Da história das mulheres ao cinema brasileiro de autoria feminina

  • Karla Holanda Universidade Federal de Juiz de Fora
Palavras-chave: Comunicação, Cinema, Feminismo

Resumo

As mulheres têm feito menos filmes que os homens, embora cada vez produzam mais. Ainda assim, muitos de seus filmes foram ignorados ou receberam pouca atenção. Para compreender esse desequilíbrio, este artigo faz um painel sobre a secular discriminação da mulher na sociedade. Igualmente demonstra que sempre houve resistência das mulheres a essa subjugação. Nosso objetivo é reforçar a razão de se destacar filmes feitos por mulheres, afinal na história do cinema, assim como na história em geral, como defende Joan Scott, a parte concernente às mulheres não está suficientemente contemplada. Em seguida, apresentamos e discutimos três filmes pouco conhecidos da história do cinema brasileiro, mesmo que tragam elementos estilísticos, históricos e temáticos contundentes – A entrevista (Helena Solberg, 1966), Os homens que eu tive (Tereza Trautman, 1973) e Feminino Plural (Vera de Figueiredo, 1976).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Karla Holanda, Universidade Federal de Juiz de Fora

Cineasta e professora doutora do Bacharelado em Cinema e Audiovisual e do PPG em Artes, Cultura e Linguagens do Instituto de Artes e Design da Universidade Federal de Juiz de Fora.

Referências

BADINTER, Elisabeth. Um amor conquistado: o mito do amor materno. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1985.

BEAUVOIR, Simone. O segundo sexo: fatos e mitos. São Paulo: Difusão Europeia do Livro, 1970.

CATÁLOGO DO DOCUMENTÁRIO BRASILEIRO. Disponível em: documentariobrasileiro. org

Acesso em: 10 mar. 2016.

CAVALCANTE, Alcilene; HOLANDA, Karla. Feminino Plural: história, gênero e cinema no Brasil dos anos 1970. In: BRAGANÇA, Maurício de; TEDESCO, Marina (orgs). Corpos em projeção: gênero e sexualidade no cinema latino-americano. Rio de Janeiro, 7 Letras, p. 134-152, 2013.

DE LAURETIS, Teresa. A tecnologia do gênero. In: HOLLANDA, Heloisa Buarque de (org.). Tendências e impasses: o feminismo como crítica da cultura. Rio de Janeiro: Rocco, p. 206-242, 1994.

FRIEDAN, Betty. Mística feminina. Petrópolis/RJ: Vozes, 1971.

HOLANDA, Karla. Documentaristas brasileiras e as vozes feminina e masculina. In Significação – Revista de Cultura Audiovisual. São Paulo, v. 42, n. 44. p. 339-358, dez. 2015. Disponível em: http://revistas.usp.br/significacao/article/view/103434/106942

Acesso em: 10 mar. 2016.

PEREIRA, Ana Catarina dos Santos. A mulher cineasta: da arte pela arte a uma estética da diferenciação. 2014. 357 f. Tese (Doutorado em Ciências da Comunicação). Universidade da Beira Interior. Covilhã (Portugal), 2014.

SCOTT, Joan. História das mulheres. In: BURKE, Peter. A escrita da história: novas perspectivas. São Paulo: Editora da Universidade Estadual Paulista, p. 63- 95, 1992.

TAVARES, Mariana. Helena Solberg: do cinema novo ao documentário contemporâneo. São Paulo, Imprensa Oficial, 2014.

TELLES, Norma. Encantações: escritoras e imaginação literária no Brasil, século XIX. São Paulo: Intermeios, 2012.

VEIGA, Ana Maria. Cineastas brasileiras em tempos de ditadura: cruzamentos, fugas, especificidades. 2013. 397 f. Tese (Doutorado em História Cultural) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2013.

Publicado
2017-01-02
Como Citar
Holanda, K. (2017). Da história das mulheres ao cinema brasileiro de autoria feminina. Revista FAMECOS, 24(1), ID24361. https://doi.org/10.15448/1980-3729.2017.1.24361
Seção
Cinema