O Mediterrâneo enquanto metáfora da mestiçagem: Novas leituras sobre o modelo europeu na América Latina dos anos 1920

  • Luís Fernando Beneduzi Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Palavras-chave: Literatura latino-americana. Mestiçagem. Pensamento latino-americano. História e literatura. Identidade.

Resumo

Na década seguinte à Primeira Guerra Mundial, observa-se na realidade latino-americana uma forte transformação na percepção da Europa enquanto odelo de civilização. Novas leituras artísticas e literárias começam a repensar as identidades nacionais na América Latina e, em maneira transversal, nasce uma crítica à importação de conceitos europeus de civilidade. Este processo de mudança pode ser observado em profundidade na obra de Gabriela Mistral que mostra, na sua escritura, essa transformação continental, através da análise do mar Mediterrâneo, que vive uma passagem de um espaço de latinidade a outro, de mestiçagem. Nos textos de Mistral, percebe-se uma duplicidade de cruzamentos analíticos entre as relações Norte e Sul, quando a autora fala dos contrastes europeus, fala, também, daqueles do continente americano. Neste contexto, o velho mundo, ou a parte mais meridional do mesmo, empresta sua experiência histórica para justificar a positividade do novo homem latinoamericano: multiétnico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALENCASTRO, Luiz Felipe; RENAUX, Maria Luiza. Caras e modos dos migrantes e imigrantes. In: Luiz Felipe Alencastro (org.). História da vida privada no Brasil. Império: a corte e a modernidade nacional. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.

ANDREWS, George Redi. Negros e brancos em São Paulo (1888-1988). Bauru: Edusc, 1998.

CARPENTIER, Alejo. El siglo de las luces. Barcelona: Editorial Bruguera, 1980.

CARMAGNANI, Marcello. L’altro occidente: L’America Latina dall’invasione europea al nuovo millenio. Turim: Einaudi, 2003.

FUNES, Patricia. Historia mínima de las ideas políticas en América Latina. México D.F.: El Colegio de México, 2014.

FUNES, Patricia. Salvar la nación: intelectuales, cultura y política en los años veinte latinoamericanos. Buenos Aires: Prometeo Libros, 2006.

MISTRAL, Gabriela. Gabriela anda por el mundo. (organização e prólogo de Roque Esteban Scarpa). Santiago do Chile: Editorial Andres Bello, 1978.

MISTRAL, Gabriela. Gabriela piensa en ... (organização e prólogo de Roque Esteban Scarpa). Santiago do Chile: Andrés Bello, 1978b.

NUZZO, Giulia. Percorsi identitari nella letteratura di viaggio ispanoamericana: Ricardo Rojas e Gabriela Mistral. Salerno, 2010 (Tese de Doutorado, Universidade do Salento).

QUIJANO, Aníbal. Prólogo. In: José Carlos Mariátegui. 7 ensayos de interpretación de la realidad peruana. 3. ed. Caracas: Biblioteca Ayacucho, 2007.

RAMOS, Julio. Desencontros da modernidade na América Latina: literatura e política no século XIX. Belo Horizonte: UFMG, 2008.

VASCONCELLOS, José. Ulisses criollo. Prólogo de E. Carballo. México: Trillas, 1998.

WADE, Peter. Raza e etnicidad en Latinoamérica. Quito: Abya-Yala, 2000.

ZANATTA, Loris. Storia dell’America Latina contemporanea. Bari: Laterza, 2010.

Publicado
2016-01-14
Como Citar
Beneduzi, L. F. (2016). O Mediterrâneo enquanto metáfora da mestiçagem: Novas leituras sobre o modelo europeu na América Latina dos anos 1920. Civitas - Revista De Ciências Sociais, 15(3), 437-452. https://doi.org/10.15448/1984-7289.2015.3.20085
Seção
América Latina como lugar de enunciação: vozes dissidentes, modernidades dissonantes