O “Escola sem Partido” e a “versão autorizada” da experiência histórica da escravidão nas redes sociais

Palavras-chave: Escola sem Partido, Ensino de história, Redes sociais, Escravidão

Resumo

Este artigo tem como objetivo central analisar os modos pelos quais apoiadores do “Movimento Escola sem Partido” (MESP) abordam a experiência histórica da escravidão em páginas virtuais da rede social Facebook. Tencionamos, com isso, refletir sobre o que apoiadores diretos do movimento entendem como uma “versão autorizada” dessa experiência histórica para ser ensinada nas aulas de história. Por “experiência histórica da escravidão” compreendemos não apenas o escravismo passado, mas também sua herança reiterada nos séculos seguintes à Abolição. Desse modo, este artigo analisará também as formas pelas quais o MESP, em suas franjas virtuais, compreende a relação passado-presente no ensino de história. A partir de exemplos pesquisados, focaremos no modo como as páginas lidaram com a figura da vereadora Marielle Franco e da princesa Isabel para disputas sentidos específicos sobre a história a ser ensinada. Com isso pretendemos contribuir para reflexões sobre as ameaças do MESP a qualquer ensino de história que se pretenda minimamente democrático e emancipatório.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

João Carlos Escosteguy Filho, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro (IFRJ), Pinheiral, RJ, Brasil.

Doutor em História pela Universidade Federal Fluminense (UFF), em Niterói, RJ, Brasil; professor do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro (IFRJ), em Pinheiral, RJ, Brasil.

Referências

AÇÃO EDUCATIVA (org.). A ideologia do movimento Escola sem Partido: 20 autores desmontam o discurso. São Paulo: Ação Educativa, 2016.

ALENCASTRO, Luis Felipe de. Parecer sobre a Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental, ADPF/186, apresentada ao Supremo Tribunal Federal. Fundação Perseu Abramo, 24 mar. 2010. Disponível em: https://fpabramo.org.br/2010/03/24/cotas-parecer-de-luis-felipe-de-alencastro. Acesso em: 26 jun. 2021.

ARAÚJO, Ana Lúcia. Dandara e Luisa Mahin são consideradas heroínas do Brasil – o problema é que elas nunca existiram. In: The Intercept Brasil, 4 jun. 2019. Disponível em: https://theintercept.com/2019/06/03/dandara-luisa-mahin-panteao-patria. Acesso em: 26 jun. 2021.

BATISTA, Vera Malaguti. O medo na cidade do Rio de Janeiro: dois tempos de uma história. Rio de Janeiro: Revan, 2003.

BENJAMIN, Walter. O Anjo da História. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2012.

CALDAS, Renan Rubim. Narrativas em movimento – do “Escola sem Partido” à “Educação Democrática”: História Pública e trajetórias docentes. 2018. 339p. Dissertação (Mestrado em História) – Programa de Pós-Graduação em História, Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2018.

CAMELO, Edgar Antônio Nery Alves. O Programa “Escola sem Partido” em Goiânia: implicações e consequências para a educação pública. 2019. Dissertação (Mestrado em Sociologia) – Faculdade de Ciências Sociais, Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2019.

CANDAU, Vera Maria. Educação em direitos humanos no Brasil: gênese, desenvolvimento e desafios atuais. In: PAIVA, Angela R. (org.). Direitos humanos em seus desafios contemporâneos. Rio de Janeiro: Ed. PUC-Rio: Pallas, 2012. p. 17-34.

CLIPE OFICIAL MANGUEIRA 2019 [S. l.: s.n.], 2019. 1 vídeo (4 min 32 s). Publicado pelo canal Estação Primeira de Mangueira. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=JMSBisBYhOE. Acesso em: 11 nov. 2021.

COLOMBO, Luiza Rabelo. Reflexões sobre o movimento Escola sem Partido e seu avanço no campo das políticas educacionais brasileiras. Entropia, Rio de Janeiro, v. 2, n. 3, p. 52-68, jan./jun. 2018. Disponível em: http:// entropia.slg.br/index.php/entropia/article/view/73. Acesso em: 01 dez 2021

ESCOLA SEM PARTIDO. Deveres do Professor. [ca. 2021] Disponível em: http://escolasempartido.org/programa-escola-sem-partido. Acesso em: 11 nov. 2021.

ESCOSTEGUY FILHO, João Carlos. Batalhas públicas pela história nas redes sociais: articulações para uma educação histórica em direitos humanos. Revista História Hoje, São Paulo, v. 8, n. 15, p. 39-65, 2019. Disponível em: https://rhhj.anpuh.org/RHHJ/article/view/531. Acesso em 01 dez. 2021.

FRIGOTO, Gaudêncio (org.). Escola “sem” Partido: esfinge que ameaça a educação e a sociedade brasileira. Rio de Janeiro: UERJ, LPP, 2017.

GRINBERG, Keila. Afinal… o que de fato fez a princesa Isabel no 13 de Maio? In: Conversa de Historiadoras, 13 maio 2020. Disponível em: https://conversadehistoriadoras.com/2020/05/13/afinal-o-que-de-fato-fez-a-princesa-isabel-no-13-de-maio. Acesso em: 26 jun. 2021.

HIRSCHMAN, Albert. A Retórica da Intransigência: perversidade, futilidade, ameaça. 2. ed. São Paulo: Cia das Letras, 2019.

HISTORIADOR desmonta lacração mentirosa da Mangueira contra a Princesa Isabel. Jornal da Cidade Online, [S. I.], 5 mar. 2019. Disponível em: https://www.jornaldacidadeonline.com.br/noticias/13590/historiador-desmonta-lacracao-mentirosa-da-mangueira-contra-a-princesa-isabel?fbclid=IwAR1y53T7X2a6CvIit7uxM_Hj5kaALSAsb905HrEVkln9M4aGPxhaFNx0oQo. Acesso em: 1 dez. 2021.

KRAUSE, Thiago; PACHÁ, Paulo. Nostalgia do Império é fantasia reacionária do bolsonarismo, dizem historiadores. Folha de São Paulo, 18 jul. 2020. https://www1.folha.uol.com.br/ilustrissima/2020/07/nostalgia-do-imperio-e-fantasia-reacionaria-do-bolsonarismo-dizem-historiadores.shtml. Acesso em: 26 jun. 2021.

MATTOS, Hebe; ABREU, Martha; DANTAS, Carolina Vianna; MORAES, Renata. Personagens negros e livros didáticos: reflexões sobre a ação política dos afrodescendentes e as representações da cultura brasileira. In: ROCHA, Helenice. REZNIK, Luís; MAGALHÃES, Marcelo (org.) A história na escola: autores, livros e leituras. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2009. p. 299-320.

MATTOS, Ilmar Rohloff de. O Tempo Saquarema: a formação do Estado Imperial. São Paulo: HUCITEC, 2004.

MAUAD, Ana Maria. O carnaval da história pública. In: ALMEIDA, Juniele R.; MENESES, Sônia (org.). História pública em debate: patrimônio, educação e mediações do passado. São Paulo: Letra e Voz, 2018. p. 227-235.

MEZRICH, Ben. Bilionários por Acaso: a criação do Facebook. Rio de Janeiro: Intrínseca, 2010.

MIGUEL, Luis Felipe. Da “doutrinação marxista” à “ideologia de gênero” – Escola sem Partido e as leis da mordaça no parlamento brasileiro. Direito e Práxis, Rio de Janeiro, v. 7, n. 15, p. 590-621, 2016.

MOURA, Fernanda Pereira de. “Escola sem Partido”: Relações entre Estado, educação e religião e os impactos no ensino de história. 2016. 188 f. Dissertação (Mestrado Profissional em Ensino de História) – Programa de Pós-Graduação em Ensino de História, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2016.

PARRÓN , Tâmis . A política da escravidão no Império do Brasil. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2009.

PENNA, Fernando. A relevância da didática para uma epistemologia da História. In: MONTEIRO, Ana; GABRIEL, Carmen Teresa; ARAÚJO, Cinthia Monteiro; COSTA, Warley da (org.). Pesquisa em ensino de história: entre desafios epistemológicos e apostas políticas. Rio de Janeiro: Mauad X: Faperj, 2014. p. 41-52.

PENNA, Fernando. A total dúvida sobre o amanhã e o desafio de ensinar história: concepções de tempo na produção textual de alunos. História e Perspectivas, Uberlândia, v. 28, p. 71-97, jan./jun. 2015.

PENNA, Fernando. Programa “Escola sem Partido”: uma ameaça à educação emancipadora. In: GABRIEL, Carmen Teresa; MONTEIRO, Ana Maria; MARTINS, Marcus Leonardo Bomfim (org.). Narrativas do Rio de Janeiro nas aulas de história. Rio de Janeiro: Mauad X, 2016. p. 43-58.

PENNA, Fernando; SALLES, Diogo da Costa. A dupla certidão de nascimento do Escola sem Partido: analisando as referências intelectuais de uma retórica reacionária. In: MUNIZ, Altemar de Costa; LEAL, Tito Barros (org.). Arquivos, documentos e ensino de história: desafios contemporâneos. Fortaleza: EdUECE, 2017. p. 13-38.

PEREIRA, Nilton M.; SEFFNER, Fernando. Ensino de História: passados vivos e educação em questões sensíveis. Revista História Hoje, São Paulo, v. 7, n. 13, p. 14-33, 2018. Disponível em: https://rhhj.anpuh.org/RHHJ/article/view/427/275. Acesso em: 30 maio 2021.

PEREIRA, Nilton Mullet. O que pode a imaginação na aprendizagem histórica? CLIO: Revista de Pesquisa Histórica, Recife, v. 38, p. 48-67, jan./jun. 2020. Disponível em: https://periodicos.ufpe.br/revistas/revistaclio/article/view/243163. Acesso em: 1 dez. 2021.

PINHEIRO, Cristiano Guedes. Escola sem Partido (ESP) versus Professores contra o Escola sem Partido (PCESP): tensões e discurso nas redes sociais. 2017. 250 f. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, 2017.

PLÁ, Sebastián. La ilusión científica de la didáctica de la historia: provocaciones teóricas sobre el conocimiento histórico escolar. In: ESPINOSA, José Carlos; ESCALANTE, Paulina Latapí; SALAZAR, Hugo Torres (comp.). Memorial del Cuarto Encuentro Nacional de Docencia, Difusión y Enseñanza de la Historia. Benemérita Universidad Autónoma de Puebla, 2013. p. 474-483.

SAFATLE, Vladimir. A esquerda que não teme dizer seu nome. São Paulo: Três Estrelas, 2012.

SALLES, Diogo da Costa. A concepção pedagógica e o projeto e o projeto educacional conservador e reacionário do movimento escola sem partido: uma crítica a partir da função de subjetivação do processo de ensino-aprendizado. RevistAleph, Niterói-RJ, ano XIV, n. 28, p. 64-87, jul. 2017.

SALLES, Diogo da Costa. Criando a doença para vender a cura: o discurso da “doutrinação ideológica” do Movimento Escola sem Partido. 2019. 147 f. Dissertação (Mestrado em História Social). – Centro de Educação e Humanidades, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, São Gonçalo, 2019.

SALLES, Ricardo. Nostalgia Imperial: a formação da identidade nacional no Brasil do Segundo Reinado. Rio de Janeiro: Topbooks, 1996.

SANTOS, Ale. O racismo da academia apagou a história de Dandara e Luisa Mahin. The Intercept Brasil, 4 jun. 2019. Disponível em: https://theintercept.com/2019/06/03/dandara-luisa-mahin-historia. Acesso em: 26 jun. 2021.

SCHWARCZ, Lilia Moritz. Sobre o autoritarismo brasileiro. São Paulo: Cia das Letras, 2019 [versão kindle].

SHOW DE MARIONETES DA ESQUERDA EM ACOPIARA- CE [S. l.: s.n.], [2019], 1 vídeo (4 min 34 s). Publicado pelo canal Escola sem Partido. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=-M0B5j9Mdns. Acesso em: 11 nov. 2021

SILVA, Renata da C. A. Os sentidos de político em disputa nas discussões públicas sobre educação e doutrinação. Bilros: História(s), Sociedade(s) e Cultura(s), Itaperi, CE, v. 6, n. 12, p. 220-240, maio/ago. 2018. Disponível em: http://seer.uece.br/?journal=bilros&page=article&op=view&path%5B%5D=3491. Acesso em: 1 dez. 2021

TEIXEIRA, Carlos Alberto. A Origem do Facebook. O Globo, 18 maio 2012. Disponível em: https://oglobo.globo.com/economia/a-origem-do-facebook-4934191. Acesso em: 11 nov. 2021.

Brasil é o terceiro país com mais usuários no Facebook. In: Tecmundo, 27 fev. 2019. Disponível em: https://www. tecmundo.com.br/redes-sociais/139130-brasil-terceiro-pais-usuarios-facebook.htm. Acesso em: 11 nov. 2021.

VALENTE, Jonas. Algoritmos e Sites de Redes Sociais: uma discussão crítica sobre o caso do Facebook. Revista Pós, Brasília, n. 2, v. 14, ago. 2019. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/revistapos/article/view/26491. Acesso em: 01 dez. 2021

ZEMELMAN, Hugo; VALENCIA GARCIA, Guadalupe. Los sujetos sociales. Uma propuesta de análisis. Acta Sociológica, ECPS-UNAM, México, v. III, n. 2, p. 81-98, 1990.

Publicado
2021-12-17
Como Citar
Escosteguy Filho, J. C. (2021). O “Escola sem Partido” e a “versão autorizada” da experiência histórica da escravidão nas redes sociais. Educação Por Escrito, 12(1), e41230. https://doi.org/10.15448/2179-8435.2021.1.41230
Seção
Dossiê: Ensino de História e usos do passado