O direito à educação e o cotidiano escolar: dimensões do concebido, do vivido e do percebido

  • Nilda Stecanela Universidade de Caxias do Sul
Palavras-chave: Direito à educação. Cotidiano escolar. Relação pedagógica. Diversidade sociocultural.

Resumo

O foco deste texto emerge das inquietações que perpassam o cotidiano das instituições educativas, identificadas em categorias analíticas emergentes de pesquisa que teve como corpus empírico as narrativas de professores e de alunos da educação básica. Constitui uma tentativa de interpretação dos ecos das palavras dos interlocutores envolvidos ao referirem, de modo indireto, que a obrigatoriedade da frequência à escola produz uma configuração social que altera as rotas do projeto moderno de escola. E afeta também a relação pedagógica e as culturas escolares neste evidenciadas. Objetiva, portanto, a tessitura de relações a respeito do paradoxo “direito à educação e escolarização obrigatória” em diálogo com as evidências do processo de mutação da escola. Contextualiza os direitos humanos e o direito à educação em interlocução com os conceitos de configuração social e relações de interdependência, buscados em Norbert Elias sobre o processo civilizador. Michel de Certeau e Roger Chartier contribuem, respectivamente, na discussão através dos conceitos de estratégia e de tática, assim como de representação social.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Nilda Stecanela, Universidade de Caxias do Sul

Nilda Stecanela é doutora e mestre em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Foi bolsista CAPES em Estágio de Doutorado no Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa 2005 e 2006. Integra o corpo docente do Centro de Ciências Humanas e da Educação e do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade de Caxias do Sul (UCS). Coordena o Observatório de Educação da UCS. É co-editora da Revista Conjectura: Filosofia e Educação. Atualmente é bolsista CAPES em Estágio Pós-Doutoral no Instituto de Educação da Universidade de Londres (IOE), onde possui vínculo como Honorary Research Associate.

Referências

BOBBIO, Norberto. A era dos direitos. Rio de Janeiro: Campus, 1992.

CANÁRIO, Rui. A escola tem futuro? Das promessas às incertezas. Porto Alegre: Artmed, 2006.

CANDAU, Vera Maria Ferrão. Ser professor/a hoje: novos confrontos entre saberes, culturas e práticas. Educação, Porto Alegre, v. 37, n. 1, p. 33-41, jan./abr., 2014. https:/doi.org/10.15448/1981-2582.2014.1.15003

CERTEAU, Michel de. A cultura na escola. In: CERTEAU, Michel. A cultura no plural. Campinas: Papirus, 2012. p. 123-144.

CHARTIER, Roger. A história cultural: entre práticas e representações. Lisboa: Difel, 1990.

CHARTIER, Roger. Uma trajetória intelectual: livros, leituras, literaturas. In: ROCHA, João Cezar de Castro (Org.). Roger Chartier – a força das representações: história e ficção. Chapecó: Argos, 2011. p. 27.

CURY, Carlos Roberto Jamil. Direito à educação: direito à igualdade, direito à diferença. Cadernos de Pesquisa, n. 116, p. 245-262, 2002.

DAYRELL, Juarez. A escola faz juventudes? Reflexos sobre a socialização juvenil. Revista Educação & Sociedade, Campinas, v. 28, n. 100, p. 105-111, out. 2007.

ELIAS, Norbert. O processo civilizador: uma história dos costumes. Tradução de Ruy Jungmann. 2. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 2011.

LEFEBVRE, Henri. Everyday life in the modern world. Translatad by Sacha Rabinovitch. London: Penguin, 1971. McCOWAN, T. O direito universal à educação: silêncios, riscos e possibilidades. Práxis Educativa, Ponta Grossa, v. 6, n. 1, p. 9-20, jan./jun. 2011. https:/doi.org/10.5212/PraxEduc.v.6i1.0001

Publicado
2016-12-22
Como Citar
Stecanela, N. (2016). O direito à educação e o cotidiano escolar: dimensões do concebido, do vivido e do percebido. Educação, 39(3), 344-356. https://doi.org/10.15448/1981-2582.2016.3.20997
Seção
Outros Temas