Adaptação de bebês à creche aos 4-5 meses de idade: as 10 primeiras semanas

  • Andrea Rapoport Docente do curso de psicologia no Centro Universitário La Salle – Canoas/RS
  • Tatiele Jacques Bossi Universidade Federal do Rio Grande do Sul
  • Cesar Augusto Piccinini Docente do Programa de Pós-graduação em Psicologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Palavras-chave: Adaptação à creche, Educação infantil, Estratégias de enfrentamento.

Resumo

O objetivo deste estudo foi examinar o período de adaptação à creche de bebês de 4-5 meses durante as 10 primeiras semanas. Em particular buscou-se investigar as estratégias de enfrentamento utilizadas pelos bebês durante esse período. Participaram 3 bebês que ingressaram na creche aos 4-5 meses, suas mães e educadoras. Trata-se de um estudo de caso múltiplo, no qual foram realizadas entrevistas com as mães, observações dos bebês na creche e as educadoras preenchiam um protocolo de ocorrências com cada bebê. A análise qualitativa dos dados apontou que os bebês fizeram uso de diferentes estratégias de enfrentamento durante a adaptação à creche, o que sugere que esse período foi vivenciado com estresse. E o tempo de permanência na creche ao longo do período investigado não diminuiu necessariamente o uso dessas estratégias. Os resultados sugerem que a adaptação à creche em bebês de 4-5 meses não é um processo linear, já que ocorreram avanços e retrocessos no período investigado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Tatiele Jacques Bossi, Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Psicologia UFRGS

Referências

Ahnert, L., Gunnar, M. R., Lamb, M. E., & Barthel, M. (2004). Transition to child care: associations with infantmother attachment, infant negative emotion, and cortisol elevations. Child Development, 75(3), 639-650. http://doi.org/10.1111/j.1467-8624.2004.00698.x

Ainsworth, M., Blehar M., Waters, E., & Wall, S. (1978). Patterns of attachment. Hillsdale, NJ: Erlbaum.

Albers, E. M., Beijers, R., Riksen-Walraven, J. M., Sweep, F. C. G. J., & Weerth, C. de. (2016). Cortisol levels of infants in center care across the first year of life: links with quality of care and infant temperament. Stress: The International Journal on the Biology of Stress, 19(1), 8-17. https://doi.org/10.3109/10253890.2015.1089230

Amaral, M. F., Morelli, V., Pantoni, R. V., Rossetti-Ferreira, M. C. (1996). Alimentação de bebês e crianças pequenas em contextos coletivos: mediadores, interações e programações em educação infantil. Revista Brasileira de Desenvolvimento Humano, 6(1-2), 19-33. https://doi.org/10.7322/jhgd.38371

Averbuch, A. R. (1999). Adaptação de bebês à creche: o ingresso no primeiro ou segundo semestre de vida. Dissertação de mestrado não publicada. Curso de Pós-Graduação em Psicologia do Desenvolvimento, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS.

Bernard, K., Peloso, E., Laurenceau, J.-P., Zhang, Z., & Dozier, M. (2015). Examining change in cortisol patterns during the 10-week transition to a new child-care setting. Child Development, 86(2), 456 471. https://doi.org/10.1111/cdev.12304

Bardin, L. (1977). Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70 LDA.

Bossi, T. J., Soares, E., Lopes, R. C. S., & Piccinini, C. A. (2014). Adaptação à creche e o processo de separação-individuação: reações dos bebês e sentimentos parentais. Psico, 45(2), 250-260. https://doi.org/10.15448/1980-8623.2014.2.16283

Bowlby, J. (1993). Apego e perda 2. Separação, Angústia e Raiva. São Paulo: Martins Fontes. (Original publicado em 1973).

Brasil. (2013). Diretrizes curriculares nacionais gerais da educação básica. Brasília: MEC, SEB, DICEI. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=15547-diretrizes-curicularesnacionais-2013-pdf-1&Itemid=30192>.

Brazelton, T. B. (1994). Momentos decisivos do desenvolvimento infantil. São Paulo: Martins Fontes.

Ferreira, G. V. (2007). O impacto da adaptação de crianças na creche sobre os sentimentos maternos (Monografia de especialização), Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre. Disponível em: <http://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/12295/000605262.pdf>.

Groeneveld, M. G., Vermeer, H. J., IJzendoorn, M. H. van, & Linting, M. (2010). Children’s wellbeing and cortisol levels in home-based and center-based childcare. Early Childhood Research Quarterly, 25(4), 502-514. https://doi.org/10.1016/j.ecresq.2009.12.004

Karraker, K. H. & Lake, M. A. (1991). Normative stress and coping processes in infancy. In: E. M. Cummings, A. L.

Greene, & K. H. Karraker (Eds.). Life-span developmental psychology: Life-span perspectives on stress and coping (85-108). Hillsdale: Erlbaum, N.J.

Karraker, K. H., Lake, M. A., & Parry, T. B. (1994). Infant coping with everyday stressful events. Merril-Palmer Quarterly, 40(2), 171-189. Disponível em: <http://www.jstor.org/stable/23087860>.

Laville, C. & Dionne, J. (1999). A construção do saber: manual de metodologia da pesquisa em ciências humanas. Porto Alegre: Artmed.

Linhares, M.B.M. (2016). Estresse precoce no desenvolvimento: impactos na saúde e mecanismos de proteção. Estudos de Psicologia, 33(4), 587-599. https://doi.org/10.1590/1982-02752016000400003

McElwain, N. L., Holland, A. S., Engle, J. M., Wong, M. S., & Emery, H. T. (2015). Child-mother attachment security and child characteristics as joint contributors to young children’s coping in a challenging situation. Infant and Child Development, 24, 414-434. https://doi.org/10.1002/icd.1886

Melchiori, L. E. & Alves, Z. M. M. B. (2000). Comportamento de bebês em situações de separação e reencontro com os pais, na rotina diária da creche. Paidéia, 10(8), 51-59. https://doi.org/10.1590/S0103-863X2000000100005

Michels, N., Sioen, I., Boone, L., Braet, C., Vanaelst, B., & Huybrechts, I. (2015). Longitudinal association between child stress and lifestyle. Health Psychology, 34(1), 40-50. https://doi.org/10.1037/hea0000108

Rapoport, A., & Piccinini, C.A. (2001). O ingresso e adaptação de bebês e crianças pequenas à creche: alguns aspectos críticos. Psicologia: Reflexão e Crítica, 14(1), 81-95. https://doi.org/10.1590/S0102-79722001000100007

Rossetti-Ferreira, M. C., Amorim, K. S., & Vitória, T. (1996). Emergência de novos significados durante o processo de adaptação de bebês à creche. Coletâneas da Anpepp (Brasil), n. 4, pp. 111-143.

Schipper, J. C. de, IJzendoorn, M. H. V., & Tavecchio, L. W. C. (2004). Stability in center day care: relations with children’s well-being and problem behavior in day care. Social Development, 13(4), 531–550. https://doi.org/10.1111/j.1467-9507.2004.00282.x

Seabra, K.C. & Moura, M.L.S. (2005). Alimentação no ambiente de creche como contexto de interação nos primeiros dois anos de um bebê. Psicologia em Estudo, 10(1), 77-86. https://doi.org/10.1590/S1413-73722005000100010

Stake, R. E. (2006). Multiple Case Study Analysis. New York: The Guilford Press.

Thorne, K. J., Andrews, J. J. W., & Nordstokke, D. (2013). Relations among children’s coping strategies and anxiety: The mediating role of coping efficacy. The Journal of General Psychology, 140(3), 204-223. https://doi.org/10.1080/00221309.2013.792235

Yeo, K., Frydenberg, E., Northam, E., & Deans, J. (2014). Coping with stress among preschool children and associations with anxiety level and controllability of situations. Australian Journal of Psychology, 66, 93-101. https://doi.org/10.1111/ajpy.12047

Varin, D., Crugnola, C. R., Molina, P., & Ripamonti, C. (1996). Sensitive periods in the development of attachment and the age of entry into day care. European Journal of Psychology of Education, 11, 215-229. https://doi.org/10.1007/BF03172726

Vitória, T. & Rossetti-Ferreira, M. C. (1993). Processos de adaptação na creche. Cadernos de Pesquisa, 86, 55-64. Disponível em: http://www.fcc.org.br/pesquisa/publicacoes/cp/arquivos/941.pdf

Winnicott, D. W. (1993). A família e o desenvolvimento individual. São Paulo: Martins Fontes. (Original publicado em 1965).

Publicado
2018-04-04
Como Citar
Rapoport, A., Bossi, T. J., & Piccinini, C. A. (2018). Adaptação de bebês à creche aos 4-5 meses de idade: as 10 primeiras semanas. Psico, 49(1), 81-93. https://doi.org/10.15448/1980-8623.2018.1.25750
Seção
Artigos