A experiência da paternidade ao final do primeiro ano de vida do bebê

  • Evandro de Quadros Cherer Universidade de Brasília
  • Joice Cadore Sonego FSG Centro Universitário
  • Cesar Augusto Piccinini Universidade Federal do Rio Grande do Sul
  • Rita de Cássia Sobreira Lopes Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Palavras-chave: Experiência da paternidade, Paternidade, Relação pai-bebê.

Resumo

O presente estudo investigou a experiência da paternidade ao final do primeiro ano de vida do bebê. Participaram 35 pais primíparos que eram de níveis socioeconômicos variados e residiam na região metropolitana de Porto Alegre. Os pais foram entrevistados individualmente e suas verbalizações foram analisadas através da análise de conteúdo em três categorias: O pai e a experiência da paternidade, O filho e a experiência da paternidade e A esposa e a experiência da paternidade. Os resultados indicaram que a experiência da paternidade, no final do primeiro ano de vida do bebê, esteve associada a sentimentos de satisfação, sendo que os pais mostraram-se bastante participativos e envolvidos na vida familiar, assim como nos cuidados com o bebê. Todavia, ainda que muitas vezes de forma sutil e contraditória, os participantes expressaram certa ambivalência frente à experiência da paternidade com seu primeiro filho, demandando dos pais um reposicionamento frente à vida.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Evandro de Quadros Cherer, Universidade de Brasília
Doutor em Psicologia Clínica e Cultura pela Universidade de Brasília. Mestre em Psicologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Psicólogo pela Universidade Federal de Santa Maria. Docente das Faculdades Integradas da União Educacional do Planalto Central (Faciplac).
Joice Cadore Sonego, FSG Centro Universitário
Mestrado, doutorado e pós-doutorado em Psicologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Docente do Centro Universitário da Serra Gaúcha - FSG.
Cesar Augusto Piccinini, Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Doutor pela University of London (Inglaterra), com Pós-Doutorado na mesma Instituição; Mestre em Psicologia pela Universidade de Brasília; Psicólogo pela UFRGS. Professor Titular da UFRGS.
Rita de Cássia Sobreira Lopes, Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Doutorado em Psicologia pela University of London. Professora Titular da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Referências

Bouchard, G. (2012). Intergenerational transmission and transition to fatherhood: a mediated-moderation model of paternal engagement. Journal of Family Psychology, 26(5), 747-755. 10.1037/a0029391

Bornholdt, E. A., Wagner, A., & Staudt, A. C. P. (2007). A vivência da gravidez do primeiro filho à luz da perspectiva paterna. Psicologia Clínica, 19(1), p. 75-92.

Brazelton, T. B. & Cramer, B. G. (1992). As primeiras relações. São Paulo: Martins Fontes.

Castoldi, L., Gonçalves, T. R., & Lopes, R. C. S. (2014). Envolvimento paterno da gestação ao primeiro ano de vida do bebê. Psicologia em Estudo (Maringá), 19(2), 247-259. http://dx.doi.org/10.1590/1413-737222105008

Cherer, E. Q., Ferrari, A. G., & Piccinini, C.A. (2016). A amamentação e o desmame no processo de tornar-se pai. Estilos da Clínica, 20(1), 1-18. http://dx.doi.org/10.11606/issn.1981-1624.v21i1p12-29

Chevalerias, M. P. (2005). O homem, o filho, o amante: as diferentes figuras do pai em torno do nascimento. In M. D. Moura (Org.). Psicanálise e hospital – novas versões do pai: reprodução assistida e UTI-4 (pp. 21-32). Belo Horizonte: Autêntica/FCH-FUMEC.

Chin, R., Hall, P., & Daiches, A. (2011). Fathers´ experiences of their transition to fatherhood: a metasynthesis. Journal of Reproductive and Infant Psychology, 29(1), 4-18. http://dx.doi.org/10.1080/02646838.2010.513044

Dallos, R. & Nokes, L. (2011). Distress, loss, and adjustment following the birth of a baby: a qualitative exploration of one new father’s experiences. Journal of Constructivist Psychology, 24, 144-167.

Eerola, J. P. & Huttunen, J. (2011). Metanarrative of the “New Father” and narratives of the Young Finnish first-time fathers. Fathering, 9(3), 211-231. 10.3149/fth.0903.211

Fägerskiöld, A. (2008). A change in life as experienced by first-time fathers. Scandinavian Journal of Caring Sciences, 22(1), 64-71. 10.1111/j.1471-6712.2007.00585.x

Ferrari, A. G., Piccinini, C. A., & Lopes, R. C. S. (2013). Atualização do Complexo de Édipo na relação com o bebê: evidências a partir de um estudo de caso. Estudos de Psicologia (Campinas), 30(2), 239-248. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-166X2013000200010

Freud, S. (1990). La organización genital infantil (Una interpolación en la teoría de la sexualidade). (J. Etcheverry, Trad.). Em J. Strachey (Org.), Obras completas (Vol. 19, pp. 141-149). Buenos Aires: Amorrortu. (Original publicado em 1923).

Freud, S. (2004). À Guisa de Introdução ao Narcisismo. In S. Freud. Escritos sobre a psicologia do inconsciente (Vol 1, pp. 95-131). Rio de Janeiro: Imago. (Original publicado em 1914).

Gonçalves, T. R., Guimarães, L. E., Silva, M. R., Lopes, R. C. S., & Piccinini, C. A. (2013). Experiência da paternidade aos três meses do bebê. Psicologia: Reflexão e Crítica, 26(3), 599-608. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-79722013000300020

Guzzo, K. (2011). New fathers' experiences with their own fathers and attitudes toward fathering. Fathering, 9(3), 268-290. 10.3149/fth.0903.268

Höfner, C., Schadler, C., & Richter, R. (2011). When men become fathers: men´s identity at the transition to fatherhood. Journal of Comparative Family Studies, 42(5), 669-686.

Houzel, D. (2004). As implicações da parentalidade. In L. Solis-Ponton (Org.). Ser pai, ser mãe, parentalidade: um desafio para o terceiro milênio (pp. 47-52). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Hurstel, F. (2006). “L'annonce faite au mari” ou les trois temps du “devenir père”. Adolescence, 24(55), 79-89. 10.3917/ado.055.0079

Jager, M. E. & Bottoli, C. (2011). Paternidade: vivência do primeiro filho e mudanças familiares. Psicologia, Teoria e Prática, 13(1), 141-153.

Krob, A., Piccinini, C. A., & Silva, M. R. (2009). A transição para a paternidade: da gestação ao segundo mês de vida do bebê. Psicologia USP, 20(2), 269-291. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-65642009000200008

Laville, C. & Dione, J. (1999). A construção do saber: manual de metodologia da pesquisa em ciências humanas. Porto Alegre: Artes Médicas.

Leclaire, S. (1977). Mate-se uma criança. Rio de Janeiro: Zahar.

MacAdam, R., Huuva, E. & Berterö, C. (2011). Fathers' experiences after having a child: Sexuality becomes tailored according to circumstances. Midwifery, 27(5), 149-155. http://dx.doi.org/10.1016/j.midw.2009.12.007

Palkovitz, R. & Palm, G. (2009). Transitions within Fathering. Fathering: A Journal of Theory, Research & Practice About Men as Fathers, 7(1), 3-22. 10.3149/fth.0701.3

Parke, R. D. (1996). Fatherhood. Cambrigde: Harvard University Press.

Piccinini, C. A., Silva, M. R., Gonçalves, T. R., Lopes, R. C. S., & Tudge, J. (2012). Envolvimento paterno aos três meses de vida do bebê. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 28(3), 303-314. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-37722012000300006

Polli, R. G., Gabriel, M. R., Piccinini, C. A., Lopes, R. C. S. (2016). Envolvimento paterno aos 12 meses de vida do bebê. Psico, 47(3), 198-208. http://dx.doi.org/10.15448/1980-8623.2016.3.23205

Premberg, A., Hellström, A. L., & Berg, M. (2008). Experiences of the first year as father. Scandinavian Journal of Caring Sciences, 22(1), 56-63. 10.1111/j.1471-6712.2007.00584.x

Vieira, M. L., Bassardi, C. N., Gomes, L. B., Bolze, S. D. A. Crepaldi, M. A., & Piccinini, C. A. (2014). Paternidade no Brasil: revisão sistemática de artigos empíricos. Arquivos Brasileiros de Psicologia, 66(2), 36-52.

Winnicott, D. W. (1985). E o pai? In D. W. Winnicott. A criança e o seu mundo (pp. 127-133) Rio de Janeiro: Zahar. (Original publicado em 1965).

Yavorsky, J. E., Dush, C. M. K., & Schoppe-Sullivan, S. J. (2015). The production of inequality: The gender division of labor across the transition to parenthood. Journal of Marriage and Family, 77(3), 662-679. 10.1111/jomf.12189

Publicado
2018-08-24
Como Citar
Cherer, E. de Q., Sonego, J. C., Piccinini, C. A., & Lopes, R. de C. S. (2018). A experiência da paternidade ao final do primeiro ano de vida do bebê. Psico, 49(2), 127-136. https://doi.org/10.15448/1980-8623.2018.2.26574
Seção
Artigos