Para pensar a crítica de mídias

  • Gislene Silva Universidade Federal de Santa Catarina
  • Rosana de Lima Soares Universidade de São Paulo
Palavras-chave: Mídias, Crítica, Cultura

Resumo

A frágil reflexão acadêmica sobre teorias e procedimentos de crítica de mídias no Brasil demonstra um primeiro sinal de vitalidade quando observamos que, apesar de esporádicas, as publicações sobre essa problemática vêm compondo um quadro cumulativo. No universo midiático tem sido a televisão que mais provoca diferentes tipos de crítica (acadêmica, jornalística e popular-social), em especial em relação aos seus programas de ficção, com destaque para as telenovelas – raras as críticas e os estudos sobre como fazer a crítica de telejornais, programas de humor, de esporte, de auditório ou reality shows. Este estudo tem caráter introdutório, como parte de um projeto de pesquisa maior sobre critérios ou modos de crítica de mídias, inspirado na história de como tradicionalmente o fizeram a crítica de cinema e de literatura.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gislene Silva, Universidade Federal de Santa Catarina
Professora doutora no Programa de Pós-Graduação em Jornalismo e no Departamento de Jornalismo da Universidade Federal de Santa Catarina. Pós-doutorado na Universidade de São Paulo (USP). Pesquisadora do CNPq.
Rosana de Lima Soares, Universidade de São Paulo
Professora doutora no Programa de Pós-Graduação em Meios e Processos Audiovisuais e no Departamento de Jornalismo e Editoração da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo, com pós-doutorado na Unicamp. Pesquisadora do CNPq e coordenadora de MidiAto - Grupo de Estudos de Linguagem: Práticas Midiáticas

Referências

ALBUQUERQUE, A; MARCO, J. D. M. L.; SILVA, A. R. Media criticism à brasileira: o Observatório da Imprensa. IN: ENCONTRO NACIONAL DA COMPÓS, 10., Brasília, 2001. Anais... Brasília: Compós, 2001.

ALVES, Clarice Greco. Qualidade na ficção televisiva brasileira: as críticas especializada e popular. Dissertação (Mestrado em Comunicação) – Escola de Comunicação e Artes, Universidade de São Paulo. São Paulo, 2011.

BAKHTIN, Mikhail. A cultura popular na idade média e no renascimento: o contexto de François Rabelais. São Paulo: Hucitec; Brasília: UnB, 1987.

BERGER, Christa. Jornalistas na guerra do Iraque. In: MOREIRA, Sonia Virgínia; BRAGANÇA, Aníbal. (Org.). Mídia, ética e sociedade. Belo Horizonte: Minas Gerais, 2004.

BOURDIEU, Pierre. A distinção. Crítica social do julgamento. São Paulo: Edusp; Porto Alegre: Zouk, 2008.

BRAGA, José Luiz. A sociedade enfrenta sua mídia: dispositivos sociais de crítica midiática. São Paulo: Paulus, 2006.

BUCCI, Eugênio. A crítica de televisão; COELHO, Marcelo. Jornalismo e crítica. In: MARTINS, Maria Helena. Rumos da crítica. São Paulo: Senac/Itaú Cultural, 2007.

CANDIDO, Antonio. O socialismo é uma doutrina triunfante. Jornal Brasil de Fato (entrevista). São Paulo: Edição 435, jun./jul. 2011.

CAREY, James. W. Journalism and Criticism: the case of an undeveloped profession. The Review of Politics, v. 36, p. 227-249, 1974.

CHAUÍ, Marilena. Kant: vida e obra. In: Os pensadores. Kant. São Paulo: Nova Cultural, 1987.

DE CERTEAU, Michel. A invenção do cotidiano. Artes de fazer. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 1994.

EAGLETON, Terry. Teoria da literatura: uma introdução. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

FREIRE FILHO, João. Notas históricas sobre o conceito de qualidade na crítica televisual brasileira. Galáxia, v. 7, 2004.

GADINI, Sérgio Luiz. Interesses cruzados – a produção da cultura no jornalismo brasileiro. São Paulo: Paulus, 2009.

GOMES, Itania Maria Mota. Questões de método na análise do telejornalismo: premissas, conceitos, operadores de análise. e-Compós Brasília, 2007.

LEENHARDT, Jacques. Crítica de arte e cultura no mundo contemporâneo. In: MARTINS, Maria Helena. Rumos da crítica. 2. ed. São Paulo: Senac/Itaú Cultural, p. 19-28, 2007.

MACHADO, Arlindo. A televisão levada a sério [São Paulo: Senac, 2001]. In: BORGES, Gabriela; REIABAPTISTA, Vítor. Discursos e práticas de qualidade na televisão. Lisboa: Livros Horizonte/UAL-Ciac, 2008.

______. Televisão: a questão do repertório. In: BORGES, Gabriela; REIA-BAPTISTA, Vítor. Discursos e práticas de qualidade na televisão. Lisboa: Livros Horizonte/UAL-Ciac, p. 23-45, 2008.

MARCONDES FILHO, Ciro. Mediacriticism ou o dilema do espetáculo de massas. In: AIDAR PRADO, José Luiz. (Org.). Crítica das práticas midiáticas. São Paulo: Hacker, 2002. p. 14-26.

MOTTA, Luiz Gonzaga. Crítica da mídia: da resistência civil ao desenvolvimento humano; LOURES, Angela da Costa Cruz. Pequena história da crítica de mídia no Brasil. In: CHRISTOFOLETTI, Rogerio; MOTTA, Luiz Gonzaga. (Orgs.). Observatórios de mídia: olhares da cidadania. São Paulo: Paulus, 2008.

MUANIS, Felipe. O tempo morto na hipertelevisão. IN: Encontro Anual da Compós, 21., Juiz de Fora, 2012.

NUNES, Benedito. Crítica literária no Brasil, ontem e hoje. In: MARTINS, Maria Helena. Rumos da crítica. 2. ed. São Paulo: Senac/Itaú Cultural, 2007. p. 51-79.

PEREIRA JUNIOR, L. C. (Org.). A vida com a TV – o poder da televisão no cotidiano. São Paulo: Senac, 2002.

SILVA, Juremir Machado da. A morte do interlocutor: por uma crítica irônica da mídia. In: AIDAR PRADO, J. L. (Org.). Crítica das práticas midiáticas. São Paulo: Hacker, 2002.

SOARES, Rosana L.; SERELLE, Márcio. A crítica de tv no Brasil: valores e repertórios. In: InTexto, UFRGS, n. 28, p. 171-188, 2013.

Publicado
2014-01-14
Como Citar
Silva, G., & Soares, R. de L. (2014). Para pensar a crítica de mídias. Revista FAMECOS, 20(3), 820-839. https://doi.org/10.15448/1980-3729.2013.3.14644
Seção
Metodologias