Educação e Violência

A Educação contra o Fascismo

Palavras-chave: fascismo, violência, psicanálise, filosofia, educação.

Resumo

O texto procura desvelar o fenômeno do fascismo no contexto das redes informacionais, buscando aportes teóricos em diferentes matrizes, especialmente no cruzamento da psicanálise com a biopolítica. Busca desvendar a tendência de eleição de múltiplos fatores nas diversas análises que recusam um arcabouço teórico mais consistente para esse fenômeno de massa.  Nesse aspecto se pergunta pelo efeito da linguagem utilizada pelo fascismo, bem como as suas características básicas a partir de autores, tais como  Eco (2018), Tiburi (2017), Stanley (2018), Pelbart (2005), Adorno (1943; 1951), Agamben (2013) e Esposito (2011a, 2011b). Enuncia como elemento crítico das suas ideias e práticas a instância formativa e hermenêutica da linguagem. Investiga nesse sentido o desprezo aos direitos humanos e um apreço pelo uso da violência, as práticas de racismo, discriminação contra grupos minoritários realizadas nas redes sociais e suas repercussões nos currículos e na formação de professores.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Amarildo Luiz Trevisan, Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), Santa Maria, RS.

Doutor em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), em Porto Alegre, RS, Brasil; Mestre em Filosofia pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM); graduado em Filosofia pela Faculdade de Filosofia Nossa Senhora da Imaculada Conceição (FAFIMC), e professor dos Cursos de Licenciatura e do Programa de Pós-Graduação em Educação (Mestrado e Doutorado) da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), Santa Maria, RS Brasil; e bolsista de Produtividade em Pesquisa (PQ-1D) do CNPq.

Referências

Adorno, T. W. (1943). A técnica psicológica das palestras radiofônicas de Martin Luther Thomas. Recuperado Abril 08, 2019, de https://www.marxists.org/portugues/adorno/ano/mes/palestras.htm.

Adorno, T. W. (1951). Teoria freudiana e o padrão da propaganda fascista. Artigo em colaboração com Max Hokheimer. (Publicado originalmente em Psychoanalysis and the Social Sciences 3 (408-433) 1951). Recuperado Abril 08, 2019, de https://files.cercomp.ufg.br/weby/up/208/o/Theodor_Adorno_-_A_Teoria_freudiana_e_o_modelo_fascista_de_propaganda__1951__.htm?1349568035.

Agamben, G. (2013). Homo Sacer: El poder soberano y la nuda vida. Valencia: Pré-Textos.

Arendt, H. (1995). A condição humana. (7. ed.). Rio de Janeiro: Forense Universitária.

Bentes, I. (2018 Outubro). As milícias digitais de Bolsonaro e o colapso da democracia. Cult. Recuperado Abril 12, 2019 de https://revistacult.uol.com.br/home/nao-matem-a-democracia/

Bleicher, J. (1992). Hermenêutica contemporânea. Rio de Janeiro: Edições 70.

Carone, I. (2002). Fascismo on the air estudos frankfurtianos sobre o agitado fascista. Lua Nova, (55-56), 195-217. Recuperado Abril 01, 2019, de http://www.scielo.br/pdf/ln/n55-56/a09n5556.pdf.

Cortina, A. (2017). Aporofobia, el rechazo al pobre: Um desafio para la democracia. Barcelona: Paidós.

Dunker, C. (2017). Subjetividade em tempos de pós-verdade. In C. Dunker, C; Tezza, J Fuks, M. Tiburi, & V.

Safatle (Orgs.), Ética e pós-verdade (pp. 9-41). Porto Alegre: Dublinense.

Dupuy, J.-P. (2006). Ainda há catástrofes naturais? Análise Social, XLI (181), 1181-1193. Recuperado Outubro 25, 2018, de http://analisesocial.ics.ul.pt/documentos/1218723769F0xBP0ve1Lf54HP1.pdf.

Eco, U. (2018). O fascismo eterno. Rio de Janeiro: Record.

Esposito, R. (2011a). Bíos, Biopolítica y filosofia. Buenos Aires: Amarrortu.

Esposito, R. (2011b). El dispositivo de la persona. Buenos Aires: Amarrortu.

Frigotto, G. (Org.). (2017). Escola sem partido: Esfinge que ameaça a educação e a sociedade brasileiras. Rio de

Janeiro: UERJ. Recuperado Abril 05, 2019, de https://drive.google.com/file/d/0B8ZDG4hi54IEZ05HQWdzUmViekE/view

Foucault, M. (1999). História da sexualidade I: A vontade de saber. Rio de Janeiro: Graal. Recuperado Abril 08, 2019, de https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/2940534/mod_resource/content/1/Hist%-C3%B3ria-da-Sexualidade-1-A-Vontade-de-Saber.pdf

Gadamer, H.-G. (1994). Verdad y método II. (2ª ed.). Salamanca: Sígueme.

Gallego, E. S. (Org.). (2018). O ódio como política. A reinvenção das direitas no Brasil. São Paulo: Boitempo.

Giardina, A. (2008). O mito fascista da romanidade. Estudos Avançados, 22 (62), 55-76. Recuperado Abril 06, 2019, de http://www.scielo.br/pdf/ea/v22n62/a05v2262.pdf.https://doi.org/10.1590/S0103-40142008000100005.

Heidegger, M. (2005). Carta sobre o humanismo. São Paulo: Centauro.

Hermann, N. (2002). Hermenêutica e educação. Rio de Janeiro: DP&A.

Lévinas, E. (2014). Violência do rosto. São Paulo: Edições Loyola.

Morfaux; L.-M., & lefranc, J. (2005). Dicionário da Filosofia e das Ciências Humanas. Lisboa: Instituto Piaget.

Palmer, R. (2006). Hermenêutica. Lisboa: Edições 70.

Pelbart, P. P. (2005 Setembro/ Dezembro). Solidão, fascismo e literalidade. Educação & Sociedade, 26(93), 1323-1329. https://doi.org/10.1590/S0101-73302005000400013.

Silva, L. R. L., Botelho-Francisco, R. E., Oliveria, A. A. de, & Pontes, V. R. (2019 Maio/Agosto). A gestão do discurso

de ódio nas plataformas de redes sociais digitais: Um comparativo entre Facebook, Twitter e Youtube. Revista Ibero-Americana de Ciência da Informação, 12(2), 470-492. https://doi.org/10.26512/rici.v12.n2.2019.22025.

Sontag, S. (1986). Sob o signo de Saturno. Porto Alegre: L&PM Editores.

Stanley, J. (2018). Como funciona o fascismo: A política do “nós” e “eles”. Porto Alegre: L&PM.

Stein, E. (1996). Aproximações sobre hermenêutica. Porto Alegre: EDIPUCRS.

Tardif, M., & Raymond, D. (2000 Dezembro). Saberes, tempo e aprendizagem do trabalho no magistério. Educação & Sociedade, 21(73), 73-244. https://doi.org/10.1590/S0101-73302000000400013.

Tiburi, M. (2017). Como conversar com um fascista. Rio de Janeiro: Record.

Zani, L. (2018). Especial/Como identificar o fascismo. Especialista explica características do movimento de Mussolini. ANSA BRASIL. Recuperado Abril 08, 2019, de http://ansabrasil.com.br/brasil/noticias/brasil/entrevistas/2018/10/19/especialcomo-identificar-o-fascismo_ad80b1fd-a74b-46ce-9dbc-a55869da125d.html

Publicado
2020-09-01
Como Citar
Trevisan, A. L. (2020). Educação e Violência: A Educação contra o Fascismo. Educação, 43(2), e35788. https://doi.org/10.15448/1981-2582.2020.2.35788
Seção
Dossiê: Formação em Movimento