O imaginário da diferença: identidade e etnocentrismo na publicidade sobre o Brasil

  • Denise da Costa Oliveira Siqueira Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ)
  • Euler David de Siqueira Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro
Palavras-chave: Imaginário, Publicidade, Etnocentrismo

Resumo

O objetivo deste artigo é investigar a forma como o imaginário acerca do outro é construído pela publicidade de um país. Medo, desconfiança, mas também fascínio e admiração são algumas das emoções e representações que povoam o imaginário acerca da alteridade. Na base dessa relação, o etnocentrismo se instaura tanto em sua versão positiva quanto negativa. Metodologicamente esta é uma pesquisa de natureza qualitativa hermenêutico-interpretativa, um estudo de caso que faz uso de pesquisa bibliográfica. Levantamos a pista de que a atribuição positiva da identidade brasileira na publicidade de outro país esconde um expediente etnocêntrico. A forma cordial e simpática com que brasileiros são descritos em um comercial uruguaio além de reforçar estereótipos revela uma relação etnocêntrica: a afirmação da identidade de si pela rotulação do outro.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Denise da Costa Oliveira Siqueira, Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ)

Doutora em Ciências da Comunicação pela Escola de Comunicação e Arte da Universidade de São Paulo (ECA/USP), com estágio pós-doutoral em Sociologia (Université Paris-Descartes). Professora associada do programa de pós-graduação em Comunicação da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ). Pesquisadora do CNPq e líder do grupo de pesquisa Corps: corpo, representação e espaço urbano.

Euler David de Siqueira, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro
Doutor e mestre em Sociologia pelo IFCS/UFRJ. Pós-doutorado em Sociologia pela Sorbonne/Université Paris-Descartes. Professor da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro e pesquisador do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais da Universidade Estadual de Juiz de Fora.

Referências

BARROS, Ana Taís P. O imaginário e a hipostasia da comunicação. Comunicação, mídia e consumo, v. 10, n. 29, p. 13-29, 2013.

BARTHES, Roland. Mitologias. 4. ed. São Paulo: Difel, 1980.

BAUDRILLARD, Jean. Simulacro e simulações. Lisboa: Relógio D’Água, 1991.

BAUMAN, Zygmunt. Comunidade: a busca por segurança no mundo atual. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2003.

BRUMANA, Fernando. Antropologia dos sentidos: introdução às idéias de Marcel Mauss. São Paulo: Brasiliense, 1983.

CANCLINI, Néstor García. Culturas híbridas: estrategias para entrar y salir de la modernidad. Buenos Aires: Paidós, 2005.

CUCHE, Denys. La notion de culture dans les sciences sociales. Paris: La Découverte, 1996.

DEBORD, Guy. A sociedade do espetáculo. Rio de Janeiro: Contraponto, 1997.

DOUGLAS, Mary. Pureza e perigo. São Paulo: Perspectiva, 1976.

DURAND, Gilbert. A imaginação simbólica. Lisboa: Edições 70, 1995.

______. Introduction à la mythodologie: mythes et sociétés. Paris: Albin Michel, 1996.

DURKHEIM, Emile; MAUSS, Marcel. Algumas formas primitivas de classificação. São Paulo: Perspectiva, p. 399-455, 1981.

FLUSSER, Vilém. Filosofia da caixa preta: ensaios para uma futura filosofia da fotografia. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2002.

FREYRE, Gilberto. Casa grande & senzala: formação da família brasileira sob o regime da economia patriarcal. São Paulo: Global, 2004.

GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: Zahar, 1978.

GOODY, Jack. La peur des représentations: l’ambivalence à l’égard des images, du théâtre, de la fiction, des reliques et de la sexualité. Paris: La Découverte, 2003.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A, 1992.

HEILBRUNN, Benoît. La consommation et ses sociologies. Paris: Armand Colin, 2005.

HOSSARD, Nicolas. Recto verso: les faces cachées de la carte postale. Paris: Arcadia, 2005.

LAPLANTINE, François; TRINDADE, Liana. O que é imaginário. São Paulo: Brasiliense, 1997.

LEACH, Edmond. Cultura e comunicação. Lisboa: Edições 70, 1992.

LÉVI-STRAUSS, Claude. Raça e história. In: Antropologia estrutural. Rio de Janeiro: Tempo brasileiro, 1976.

MAFFESOLI, Michel, SILVA, Juremir M. O imaginário é uma realidade (entrevista). Revista Famecos, Porto Alegre, n. 15, p. 74-82, ago. 2001.

ROCHA, E. P. G. O que é etnocentrismo? São Paulo: Brasiliense, 1984.

______. A sociedade do sonho: comunicação, cultura e consumo. Rio de Janeiro: Mauad, 1995.

RODRIGUES, J.C. Antropologia e comunicação: princípios radicais. Rio de Janeiro: Espaço e tempo, p. 211, 1989.

URUGUAY NATURAL BRASILEROS. 2010. 1 post (46’). Disponível em: http://www.youtube. com/watch?v=BCmsXpF5LuY Acesso em: 21 out. 2016.

Publicado
2016-07-07
Como Citar
Siqueira, D. da C. O., & de Siqueira, E. D. (2016). O imaginário da diferença: identidade e etnocentrismo na publicidade sobre o Brasil. Revista FAMECOS, 23(3), ID23286. https://doi.org/10.15448/1980-3729.2016.3.23286
Seção
Tecnologias do Imaginário