A literatura enquanto práxis educativa emancipatória e as possibilidades formativas dos Bildungsroman

Palavras-chave: práxis educativa, Bildung, Bildungsroman, emancipação

Resumo

O texto discute o modo de compreensão dos Bildungsroman, da arte e da formação humana nos formatos da Bildung alemã. Levanta questões, em primeiro lugar, sobre os caminhos que a racionalidade moderna foi tomando, com prejuízo da arte e da filosofia como maneiras do conhecer realizar-se. Em segundo lugar, e tendo presente o que foi dito relativamente às necessidades de produção de sentido para além do que é racional, detecta-se que a literatura pode exercer um papel fundamental para a formação humana. Ainda que pensemos que, em última instância, toda a literatura é formativa, debruçamo-nos sobre um caso emblemático: os romances de formação, dimensões literárias da formação do eu. Como caso exemplar de literatura que descreve, retrata a formação do sujeito, ainda na segunda parte do texto, trazemos uma abordagem sobre os Bildungsroman como oportunidade de resgate entre o que se perdeu na modernidade em termos de uma subjetividade que aflorara, apesar do progresso das ciências e do avanço da técnica. O texto traz como conclusão a necessária ênfase nos processos formativos que promovam os interesses integrais da multiplicidade das possibilidades humanas, entre eles, a emancipação dos sujeitos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Neiva Afonso Oliveira, niversidade Federal de Pelotas (UFPel), Pelotas, RS

Departamento de Fundamentos da Educação. Área de Filosofia da Educação

Fausto dos Santos Amaral Filho, Universidade Tuiuti do Paraná (UTP), Curitiba, PR.

Doutor em Filosofia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), no Rio de Janeiro, RJ, Brasil; professor da Universidade Tuiuti do Paraná (UTP), em Curitiba, PR.

Referências

Almeida, O. J. (2002). A educação musical de Emílio. Rapsódia, Almanaque de Filosofia e Arte, (2), p. 7-35.

Amaral Fº, F. S. (2018). Ética e Estética são Um? O que isto pode ter a ver com a Educação escolar? Revista Educação & Realidade, 43, p. 387-399.

Feyerabend, P. (2011). A Ciência em uma Sociedade Livre. São Paulo: Editora Unesp.

Flickinger, H-G. (2009). A dinâmica do conceito de formação (Bildung) na atualidade. In.: Cenci, Â. V., Dalbosco, C. A., Mühl, E. Sobre filosofia e educação: racionalidade, diversidade e formação pedagógica. Passo Fundo: UPF.

Frege, G. (1978). Digressões sobre o Sentido e a Referência. In: Lógica e Filosofia da Linguagem. São Paulo: Editora Cultrix.

Frege, G. (2002). O Pensamento: uma investigação lógica. In: Investigações Lógicas. Porto Alegre: Edipucrs.

Freitag, B. (2001). O indivíduo em formação: diálogos interdisciplinares sobre educação. 3ª ed. São Paulo: Cortez.

Hegel, G. W. F. (1952). Estética: a Ideia e o Ideal. Lisboa: Guimarães & Cª Editores.

Hermann, N. (2008). Ética e estética. Porto Alegre: EDIPUCRS.

Japiassu, H. (1983). A pedagogia da incerteza e outros estudos. Rio de Janeiro: Imago Editora.

Kant, I. (2006). Antropologia de um ponto de vista pragmático. São Paulo: Iluminuras.

Maas, W. P. M. D. (2000). O cânone mínimo: o Bildungsroman na história da literatura. São Paulo: Editora Unesp.

Morin, E. (2011). Rumo ao Abismo? Ensaio sobre o destino da humanidade. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Pereira, M. R. (2013). Os profissionais do impossível. Educação & Realidade, 38 (2), p. 485-499.

Pessoa, F. A. N. (1999). Tabacaria. In: Poesias. Porto Alegre: L&PM.

Pinto, Á. V. (1969). Ciência e Existência. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Reich, W. (2001). Psicologia de Massas do Fascismo. São Paulo: Martins Fontes.

Ricoeur. P. (1983). A Metáfora Viva. Porto: Rés-Editora.

Ricoeur. P. (1997). Interpretação e Ideologias. Rio de Janeiro: Livraria Francisco Alves Editora.

Rousseau, J-J. (1983). Discurso sobre as ciências e as artes. In: Pensadores. São Paulo: Abril Cultural.

Santos, B. S. (2010). Um discurso sobre as ciências. São Paulo: Editora Cortez.

Sartre, J-P. (2004). Que é Literatura? São Paulo: Editora Ática.

Stein, E. (2001). Epistemologia e Crítica da Modernidade. Ijuí: UNIJUÍ.

Publicado
2020-09-01
Como Citar
Oliveira, N. A., & Amaral Filho, F. dos S. (2020). A literatura enquanto práxis educativa emancipatória e as possibilidades formativas dos Bildungsroman. Educação, 43(2), e35826. https://doi.org/10.15448/1981-2582.2020.2.35826
Seção
Dossiê: Formação em Movimento