Esses roquero não curte: performance de gosto e fãs de música no Unidos Contra o Rock do Facebook

  • Adriana Amaral Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos)
  • Camila Monteiro Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos)
Palavras-chave: Mídia, Fãs de Música, Facebook

Resumo

O presente artigo trata do debate sobre o gosto e suas manifestações nos sites de redes sociais. Discutimos a noção de performance de gosto (Hennion, 2007, 2010) como uma relação experiencial entre sujeitos, música e as materialidades da tecnologias. A partir da contextualiza-ção das discussões sobre o gosto e os fãs de musica, descrevemos e caracterizamos de forma exploratória algumas formas empíricas dessas manifestações, tomando como exemplo a fanpage Unidos Contra o Rock do Facebook. Dentre as observações iniciais destacamos o amálgama entre as disputas simbólicas e distinções sociais (Bourdieu, 2008) no embate entre os gêneros rock e funk carioca; os elementos de capital subcultural (Thornton, 1996) e a sociabilidade ora lúdica ora combativa de fãs, antifãs, haters e trolls. Tais aspectos constituem modos de performatização do gosto musical atuando nas mediações entre a escuta e os gêneros musicais no contexto da cultura contem-porânea.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Adriana Amaral, Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos)

Professora do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Comunicação da Universidade do Vale do Rio dos Sinos. 


Camila Monteiro, Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos)

Mestranda em Ciências da Comunicação pelo Programa de Pós-Graduação da Universidade do Vale do Rio dos Sinos.

Referências

AMARAL, Adriana. Categorização dos Gêneros musicais na Internet. Para uma etnografia virtual das práticas comunicacionais na paltaforma social Last.fm. In: FREIRE FILHO, João, HERSCHMANN, Michael (Org.). Novos rumos da cultura da mídia. Indústrias, produtos e audiências. Rio de Janeiro: Mauad, v. 1, p. 227-242, 2007.

______. Dialogando sobre mobilizações de fãs e antifãs. Blog adriamaral.com. Disponível em: http://tinyurl.com/73kedr8.

______. Práticas de Fansourcing. Estratégias de mobilização e curadoria musical nas plataformas musicais. In: SÁ, Simone (Org). Rumos da cultura da música. Porto Alegre: Sulina, 2010.

AMARAL, Adriana, AQUINO, Maria Clara. Eu recomendo... e etiqueto. Práticas de folksonomia dos usuários do Last.fm. Revista Líbero, v. 12, n. 24, p. 117-129, dez. 2009.

AGUILERA, Miguel de; ADELL, Joan Elies; BORGES, Eddy. Apropiaciones imaginativas de la musica en los nuevos escenarios comunicativos, Comunicar – Revista Científica de Educomunicacion, v. 17, n. 34, 2010.

BAYM, Nancy. Personal connections in the digital age. Cambridge: Polity Press, 2010.

BAYM, Nancy; LEDBETTER, Andrew. Tunes that Bind?: Predicting Friendship Strength in a Music-Based Social Network. Information, Communication & Society, v. 12, n. 3, 2009.

BOURDIEU, Pierre. A distinção. Crítica social do julgamento. São Paulo: EDUSP, 2008.

DONATH, Judith. Identity and deception in the virtual community. In: SMITH, M.; KOLLOCK, P. (Eds.). Communities in Cyberspace. London: Routledge. 1998.

FELINTO, Erick; PEREIRA, Vinícius Andrade. A vida dos objetos: um diálogo com o pensamento da materialidade da comunicação. Contemporânea, Salvador, v. 3, n. 1, p. 75-94, 2005.

FONTANELLA, Fernando. Nós somos anonymous: anonimato, trolls e a subcultura dos imageboards. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO, 33., 2010, Caxias do Sul. Anais... São Paulo: Intercom, 2010.

FRAGOSO, Suely; RECUERO, Raquel; AMARAL, Adriana. Métodos de pesquisa para Internet. Porto Alegre: Sulina, 2011.

FRITH, Simon. Performing Rites: on the value of popular music. Cambridge/Massachusett: Havard University Press, 1996.

GOFFMANN, Erving. The presentation of self in everyday life. Garden City: Doubleday, 1959.

GRAY, Jonathan. Antifans and paratexts. An Interview with Jonathan Gray. (Part One). In: JENKINS, Henry. Confessions of an Aca-Fan, Weblog, 2010. Disponível em: http://henryjenkins.org/2010/03/on_antifans_and_paratexts_an.html. Acesso em: 10 fev. 2012.

______. New audiences, new textualities: antifans and non-fans. In: International Journal of Cultural Studies, London, p. 64-81, 2003.

HENNION, Antoine. Gustos Musicales: de una sociologia de la mediacion a una pragmática del gusto. Comunicar – Revista Científica de Educomunicacion, v. 17, n. 34, p. 25-33, 2010.

______. Music Lovers. Taste as performance. Theory, Culture & Society, v. 18, n. 5, dez. 2007.

JANOTTI JR, Jeder. Mídia, música popular massiva e gêneros musicais: a produção de sentido no formato canção a partir de suas condições de produção e reconhecimento. In: ENCONTRO DA COMPÓS, 15., 2006, Bauru. Anais... São Paulo: Compós, 2006.

JANOTTI JÚNIOR, Jeder; PIRES, Victor de Almeida. Entre os afetos e os mercados culturais: as cenas musicais como formas de mediatização dos consumos musicais. In: Dez anos a mil: mídia e música popular massiva em tempos de internet. Porto Alegre: Simplíssimo, 2011.

JENKINS, Henry. Cultura da convergência. São Paulo: Aleph, 2008.

LIU, Hugo. Social network profiles as taste performances. Journal of Computer-Mediated Communication, v. 13, n. 1, article 13, 2007. Disponível em: http://jcmc.indiana.edu/vol13/issue1/liu.html.

LIU, Hugo; MAES, Pattie; DAVENPORT, Glorianna. Unraveling the taste fabric of social networks. International Journal on Semantic Web and Information Systems, v. 2, n. 1, p. 42-71, 2006.

MONTEIRO, Camila. Fã-mília #happyrock: “recomeço” em cores. I Simpósio em Tecnologias Digitais e Sociabilidade, 2011, Salvador. Disponível em: http://migre.me/7dt0V.

NEGUS, Keith. Music genres and corporate cultures. Londres e Nova Iorque: Routledge, 1999.

RECUERO, Raquel; AMARAL, Adriana; MONTEIRO, Camila. #Restartthebestidols. Fandoms, trending topics and social capital in twitter. Paper submitted to IWSM, Ireland, 2012.

SÁ, Simone Pereira de. Se você gosta de Madonna também vai gostar de Britney! Ou não? Gêneros, gosto e disputa simbólica nos sistemas de recomendação musical. In: ENCONTRO DA COMPÓS, 18., Belo Horizonte, 2009. Anais... São Paulo: Compós, 2009. Disponível em: http://www.compos.org.br/. Acesso em: 05 ago. 2011.

SHUSTERMAN, Richard. Vivendo a arte. O pensamento pragmatista e a estética popular. São Paulo: 34, 1998.

THEODOROPOULOU, Vivi. The antifan within the fan – awe and envy in sport fandom. In: GRAY, Jonathan; SANDVOSS, Cornel; HARRINGTON, C. Lee. Fandom: identities and communities in a mediated world. New York: New York University Press, 2007.

THORNTON, Sarah. Club cultures. Music, media and subcultural capital. London: Wesleyan University Press, 1996.

TULLOCH, John; JENKINS, Henry (Eds.). Science fiction audiences: Watching Doctor Who and Star Trek. Londres: Routledge, 1995.

Como Citar
Amaral, A., & Monteiro, C. (2013). Esses roquero não curte: performance de gosto e fãs de música no Unidos Contra o Rock do Facebook. Revista FAMECOS, 20(2), 446-471. https://doi.org/10.15448/1980-3729.2013.2.15130
Seção
Consumo