Supervisão em Serviços-Escola de Psicologia no Brasil: Perspectivas dos Supervisores e Estagiários

  • Margareth da Silva Oliveira Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
  • Rodrigo Fernando Pereira Universidade de São Paulo
  • Ana Claudia Azevedo Peixoto Universidade Federal do Rio de Janeiro
  • Marina Monzani da Rocha Universidade Paulista
  • Nancy Ramacciotti de Oliveira-Monteiro Universidade Federal de São Paulo
  • Mônica Medeiros Kother Macedo Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
  • Edwiges Ferreira de Mattos Silvares Universidade de São Paulo
Palavras-chave: Supervisão clínica, clínicas-escola, ensino da psicologia.

Resumo

Embora nos últimos 20 anos tenha havido um aumento do interesse pela caracterização da clientela e descrição do funcionamento dos serviços-escola de Psicologia, pouca atenção tem sido dada ao processo de supervisão que ocorre nesses centros. A supervisão no contexto clínico tem como característica fundamental contemplar, ao mesmo tempo, aspectos relativos ao aprendizado e aspectos relacionados à relação terapêutica. Neste trabalho, foi utilizado um instrumento que avaliava a supervisão de acordo com os fatores empatia, aprimoramento do aprendizado e compreensão. O questionário, desenvolvido em duas versões, foi respondido online por 126 supervisores e 238 estagiários de Psicologia de diversas regiões do país. Verificou-se que a supervisão é, de forma geral, bem avaliada tanto por supervisores como por supervisionandos, embora existam algumas discrepâncias significativas na visão dos dois grupos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Aguirre, A. B. (2000). A primeira experiência clínica do aluno: Ansiedades e fantasias presentes no atendimento e na supervisão. Psicologia: Teoria e Prática, 2(1), 3-31.

Ancona-Lopez, M. (1981). Avaliação de serviços de Psicologia clínica (Dissertação de mestrado). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo; São Paulo.

Barreto, M. C., & Barletta, J. B. (2010). A supervisão de estágio em Psicologia Clínica sob as óticas do supervisor e do supervisionando. Cadernos de Graduação – Ciências Biológicas e da Saúde, 12(12), 155-171.

Boeckel, M. G. et al. (2010). O papel do serviço-escola na consolidação do projeto pedagógico do curso de Psicologia. Psicol. Ensino & Form [online], 1(1), 41-52. Retirado de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2177-20612010000100005&lng=pt&nrm=iso

Campezatto, P., & Nunes, M. L. T. (2007). O atendimento em clínicas-escola de Psicologia da Região Metropolitana de Porto Alegre. Estudos de Psicologia, 24, 363-374.

Cheon, H.-S., Blumer, M. L., Shih, A.-T., Murphy, M., & Sato, M. (2009). The influence of supervisor and supervisee matching, role conflict, and supervisory relationship on supervisee satisfaction. Contemporary Family Therapy, 31, 52-67.

Dobson, K. S., & Shaw, B. F. (1993). The training of cognitive therapists: What Have we learned from treatment manuals? Psychotherapy, 30(4), 573-577.

Freitas, F. A., & Noronha, A. P. (2007). Habilidades do psicoterapeuta segundo supervisores: diferentes perspectivas. PSIC, 8(2), 159-166.

Löhr, S. S., & Silvares, E. F. M. (2006) Clínica-escola: integração da formação acadêmica com as necessidades da comunidade. In Silvares, E. F. M. (Org.). Atendimento Psicológico em clínicas-escola (pp. 11-22). Campinas: Alínea.

Macedo, M. M. K., Baldo, M. A., Santos, R. L., Ribas, R. F., Silva, S. M., & Goncalves, T. G. (2011). Motivos de busca de atendimento psicológico por adolescentes em uma

clínica-escola. Revista de Psicologia: Teoria e Prática [online], 3, 63-75.

Macedo, M. M. K., & Dockhorn, C. N. B. F. (2009). A Supervisão em Psicanálise: o fazer na clínica. In M. M. K. Macedo (Org.), Fazer Psicologia: uma experiência em clínica-escola (pp. 207-219). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Macedo, M. M. K., Nunes, M. L. T., Campezatto, P. M., & Padilha, I. P. (2009). A clínica-escola SAPP e o fazer Psicologia. In M. M. K. Macedo (Org.). Fazer Psicologia: uma experiência em clínica-escola (pp. 17-41). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Macedo, M. M. K., Silva, F. C. F., Giaretta, D. G., Ribas, R. F., & Druck, C. M. (2010). Atenção integral à saúde mas-

culina: a busca por atendimento psicológico em uma clínica-escola. Revista de Psicologia: Teoria e Prática [online], 12, 154-170.

Melo, S. A., & Perfeito, H. C. (2006). Características da população infantil atendida em triagem no período de 2000 a 2002 numa clínica-escola. Estudos de Psicologia, 23(3), 239-249.

Nigam, T., Cameron, P. M., & Leverette, J. S. (1997). Impasses in the supervisory process: A resident’s perspective. American Journal of Psychotherapy, 51(2), 252-272.

Oliveira-Monteiro, N. R., & Nunes, M. T. (2008). Supervisor de Psicologia clínica: um professor idealizado? PsicoUSF, 13(2), 287-296.

Pretorius, W. M. (2006). Cognitive behavioural therapy supervision: recommended practice. Behavioural and Cognitive Psychotherapy, 34, 413-420.

Romaro, R. A., & Capitão, C. G. (2003). Caracterização da clientela da clínica-escola de Psicologia da Universidade São Francisco. Psicologia: Teoria e Prática, 5(1), 111-121.

Silvares, E. F. (1993). O papel preventivo das clínicas-escola de Psicologia em seu atendimento a crianças. Temas em Psicologia, 2, 87-97.

Tavora, M. T. (2002). Um modelo de supervisão clínica na formação do estudante de Psicologia: A experiência da UFC. Psicologia em Estudo, 7(1), 121-130.

Publicado
2014-08-19
Como Citar
Oliveira, M. da S., Pereira, R. F., Azevedo Peixoto, A. C., Monzani da Rocha, M., Ramacciotti de Oliveira-Monteiro, N., Medeiros Kother Macedo, M., & de Mattos Silvares, E. F. (2014). Supervisão em Serviços-Escola de Psicologia no Brasil: Perspectivas dos Supervisores e Estagiários. Psico, 45(2), e1-e9. https://doi.org/10.15448/1980-8623.2014.2.15417
Seção
Artigos