Coparentalidade aos três meses de vida do bebê

Beatriz Schmidt, Vitória Santos Arenhart, Rita de Cassia Sobreira Lopes, Cesar Augusto Piccinini

Resumo


O objetivo do presente estudo foi investigar a coparentalidade aos três meses de vida do bebê. Participaram 26 famílias nucleares, com filho único. Mãe e pai responderam a entrevistas. A análise de conteúdo qualitativa revelou responsabilidade predominantemente materna nos cuidados do bebê na maioria das famílias. A mãe parecia ocupar uma posição de guardiã da relação pai-bebê, apresentando comportamentos facilitadores ou inibidores do envolvimento paterno. Todos os participantes mencionaram apoio ao papel coparental, embora também tenha sido identificada depreciação materna à contribuição paterna. O envolvimento triádico ocorria principalmente nos cuidados básicos do bebê. Verbalizações dos genitores sugeriram boa qualidade na comunicação familiar, além de bons níveis de acordo sobre os cuidados. Salientam-se aspectos gratificantes e desafiadores da coparentalidade aos três meses de vida do bebê, período em que os genitores estão se adaptando à nova identidade e aos novos papeis, para atender às necessidades do filho.


Palavras-chave


coparentalidade, relações familiares, desenvolvimento infantil, relações pais-criança.

Texto completo:

PDF

Referências


Augustin, D. & Frizzo, G. B. (2015). A coparentalidade ao longo do desenvolvimento dos filhos: Estabilidade e mudança no 1º e 6º ano de vida. Interação em Psicologia, 19(1), 13-24. doi:10.5380/psi.v19i1.29239

Balsam, R. H. (2008). Fathers and the bodily care of their infant daughters. Psychoanalytic Inquiry, 28(1), 60-75. doi:10.1080/07351690701787119

Baxter, J., Buchler, S., Perales, F., & Western, M. (2014). A life-changing event: First births and men’s and women’s attitudes to mothering and gender divisions of labor. Social Forces, 93(3), 989-1014. doi:10.1093/sf/sou103

Böing, E. & Crepaldi, M. A. (2016). Relação pais e filhos: Compreendendo o interjogo das relações parentais e coparentais. Educar em Revista, 59(1), 17-33. doi:10.1590/0104-4060.44615

Bronte-Tinkew, J., Scott, M. E., Horowitz, A., & Lilja, E. (2009). Pregnancy intentions during the transition to parenthood and links to coparenting for first-time fathers of infants. Parenting: Science and Practice, 9(1-2), 1-35. doi:10.1080/15295190802656729

Bungum, B. & Kvande, E. (2013). The rise and fall of cash for care in Norway: Changes in the use of child-care policies. Nordic Journal of Social Research, 4(1), 31-54. doi:10.15845/njsr.v4i0.241

Christopher, C., Umemura, T., Mann, T., Jacobvitz, D., & Hazen, N. (2015). Marital quality over the transition to parenthood as a predictor of coparenting. Journal of Child and Family Studies, 24(12), 3636-3651. doi:10.1007/s10826-015-0172-0

Cowan, P. A. & Cowan, C. P. (2016). Transições familiares normativas, qualidade da relação do casal e desenvolvimento sadio dos filhos. In F. Walsh (Org.), Processos normativos da família (pp. 428-451). Porto Alegre, RS: Artmed. (DOI INEXISTENTE)

Feinberg, M. E. (2003). The internal structure and ecological context of coparenting: A framework for research and intervention. Parenting: Science and Practice, 3(2), 95-131. doi:10.1207/S15327922PAR0302_01

Frizzo, G. B., Kreutz, C. M., Schmidt, C., Piccinini, C. A., & Bosa, C. (2005). O conceito de coparentalidade e suas implicações para a pesquisa e para a clínica. Revista Brasileira de Crescimento e Desenvolvimento Humano, 15(3), 84-93. Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/pdf/rbcdh/v15n3/10.pdf.

Gadoni-Costa, L. M., Frizzo, G. B., & Lopes, R. C. S. (2015). A guarda compartilhada na prática: Estudo de casos múltiplos. Temas em Psicologia, 23(4), 901-912. doi:10.9788/TP2015.4-08

Hill, C. E., Knox, S., Thompson, B. J., Williamns, E. N., Hess, S. A., & Ladany, N. (2005). Consensual qualitative research: An update. Journal of Counseling Psychology, 52(2), 1-30. doi:10.1037/0022-0167.52.2.196

Hollingshead, A. B. (1975). Four-factor index of social status. (Unpublished manuscript) Department of Sociology, Yale University, New Haven. (DOI INEXISTENTE)

Kotila, L. E. & Schoppe-Sullivan, S. J. (2015). Integrating sociological and psychological perspectives on coparenting. Sociology Compass, 9(8), 731-744. doi:10.1111/soc4.12285

Laville, C. & Dionne, J. (1999). A construção do saber: Manual de metodologia da pesquisa em ciências humanas. Porto Alegre, RS: Artmed. (DOI INEXISTENTE)

Lei nº 13.257, de 8 de março de 2016. Estabelece princípios e diretrizes para a formulação e a implementação de políticas públicas para a primeira infância. (2016). Diário Oficial da União: seção 1, 46, 1-4.

Maršanić, V. B. & Kušmić, E. (2013). Coparenting within the family system: Review of literature. Collegium Antropologicum, 37(4), 1379-1384. Retrieved from https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/24611362.

McClain, L. & Brown, S. L. (2017). The roles of fathers’ involvement and coparenting in relationship quality among cohabiting and married parents. Sex Roles, 76(5-6), 334-345. doi:10.1007/s11199-016-0612-3

McDaniel, B. T. & Teti, D. M. (2012). Coparenting quality during the first three months after birth: The role of infant sleep quality. Journal of Family Psychology, 26(6), 886-895. doi:10.1037/a0030707

McGoldrick, M. & Shibusawa, T. (2016). O ciclo vital familiar. In F. Walsh (Org.), Processos normativos da família (pp. 375-398). Porto Alegre, RS: Artmed. (DOI INEXISTENTE)

Pasinato, L. & Mosmann, C. P. (2015). Coparentalidade em genitores de bebês com indicativos de dificuldades de inserção escolar. Psicologia Escolar e Educacional, 19(1), 31-40. doi:10.1590/2175-3539/2015/0191791

Pasinato, L. & Mosmann, C. P. (2016). Transição para a parentalidade e a coparentalidade: Casais que os filhos ingressaram na escola ao término da licença-maternidade. Avances en Psicología Latino-Americana, 34(1), 129-142. doi:10.12804/apl34.1.2016.09

Piccinini, C. A., Polli, R. G., Bortolini, M., Martins, G. D., & Lopes, R. C. S. (2016). Razões maternas para colocar ou não o bebê na creche no primeiro ano de vida da criança. Arquivos Brasileiros de Psicologia, 68(3), 59-74. Retrieved from http://pepsic.bvsalud.org/pdf/arbp/v68n3/06.pdf.

Piccinini, C. A., Silva, M. R., Gonçalves, T. R., Lopes, R. C. S., & Tudge, J (2012). Envolvimento paterno aos três meses de vida do bebê. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 28(3), 303-314. doi:10.1590/S0102-37722012000300006

Polli, R. G., Gabriel, M. R., Piccinini, C. A., & Lopes, R. C. S. (2016). Envolvimento paterno aos 12 meses de vida do bebê. Psico, 47(3), 198-208. doi:10.15448/1980-8623.2016.3.23205

Rapoport, A. & Piccinini, C. A. (2004). A escolha do cuidado alternativo para o bebê e a criança pequena. Estudos de Psicologia, 9(3), 497-503. doi:10.1590/S1413-294X2004000300012

Schoppe-Sullivan, S. J., & Mangelsdorf, S. C. (2013). Parent characteristics and early coparenting behavior at the transition to parenthood. Social Development, 22(2), 363-383. doi:10.1111/sode.12014

Schoppe-Sullivan, S. J., Settle, T., Lee, J. K., & Dush, C. M. K. (2016). Supportive coparenting relationships as a haven of psychological safety at the transition to parenthood. Research in Human Development, 13(1), 32-48. doi:10.1080/15427609.2016.1141281

Van Egeren, L. A. (2004). The development of the coparenting relationship over the transition to parenthood. Infant Mental Health Journal, 25(5), 453-477. doi:10.1002/imhj.20019

Zvara, B. J., Schoppe-Sullivan, S. J., & Dush, C. K. (2013). Fathers’ involvement in child health care: Associations with prenatal involvement, parents’ beliefs, and maternal gatekeeping. Family Relations, 62(4), 649-661. doi:10.1111/fare.12023




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1980-8623.2019.1.28043

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

e-ISSN: 1980-8623

ISSN-L: 0103-5371

*********************************

Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org

Licença Creative Commons

Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul.

 

 

Copyright: © 2006-2019 EDIPUCRS