B. (2015). A coparentalidade ao longo do desenvolvimento dos filhos: Estabilidade e mudança no 1º e 6º ano de vida. Interação em Psicologia, 19(1), 13-24. doi:10.5380/psi.v19i1.29239

Balsam, R. H. (2008). Fathers and the bodily care of their infant daughters. Psychoanalytic Inquiry, 28(1), 60-75. doi:10.1080/07351690701787119

Baxter, J., Buchler, S., Perales, F., & Western, M. (2014). A life-changing event: First births and men’s and women’s attitudes to mothering and gender divisions of labor. Social Forces, 93(3), 989-1014. doi:10.1093/sf/sou103

Böing, E. & Crepaldi, M. A. (2016). Relação pais e filhos: Compreendendo o interjogo das relações parentais e coparentais. Educar em Revista, 59(1), 17-33. doi:10.1590/0104-4060.44615

Bronte-Tinkew, J., Scott, M. E., Horowitz, A., & Lilja, E. (2009). Pregnancy intentions during the transition to parenthood and links to coparenting for first-time fathers of infants. Parenting: Science and Practice, 9(1-2), 1-35. doi:10.1080/15295190802656729

Bungum, B. & Kvande, E. (2013). The rise and fall of cash for care in Norway: Changes in the use of child-care policies. Nordic Journal of Social Research, 4(1), 31-54. doi:10.15845/njsr.v4i0.241

Christopher, C., Umemura, T., Mann, T., Jacobvitz, D., & Hazen, N. (2015). Marital quality over the transition to parenthood as a predictor of coparenting. Journal of Child and Family Studies, 24(12), 3636-3651. doi:10.1007/s10826-015-0172-0

Cowan, P. A. & Cowan, C. P. (2016). Transições familiares normativas, qualidade da relação do casal e desenvolvimento sadio dos filhos. In F. Walsh (Org.), Processos normativos da família (pp. 428-451). Porto Alegre, RS: Artmed. (DOI INEXISTENTE)

Feinberg, M. E. (2003). The internal structure and ecological context of coparenting: A framework for research and intervention. Parenting: Science and Practice, 3(2), 95-131. doi:10.1207/S15327922PAR0302_01

Frizzo, G. B., Kreutz, C. M., Schmidt, C., Piccinini, C. A., & Bosa, C. (2005). O conceito de coparentalidade e suas implicações para a pesquisa e para a clínica. Revista Brasileira de Crescimento e Desenvolvimento Humano, 15(3), 84-93. Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/pdf/rbcdh/v15n3/10.pdf.

Gadoni-Costa, L. M., Frizzo, G. B., & Lopes, R. C. S. (2015). A guarda compartilhada na prática: Estudo de casos múltiplos. Temas em Psicologia, 23(4), 901-912. doi:10.9788/TP2015.4-08

Hill, C. E., Knox, S., Thompson, B. J., Williamns, E. N., Hess, S. A., & Ladany, N. (2005). Consensual qualitative research: An update. Journal of Counseling Psychology, 52(2), 1-30. doi:10.1037/0022-0167.52.2.196

Hollingshead, A. B. (1975). Four-factor index of social status. (Unpublished manuscript) Department of Sociology, Yale University, New Haven. (DOI INEXISTENTE)

Kotila, L. E. & Schoppe-Sullivan, S. J. (2015). Integrating sociological and psychological perspectives on coparenting. Sociology Compass, 9(8), 731-744. doi:10.1111/soc4.12285

Laville, C. & Dionne, J. (1999). A construção do saber: Manual de metodologia da pesquisa em ciências humanas. Porto Alegre, RS: Artmed. (DOI INEXISTENTE)

Lei nº 13.257, de 8 de março de 2016. Estabelece princípios e diretrizes para a formulação e a implementação de políticas públicas para a primeira infância. (2016). Diário Oficial da União: seção 1, 46, 1-4.

Maršanić, V. B. & Kušmić, E. (2013). Coparenting within the family system: Review of literature. Collegium Antropologicum, 37(4), 1379-1384. Retrieved from https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/24611362.

McClain, L. & Brown, S. L. (2017). The roles of fathers’ involvement and coparenting in relationship quality among cohabiting and married parents. Sex Roles, 76(5-6), 334-345. doi:10.1007/s11199-016-0612-3

McDaniel, B. T. & Teti, D. M. (2012). Coparenting quality during the first three months after birth: The role of infant sleep quality. Journal of Family Psychology, 26(6), 886-895. doi:10.1037/a0030707

McGoldrick, M. & Shibusawa, T. (2016). O ciclo vital familiar. In F. Walsh (Org.), Processos normativos da família (pp. 375-398). Porto Alegre, RS: Artmed. (DOI INEXISTENTE)

Pasinato, L. & Mosmann, C. P. (2015). Coparentalidade em genitores de bebês com indicativos de dificuldades de inserção escolar. Psicologia Escolar e Educacional, 19(1), 31-40. doi:10.1590/2175-3539/2015/0191791

Pasinato, L. & Mosmann, C. P. (2016). Transição para a parentalidade e a coparentalidade: Casais que os filhos ingressaram na escola ao término da licença-maternidade. Avances en Psicología Latino-Americana, 34(1), 129-142. doi:10.12804/apl34.1.2016.09

Piccinini, C. A., Polli, R. G., Bortolini, M., Martins, G. D., & Lopes, R. C. S. (2016). Razões maternas para colocar ou não o bebê na creche no primeiro ano de vida da criança. Arquivos Brasileiros de Psicologia, 68(3), 59-74. Retrieved from http://pepsic.bvsalud.org/pdf/arbp/v68n3/06.pdf.

Piccinini, C. A., Silva, M. R., Gonçalves, T. R., Lopes, R. C. S., & Tudge, J (2012). Envolvimento paterno aos três meses de vida do bebê. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 28(3), 303-314. doi:10.1590/S0102-37722012000300006

Polli, R. G., Gabriel, M. R., Piccinini, C. A., & Lopes, R. C. S. (2016). Envolvimento paterno aos 12 meses de vida do bebê. Psico, 47(3), 198-208. doi:10.15448/1980-8623.2016.3.23205

Rapoport, A. & Piccinini, C. A. (2004). A escolha do cuidado alternativo para o bebê e a criança pequena. Estudos de Psicologia, 9(3), 497-503. doi:10.1590/S1413-294X2004000300012

Schoppe-Sullivan, S. J., & Mangelsdorf, S. C. (2013). Parent characteristics and early coparenting behavior at the transition to parenthood. Social Development, 22(2), 363-383. doi:10.1111/sode.12014

Schoppe-Sullivan, S. J., Settle, T., Lee, J. K., & Dush, C. M. K. (2016). Supportive coparenting relationships as a haven of psychological safety at the transition to parenthood. Research in Human Development, 13(1), 32-48. doi:10.1080/15427609.2016.1141281

Van Egeren, L. A. (2004). The development of the coparenting relationship over the transition to parenthood. Infant Mental Health Journal, 25(5), 453-477. doi:10.1002/imhj.20019

Zvara, B. J., Schoppe-Sullivan, S. J., & Dush, C. K. (2013). Fathers’ involvement in child health care: Associations with prenatal involvement, parents’ beliefs, and maternal gatekeeping. Family Relations, 62(4), 649-661. doi:10.1111/fare.12023

Publicado
2019-05-08
Como Citar
Schmidt, B., Arenhart, V. S., Lopes, R. de C. S., & Piccinini, C. A. (2019). Coparentalidade aos três meses de vida do bebê. Psico, 50(1), e28043. https://doi.org/10.15448/1980-8623.2019.1.28043
Seção
Artigo Original