Sujeito proativo, autonomia e novas tecnologias: desafios na construção do humano na pós-modernidade

  • Robéria Nádia Araújo Nascimento Universidade Estadual da Paraíba.
  • Edileusa Regina Pena da Silva Universidade Federal de Mato Grosso
  • Oluzimere Pena da Silva Faculdade Olga Mettig
Palavras-chave: Autonomia, novas tecnologias, gestão de pessoas

Resumo

A realidade social, econômica e tecnológica que vivenciamos impõe novos modos de viver e se perceber o mundo, suscitando uma nova concepção de humanidade. O sujeito proativo, individualizado em suas buscas, adquire a sensação de ser mais incompreendido, numa época em que suas ações são convertidas em megabits, facilitando o trânsito de pensamentos e ideias. Compreender as implicações do imaginário tecnológico que perpassa o tempo presente, conhecendo suas promessas de autonomia, permite vislumbrar as configurações de um cenário que alguns autores denominam de pós-modernidade. Cenário que coloca desafios para o profissional do mercado e para os gestores de pessoas, em meio à sociedade competitiva. Para discutir tais questões, este texto apresenta alguns pressupostos teóricos que podem fazer avançar os debates em torno da criação de uma sociedade mais justa e mais democrática.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Robéria Nádia Araújo Nascimento, Universidade Estadual da Paraíba.
Doutora em Educação pela Universidade Federal da Paraíba. Mestre em Ciência da Informação pela Universidade Federal da Paraíba. Professora Titular do Curso de Comunicação Social (UEPB).
Edileusa Regina Pena da Silva, Universidade Federal de Mato Grosso
Pós-doutora em Comunicação pela Universidade de São Paulo. Professora do Departamento de Educação da Universidade Federal de Mato Grosso.
Oluzimere Pena da Silva, Faculdade Olga Mettig
Administradora de recursos materiais do Pólo Petroquímico de Camaçari - Bahia.

Referências

ARENDT, Hannah. A condição humana. 10. ed. São Paulo: Forense Universitária, 2003.

BAUDRILLARD, Jean. Simulacros e Simulação. Trad. Maria João da Costa Pereira. Lisboa: Relógio d´Água, 1991. 205p.

BAUMANN, Zygmunt. O mal-estar da pós-modernidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editora, 1998. 272p.

BETH, Hanno; PROSS, Harry. Introducción a la ciência de la comunicación. Barcelona: Anthropos, 1990.

BLASS, Leila Maria da Silva. Nas interfaces do trabalho, emprego e lazer. In: XXVII ANPOCS, 2003, Caxambu. Anais do XXVII Encontro Anual da ANPOCS. Caxambu, Minas Gerais, 2003.

CANCLINI, Néstor García. Consumidores e Cidadãos: conflitos multiculturais da globalização. Rio de Janeiro: UFRJ, 1995. 226p.

______. Culturas híbridas: estratégias para entrar e sair da modernidade. 2. ed. São Paulo: EDUSP, 1998. 387p.

CASTELLS, Manuel. A sociedade em rede: economia, sociedade e cultura. São Paulo: Paz e Terra, 1999. 618p.

DESSLER, Gary. Administração de recursos humanos. São Paulo: Prentice Hall, 2003.

DIEZ, Fernando. El discurso del trabajo en el siglo de las luces. Sociología del trabajo. Madrid, n. 42, p. 119-144, Primavera 2001.

DUTRA, Joel Souza. Gestão de pessoas: modelo, processos, tendências, perspectivas. São Paulo: Atlas, 2002.

FERREIRA. Daniela Assis Alves. Tecnologia: fator determinante no advento da sociedade da informação. Perspectiva da Informação. Belo Horizonte, v. 8, n.1, p. 4-11, jan./ jun. 2003.

FLEUTY, Maria Tereza (Coord.). As pessoas na organização. São Paulo: Editora Gente, 2002.

GARDER, Howard; KORNHABER, Mindy; WAKE, Warren K. Inteligência: múltiplas perspectivas. Porto Alegre: ARTMED, 1998.

GIL, Antônio Carlos. Gestão de pessoas: enfoque nos papéis profissionais. São Paulo: Atlas, 2001.

HARDT, Michael; NEGRI, Antonio. Império. Tradução de Berilo Vargas 3. ed. Rio de Janeiro; São Paulo: Editora Record, 2001. 504p.

______. Multidão: guerra e democracia na era do império. Tradução de Clovis Marques. 3. ed. Rio de Janeiro; São Paulo: Editora Record, 2005. 532p. Revisão Técnica de: Giuseppe Cocco.

KUCINSKI, Bernardo. Jornalismo na era virtual: ensaios sobre o colapso da razão ética. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo; Editora UNESP, 2005. 144p.

MORGAN, Gareth. Imagens da organização. São Paulo: Atlas, 2002. Cap. 2, p. 22.

MORIN, Edgar; KERN, Anne Brigitte. Terra-Pátria. 2. ed. Porto Alegre: Sulina, 1995. 192p.

MOSCOVICCI, Fila. Equipes dão certo: a multiplicação do talento humano. 2. ed. Rio de Janeiro: J. Olímpio, 1995.

PEIXOTO, Aguirre. Qualificação: sobram mais de 9,6 mil vagas. Jornal a Tarde, Salvador, 06 jul. 2008, Caderno de emprego. p.1.

RICCI, Juliana. Maturidade profissional é o caminho para as competências pessoais. Jornal A Tarde, Salvador, 27 jul. 2007.

Caderno de Emprego e Negócios. p. 4. Disponível em: carreiras.empregos.com.br/comunidades/rh/artigos/310102-

maturidade_profissional.shtm - 34k Acesso em: 30 jan. 2008.

ROMAN, Joel. Autonomia e vulnerabilidade do indivíduo moderno. In: MORIN, Edgar.; PRIGOGINE, Ilya. (Orgs.). A sociedade em busca de valores – para fugir à alternativa entre o ceticismo e o dogmatismo. Lisboa: Instituto Piaget, 1998, p. 39-49.

SANTAELLA, Lucia. Comunicação e pesquisa: projetos para mestrado e doutorado. São Paulo: Hacker Editores, 2006. 216p.

TRIVINHO, Eugênio. A dromocracia cibercultural: lógica da vida humana na civilização mediática avançada. São Paulo: Paulus, 2007, p. 456.

Como Citar
Nascimento, R. N. A., Silva, E. R. P. da, & Silva, O. P. da. (2010). Sujeito proativo, autonomia e novas tecnologias: desafios na construção do humano na pós-modernidade. Revista FAMECOS, 17(1), 112-120. https://doi.org/10.15448/1980-3729.2010.1.6885
Seção
Representação e Produção de Sentidos