Políticas de visibilidade como fatos de afecção: Que ética para as visualidades?

  • Rose de Melo Rocha Escola Superior de Propaganda e Marketing
Palavras-chave: Imagem, Consumo, Afecção

Resumo

O artigo relaciona o consumo das imagens às teorias da afecção de Spinoza. Assumindo entonação ensaística, problematiza a dimensão política e pergunta se uma Ética é possível para as visualidades. Como somos afetados e como, nós mesmos, afetamos as imagens? Qual a natureza das paixões iconoclastas e iconófilas e em que medida dialogam com embates epistêmicos fundadores do campo da comunicação? Imagens sensacionais, representações da violência aumentam ou diminuem nossa potência de agir? Por que motivos alimentamos, no consumo das visualidades, paixões infelizes?

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rose de Melo Rocha, Escola Superior de Propaganda e Marketing

Referências

BAUDRILLARD, Jean. A transparência do Mal. Ensaio sobre os fenômenos extremos. Campinas: Papirus, 1992.

BAUMAN, Zygmunt. O Mal-estar da Pós-modernidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 1998.

CANEVACCI, Massimo. Fetichismos Visuais. Corpos Erópticos e Metrópole Comunicacional. São Paulo: Ateliê Editorial, 2008.

DEBORD, Guy. A sociedade do espetáculo. Rio de Janeiro: Contraponto, 1997.

DEBRAY, Régis. Vida e morte da imagem: uma história do olhar no ocidente. Petrópolis: Vozes, 1993.

FOUCAULT, Michel. As palavras e as coisas. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

FREIRE COSTA, Jurandir. Violência e psicanálise. Rio de Janeiro: Graal, 1986.

HARVEY, David. Condição Pós-moderna. São Paulo: Loyola, 1992.

JAMESON, Fredric. Pós-modernismo. Lógica Cultural do Capitalismo Tardio. São Paulo: Ática, 2002.

KAPLAN, E. Ann (org.). Pós-modernismo. Teorias, Práticas. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 1993.

LYOTARD, Jean-François. O Pós-moderno. Rio de Janeiro: José Olympio, 1986.

MARTÍN-BARBERO, Jesus. Ofício de cartógrafo. Travessias latino-americanas da comunicação na cultura. São Paulo: Loyola, 2004.

MITCHEL, Willian J.T. Iconology: image, text, ideology. Chicago: The University of Chicago Press, 1987.

_______. What do pictures want? The lives and loves of images. Chicago: University Of Chicago Press, 2005.

MONS, Alain. La metáfora social. Buenos Aires: Nueva Visón, 1994.

MORIN, Edgar. O cinema ou o homem imaginário. Lisboa: Relógio D’Água, 1997.

______. O paradigma perdido. A natureza humana. Lisboa: Europa-América, 2000.

PERNIOLA, Mario. Do sentir. Lisboa: Presença, 1993.

ROCHA, Rose de Melo. É a partir de imagens que falamos do consumo. In: BACCEGA, Maria Aparecida (Org.). São Paulo: ESPM, 2009.

______. Estética da violência. Por uma arqueologia dos vestígios. 1997. Tese (Doutorado) – ECAUSP, São Paulo, 1997.

ROCHA, Rose de Melo; PORTUGAL, Daniel. Trata-se de uma imágica? In: ARAÚJO, Denise; BARBOSA, Marialva. Imagíbrida. Porto Alegre: Editora Plus, 2008. (e-book).

SCHOPENHAUER, A. O mundo como vontade e representação. São Paulo: Contraponto, 2001.

SFEZ, Lucien. Crítica da Comunicação. São Paulo: Loyola, 1994.

SPINOZA, Benedictus. Ética/Spinoza. Belo Horizonte: Autêntica, 2008.

VERNIER, Jean-Marc. Trois ordres de l´image télévisuelle. In: Quaderni, n. 4, primavera de 1988. Paris: CREDAP, Université Paris Dauphine, 1988, p. 9-18.

VIRILIO, Paul. O Espaço Crítico. Rio de Janeiro: Editora 34,

Como Citar
Rocha, R. de M. (2011). Políticas de visibilidade como fatos de afecção: Que ética para as visualidades?. Revista FAMECOS, 17(3), 199-206. https://doi.org/10.15448/1980-3729.2010.3.8187
Seção
Cultura e Mediação