O papel dos algoritmos de inteligência artificial nas redes sociais

Palavras-chave: Inteligência Artificial. Redes Sociais. Fake News.

Resumo

Desde 2016 nos Estados Unidos e na Europa o tema das fake news (notícias falsas) tornou-se preocupação central do jornalismo em virtude dos prejuízos que esse fenômeno causa especialmente à preservação saudável dos sistemas democráticos. Em 2018, o processo eleitoral trouxe esse tema para o ápice dos debates no Brasil. É nos aplicativos das redes sociais que as fake news proliferam e não é mais novidade saber que tanto as redes sociais quanto os motores de busca estão hoje sob o controle dos algoritmos de inteligência artificial. Em função do desconhecimento acerca do modo como esses algoritmos funcionam e do temor que filmes e séries sobre o assunto têm despertado nas pessoas, desenvolveu-se um pensamento negativista e mesmo certa ojeriza contra os algoritmos, em especial, os de inteligência artificial. Em vista disso, tendo por base uma pesquisa cuidadosa sobre as tendências atuais da inteligência artificial, este artigo tem por objetivo desmistificar crenças e fantasias infundadas ao evidenciar objetivamente como funciona a inteligência artificial e o papel que ela desempenha por trás do funcionamento das redes sociais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BOSTROM, Nick. Dinosaurs, dodos, humans? In: WORLD ECONOMIC FORUM. Global Agenda. Oxford: WEF, 2006. p. 230-1. Disponível em: https://nickbostrom.com/papers/globalagenda.pdf. Acesso em: 12 jan. 2019.

BOSTROM, Nick. Superintelligence: paths, dangers, strategies. Oxford: Oxford Press, 2014.

BURKOV, Andriy. The hundred-page machine learning book. Publisher: Andriy Burkov, 2019.

COZMAN, Fabio. Inteligência Artificial: uma utopia, uma distopia. TECCOGS: Revista Digital de Tecnologias Cognitivas, São Paulo, n. 17, p. 32-42, jan./jun. 2018.

FORD, Martin. Architects of intelligence: the truth about AI from the people building it. Birmingham: Pack Publishing, 2018.

FORSTER, Edward Morgan. The machine stops. Londres: Penguin Books, 2011.

GERRISH, Sean. How smart machine think. Cambridge: MIT Press, 2018. https://doi.org/10.7551/mitpress/11440.001.0001

HARARI, Yuval Noah. Homo Deus: uma breve história do amanhã. São Paulo: Companhia das Letras, 2016.

KAUFMAN, Dora. A inteligência artificial irá suplantar a inteligência humana? São Paulo: Estação das Letras e Cores, 2019.

KRIZHEVSKY, Alex; SUTSKEVER, Ilya; HINTON, Geoffrey E. ImageNet classification with deep convolutional neural networks. Toronto:[s. n.], 2012. p. 1-9. Disponível em: https://papers.nips.cc/paper/4824-imagenet-classification-with-deep-convolutional-neural-networks.pdf. Acesso em: 20 jan. 2019. https://doi.org/10.1145/3065386

MAYER-SCHÖNBERGER, Viktor; CUKIER, Kenneth. Big data: a revolution that will transform how we live, work, and think. Nova York: Houghton Mifflin Harcourt, 2013. https://doi.org/10.3359/oz1314047

MOSSERI, Adam. News Feed Ranking in Three Minutes Flat: How Does News Feed Work?. [S. l.: s. n.], 2018. Disponível em https://newsroom.fb.com/ news/2018/05/inside-feed-news-feed-ranking/. Acesso em: 12 jan. 2019. https://doi.org/10.18254/s0000057-4-1

PARISER, Eli. The filter bubble: what the internet is hiding from you. Londres: Penguin Books, 2011.

SANTAELLA, Lucia. A pós-verdade é verdadeira ou falsa? São Paulo: Estação das Letras e Cores, 2018.

SUNSTEIN, Cass R. #republic: divided democracy in the age of social media. Princeton: Princeton University Press, 2017. https://doi.org/10.1086/696988

WIEDERER, Christine. Redes neurais em JavaScript. Desenvolvimento. IMasters, [S. l.], p. 1-2, 20 jun. 2016. Disponível em: https://imasters.com.br/desenvolvimento/redes-neurais-em-javascript. Acesso em: 12 jan. 2019. https://doi.org/10.21528/cbrn1994-056

Publicado
2020-05-29
Como Citar
Kaufman, D., & Santaella, L. (2020). O papel dos algoritmos de inteligência artificial nas redes sociais. Revista FAMECOS, 27, e34074. https://doi.org/10.15448/1980-3729.2020.1.34074