Protocolo preventivo da terapia de regulação infantil

Estudo piloto no ambiente escolar

Palavras-chave: prevenção, crianças, escolas

Resumo

A qualidade da educação relaciona-se com o investimento na aprendizagem acadêmica e com o desenvolvimento socioemocional dos alunos. Esse artigo objetiva avaliar os efeitos do protocolo preventivo da Terapia de Regulação Infantil (TRI-P) nas habilidades socioemocionais de crianças. A TRI-P tem como propósito desenvolver competências emocionais e sociais nas escolas. Utilizou-se delineamento quasi-experimental com avaliação pré e pós teste. Participaram 28 crianças de sete a nove anos, estudantes de uma escola particular no interior do Rio Grande do Sul. Aplicou-se as escalas Social Skills Rating System para a avaliação de habilidades sociais e comportamentos problemáticos e Emotional Regulation Checklist para avaliar regulação e labilidade emocional. Os resultados, após intervenção, apontam diminuição nos níveis de problema de comportamento e aumento nos escores de regulação emocional e habilidades sociais. Percebe-se que a implementação de programas de habilidades socioemocionais pode ser promissora frente à importância do cuidado com saúde mental no ambiente escolar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marina Heinen, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), Porto Alegre, RS, Brasil.

Doutoranda em Psicologia pela Universidade Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS), em São Leopoldo, RS, Brasil; mestre em Psicologia Clínica pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), em Porto Alegre, RS, Brasil.

Karine Ranzi Valentim de Souza, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), Porto Alegre, RS, Brasil.

Mestre em Psicologia Clínica pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), em Porto Alegre, RS, Brasil.

Victoria Deluca, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), Porto Alegre, RS, Brasil.

Mestre em Psicologia Clínica pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), em Porto Alegre, RS, Brasil.

Marina Gusmão, Instituto de Ensino, Pesquisa e Atendimento Individual e Familiar (InTCC), Porto Alegre, Porto Alegre, RS, Brasil.

Especialista em Terapia Cognitivo Comportamental pela Universidade Vale do Rio dos Sinos (Unisinos), em São Leopoldo, RS, Brasil; coordenadora de ensino e professora no Instituto de Ensino, Pesquisa e Atendimento Individual e Familiar (InTCC), em Porto Alegre, RS, Brasil.

Margareth da Silva Oliveira, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), Porto Alegre, RS, Brasil.

Doutora em Psiquiatria e Psicologia Médica pela universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), em São Paulo, SP, Brasil; mestre em Psicologia Clínica pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), em Porto Alegre, RS, Brasil; professora da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), em Porto Alegre, RS, Brasil.

Referências

Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa (2018). Critério de Classificação econômica Brasil (CCEB).

Bandeira, M., Del Prette, Z. A. P., Del Prette, A. & Magalhães, T. (2009). Validação das escalas de habilidades sociais, comportamentos problemáticos e competência acadêmica (SSRS-BR) para o ensino fundamental. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 25(2), 271-282. https://doi.org/10.1590/S0102-37722009000200016

Biggs, A., Brough, P., & Barbour, J. P. (2014). Enhancing work-related attitudes and work engagement: A quasi-experimental study of the impact of an organizational intervention. International Journal of Stress Management, 21(1), 43-68. https://doi.org/10.1037/a0034508

Bolsoni-Silva A. T., Loureiro, S. R., & Marturano, E. M. (2016). Comportamentos internalizantes: Associações com habilidades sociais, práticas educativas, recursos do ambiente familiar e depressão maternal. Psico, 47(2), 11-120. https://doi.org/10.15448/1980-8623.2016.2.20806

Caminha, R.M. (2019). Darwin para psicoerapeutas: socialização, emoções, empatia e psicoterapia. Sinopsys.

Caminha. R. M., Caminha, M. G., & Duarte, V. (2017a). Programa TRI Preventivo de educação socioemocional. In J. M., Alves, (Org.), Abordagens Cognitivo-comportamentais no contexto escolar (pp. 164-178). Sinopsys.

Caminha, R. M., Caminha, M. G., & Finger, I. R. (2017b). A terapia da reciclagem infantil (TRI) no tratamento de sintomas ansiosos de depressivos. In R. M. Caminha, M. G. Caminha & C. A. Dutra. A prática cognitiva na infância e na adolescência (pp. 399-413). Sinopsys.

Cia, F., & Barham, E. J. (2009). Repertório de habilidades sociais, problemas de comportamento, autoconceito e desempenho acadêmico de crianças no início da escolarização. Estud. psicol. (Campinas), 26(1), 45-55. https://doi.org/10.1590/S0103-166X2009000100005

Coelho, V. A., Marchante, M., Sousa, V., & Romão, A. M. (2016). Programas de intervenção para o desenvolvimento de competências socioemocionais em idade escolar: Uma revisão crítica dos enquadramentos SEL e SEAL. Análise Psicológica, 34(1), 61-72. https://doi.org/10.14417/ap.966

Cohen J. (1988). Statistical Power analysis for the behavioral sciences. 2nd ed. Erlbaum.

Collaborative for Social and Emotional Learning. (2015). CASEL guide: Effective Social and emotional learning programs. http://secondaryguide.casel.org/caselsecondary-guide.pdf

Corcoran, R. P., Cheung, A., Kim, E., & Xie, C. (2018). Effective universal school-based social and emotional learning programs for improving academic achievement: A systematic review and meta-analysis of 50 years of research. Educational Research Review, 25, 56-72. https://doi.org/10.1016/j.edurev.2017.12.001

Del Prette, Z. A. P., & Del Prette, A. (2003). Habilidades sociais e dificuldades de aprendizagem: teoria e pesquisa sob um enfoque multimodal. In A. Del Prette & Z. A. P. Del Prette (Orgs.), Habilidades sociais, desenvolvimento e aprendizagem: questões conceituais, avaliação e intervenção (pp. 167-206). Alínea.

Deluca, V., Antoniutti, C. B. P., Boff, N., Landerberger, T., Argimon, I. I. L., & Oliveira, M. S. (2018). A presença de sintomas psicopatológicos em crianças e responsáveis que procuram psicoterapia infantil. Aletheia, 51(1-2), 68-79.

Durlak J. A., Dymnicki A. B., Taylor R. D., Weissberg, R. P., & Schellinger, K. B. (2011). The impact of enhancing student’s social and emotional learning: A meta-analysis of school-based universal interventions. Child Development, 82(1), 405-432. https://doi.org/10.1111/j.1467-8624.2010.01564.x

Fava, D. (Org) (2016). A Prática da Psicologia na Escola: Introduzindo a Abordagem Cognitivo-Comportamental. Artesã.

Freire, T., & Tavares, D. (2011). A influência da auto estima, da regulação emocional e do gênero no bem-estar subjetivo e psicológico de adolescentes. Revista Psiquiatria Clínica, 38(5), 184-188. https://doi.org/10.1590/S0101-60832011000500003

Gilbert, K. (2012). The neglected role of positive emotion in adolescent psychopathology. Clinical Psychology Review, 32, 467-481. https://doi.org/10.1016/j.cpr.2012.05.005

Goodman, K. L., & Southam-Gerow, M. A. (2010). The regulating role of negative emotions in children’s coping with peer rejection. Child Psychiatry Hum Dev., 41(5), 515-34. https://doi.org/10.1007/s10578-010-0185-2

Gresham, F., & Elliott, S. (1990). Social skills rating system: Manual. American Guidance Service.

Kieling, C., Baker-Henningham, H., Belfer, M., Conti, G., Ertem, I., & Omigbodun (2011). Child and Adolescent Mental Health Worldwide: evidence for action. Global Mental Health, 378, 1515-1525. https://doi.org/10.1016/S0140-6736(11)60827-1

Lipnevich, A. A., & Roberts, R. D. (2012). Non cognitive skills in education: Emerging research and applications in a variety of international contexts. Journal of Psychology and Education, 2(2), 173-177. https://doi.org/10.1016/j.lindif.2011.11.016

Marin, A. H., & Fava, D. C. (2016). Programas de intervenção no contexto escolar: revisão da literatura científica. In D. C. Fava (Ed), A prática da psicologia na escola: introduzindo a abordagem cognitivo-comportamental (pp. 325-350). Artesã.

Marin, A. H., Silva, C. T., Andrade, E. I. D., Bernardes, J., & Fava, D. C. (2017). Competência socioemocional: conceitos e instrumentos associados. Revista Brasileira de Terapias Cognitivas, 13(2), 92-103. https://doi.org/10.5935/1808-5687.20170014

McLaughlin, K. A., Hatzenbuehler, M. L., Mennin, D. S., & Nolen-Hoeksema, S. (2011). Emotion dysregulation and adolescent psychopathology: A prospective study. Behaviour Research and Therapy, 49, 544-554. https://doi.org/10.1016/j.brat.2011.06.003

Medeiros, R. B. V. (2015). Avaliação de um protocolo cognitivo-comportamental para o tratamento de crianças e adolescentes portadores de transtornos de ansiedade. [Tese de doutorado, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro].

Pérez-Marfil, M. N., Fernández-Alcántara, M., Fasfous, A. F., Burneo-Garcés, C., Pérez- Garcia, M., & Cruz-Quintana, F. (2020). Influence of Socio-Economic Status on Psychopathology in Ecuadorian Children. Frontiers in Psychiatry, 11(43), 1-11. https://doi.org/10.3389/fpsyt.2020.00043

Reis, A. H., Oliveira, S. E. S., Bandeira, D. R., Andrade, N. C., Abreu, N., & Sperb, T. M. (2016). Emotional Regulation Checklist (ERC): Estudos preliminares de adaptação e validação para a cultura brasileira. Trends in Psychology, 24(1), 77-96. https://doi.org/10.9788/TP2016.1-06

Roberts R. E., Roberts C. R., & Xing Y. (2007). Rates of DSM- IV psychiatric disorders among adolescents in a large metropolitan area. Journal Psychiatr Res., 41(11), 959-67. https://doi.org/10.1016/j.jpsychires.2006.09.006

Shields, A. M., & Cicchetti, D. (1995). The development of an emotion regulation assessment battery: Reliability and validity among at-risk grade-school children. [Paper presentation]. Biennial meeting of the Society for Research on Child Development, Indianapolis, IN, USA.

Sklad M., Diekstra R., Ritter M., Ben, J., & Gravesteijn C. (2012). Effectiveness of school-based universal social, emotional, and behavioral programs: do they enhance students’ development in the area of skill, behavior, and adjustment? Psychology in the Schools, 49(9), 892-909. https://doi.org/10.1002/pits.21641

Thiengo, D. L., Cavalcante, M. T., & Lovisi, G. M. (2014). Prevalência de transtornos mentais entre crianças e adolescentes e fatores associados: uma revisão sistemática. Jornal Brasileiro de Psiquiatria, 63(4), 360-372. https://doi.org/10.1590/0047-2085000000046

Publicado
2021-12-31
Como Citar
Heinen, M., Souza, K. R. V. de, Deluca, V., Gusmão, M., & Oliveira, M. da S. (2021). Protocolo preventivo da terapia de regulação infantil: Estudo piloto no ambiente escolar. Psico, 52(4), e36589. https://doi.org/10.15448/1980-8623.2021.4.36289
Seção
Artigos