Comunicação e as transformações na cultura do consumo

  • Tarcyanie Cajueiro Santos UNISO
Palavras-chave: Cultura do consumo, comunicação, subjetividade

Resumo

Este artigo faz parte da pesquisa “Comunicação, consumo e novas subjetividades: um estudo sobre as práticas mediáticas na sociedade”, financiada pela FAPESP. Nele, analisamos a sociedade da comunicação e da cultura de consumo, que se difunde nas sociedades do final do século XX e início do XXI, buscando compreender as transformações que têm ocorrido em sua esfera e o modo como incide nas subjetividades contemporâneas. Para tanto nos detemos no campo da publicidade e do marketing. Do ponto de vista do campo publicitário e dos anúncios, nota-se uma mudança de valores onde o empreendimento voltado para a “construção da marca” objetiva criar uma boa imagem da empresa. Do ponto de vista do marketing, busca-se estabelecer uma relação emocional com o consumidor, objetivando satisfações intangíveis, que produzem reações sensoriais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ADORNO, Theodor; HORKHEIMER, Max. O conceito de esclarecimento. In: Dialética do esclarecimento. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1985.

______. Indústria cultural: o esclarecimento como mistificação das massas. 1 ed. Dialética do esclarecimento. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1985.

BAITELLO JR. A era da iconofagia: ensaios de comunicação e cultura. São Paulo: Hacker Ed., 2005.

BARBOSA, Lívia. Sociedade do consumo. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2004.

BARBER, Benjamin. Cultura McWorld. In: MORAES, Denis (Org.). Por uma outra comunicação: mídia, mundialização cultural e poder. Rio de Janeiro: Record, 2003, p. 41-56.

BAUDRILLARD, Jean. Simulacros e simulação. Portugal: Relógio D’Água, 1991.

______. A sociedade de consumo. Rio de Janeiro: Elfos, 1995.

______ Para uma crítica da economia política do signo. São Paulo: Martins Fontes, 1972.

BAUMAN, Zygmunt. Globalização: as consequências humanas. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 1999.

BOURDIEU, Pierre. O mercado de bens simbólicos. In: MICELLI, Sérgio (Org.). A economia das trocas simbólicas. São Paulo: Perspectiva, 1982.

CAMPBELL, Colin. A ética romântica e o espírito do capitalismo moderno. São Paulo: Rocco, 2001.

CANCLINI, Nestor. Consumidores e cidadãos: conflitos multiculturais da globalização. Rio de Janeiro: UFRJ, 2008.

CASTELLS, Manuel. A sociedade em rede. São Paulo: Paz e Terra, 1999.

DAVIS, Melinda. A nova cultura do desejo. Rio de Janeiro: Record, 2003.

DEBORD, Guy. A sociedade do espetáculo. Rio de Janeiro: Contraponto, 1997.

DELEUZE, Gilles . Conversações, 1972-1990. Rio de Janeiro: Ed. 34, 2000.

FEATHERSTONE, Mike. Cultura do consumo e pós-modernismo. São Paulo: Studio Nobel, 1995.

FONTENELLE, Isleide. O nome da marca. São Paulo: Boitempo, Fapesp, 2002.

______. Os caçadores do cool. Lua Nova: Revista de cultura e política, São Paulo, n. 63, 2004.

______. Humanidade espetacular: emancipação ou autodestruição virtual? Revista Margem Esquerda – Ensaios marxistas, Boitempo Editorial, n 4, out. 2004a.

______. Consumo Ético: construção de um novo fazer político? Revista Psicologia Política, v. 6, p. 1-21, 2007.

GIDDENS, Anthony. Modernidade e identidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2002.

HARDT, François. A sociedade mundial de controle. In: ALLIEZ, Eric (Org.). Gilles Deleuze: uma vida filosófica. São Paulo: Ed. 34, 2000.

HARVEY, David. A condição pós-moderna. São Paulo: Loyola, 1992.

JAMESON, Fredric. Pós-modernismo: a lógica cultural do capitalismo tardio. São Paulo: Ática, 1996.

KLEIN, Naomi. Marcas globais e poder corporativo. In: MORAES, Denis (Org.). Por uma outra comunicação: mídia, mundialização cultural e poder. Rio de Janeiro: Record, 2003, p. 173-186.

LIPOVETSKY, Gilles. A era do vazio: ensaio sobre o individualismo contemporâneo. Lisboa: Relógio D’Água, 1989.

______. O hedonismo fraturado. Folha de S. Paulo, 11 jun. 2006. Caderno Mais!.

MARTIN-BARBERO, J. Dos meios às mediações. Rio de Janeiro: Ed. UFRJ, 2006.

MORIN, Edgar. Cultura de massas no século vinte. v. I e II. Rio de Janeiro: Forense-Universitária, 1977.

ORTIZ, Renato. Mundialização e cultura. São Paulo: Ed. Brasiliense, 1998.

______. A moderna tradição brasileira: cultura brasileira e indústria cultural. São Paulo: Brasiliense, 1991.

RIFKIN, Jeremy. A era do acesso. São Paulo: Makron Books, 2001.

ROCHA, Everardo. Magia e capitalismo: um estudo antropológico da publicidade. São Paulo: Brasiliense, 1990.

ROCHA, Maria Eduarda. A nova retórica do grande capital: publicidade brasileira em tempos neoliberais. 2003. Tese (Doutorado em Sociologia) - Universidade de São Paulo, São Paulo, 2003.

ROCHA, M. E. M. Publicidade e Cultura de Consumo: um estudo de recepção. In: VIII Reunião Anual da Compós, 1999, Belo Horizonte. Anais... Belo Horizonte: Compós, 1999.

SANTOS, Tarcyanie. Dos espetáculos de massa às torcidas organizadas: paixão, rito e magia no futebol. São Paulo: Annablume, 2004.

SFEZ, Lucien. Crítica da comunicação. São Paulo: Loyola, 1994.

TASCHNER, Gisela. Raízes da cultura do consumo. Revista USP – Dossiê Sociedade de Massa e Identidade, n. 32, dez./fev. 1996-97.

ZIZEK, Slavoj. A paixão na era da crença descafeinada: tolerância religiosa politicamente correta oferece certezas que não demandam comprometimento. Folha de S. Paulo, 14 mar. 2004. Caderno Mais!, p. 13-15.

Como Citar
Santos, T. C. (2012). Comunicação e as transformações na cultura do consumo. Revista FAMECOS, 19(1), 208-224. https://doi.org/10.15448/1980-3729.2012.1.11349
Seção
Consumo