O que, afinal, significa afinal?

  • Konrad Szczesniak Universidade da Silésia
Palavras-chave: Marcadores discursivos, Implicatura convencional, Desenvolvimento diacrônico, Persistência.

Resumo

O presente estudo concentra-se no desenvolvimento diacrônico, no comportamento e no sentido do marcador discursivo afinal em português. É apresentada uma discussão de dois efeitos semânticos de afinal e uma breve revisão da história de seu uso. A visão dos sentidos concessivos e justificativos convencionalizados proposta na literatura será questionada e será apresentada uma análise alternativa, segundo a qual o marcador afinal se aproveita de suas propriedades formais, preservadas através do principio de persistência, para ativar inferências de foco enfático.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Konrad Szczesniak, Universidade da Silésia

Konrad Szcześniak trabalhou na Universidade do Porto em Portugal e na Educational Testing Service, em Princeton NJ, Estados Unidos; atualmente trabalha no Instituto da Língua Inglesa da Universidade da Silésia, Polônia. Está interessado na aquisição de fala e organização da linguagem no âmbito da linguística cognitiva. Estuda a forma, uso e sentidos de construções gramaticais em inglês, polonês e português. É autor de publicações na área de linguística e vários artigos de divulgação científica (na Ciência Hoje). É co-redator do livro Awareness in Action. The Role of Consciousness in Language Acquisition (Editora Springer Verlag). É doutor em linguística pela Universidade da Silésia.

Referências

BLAKEMORE, D. Relevance and Linguistic Meaning. The semantics and pragmatics of discourse markers. Cambridge: Cambridge University Press, 2002. http://dx.doi.org/10.1017/CBO9780511486456

BRINTON, L. J. Rise of the adverbial conjunctions {any, each, every} time. In: Connectives in the History of English. Amsterdam: John Benjamins, 2007. p. 77-96. http://dx.doi.org/10.1075/cilt.283.06bri

BYBEE, J. Language, Usage and Cognition. Cambridge: Cambridge University Press, 2010. http://dx.doi.org/10.1017/CBO9780511750526

DE QUEIROZ PIACENTINI, M. T. Não Tropece na Língua: Lições e curiosidades do português brasileiro. Curitiba: Bonijuris, 2012.

EVANS, V. Language and cognition: The view from cognitive linguistics. In: Language & Bilingual Cognition. New York: Psychology Press, pp. 69-107, 2011.

HOPPER, P. J. On some principles of grammaticization. In: E. C. Traugott & B. Heine, eds. Approaches to Grammaticalization, Vol. I. Amsterdam: John Benjamins, 1991. p. 17-35. http://dx.doi.org/10.1075/tsl.19.1.04hop

LEVINSON, S. C. Pragmatics. Cambridge: Cambridge University Press, 1983.

LEWIS, D. M. Discourse markers in English: a discourse-pragmatic view. In: Approaches to Discourse Particles. Amsterdam: Elsevier, 2006. p. 43-60.

LEWIS, D. M. From temporal to contrastive and causal: The emergence of connective after all. In: Connectives as Discourse Landmarks. Amsterdam: John Benjamins, 2007. p. 89-102. http://dx.doi.org/10.1075/pbns.161.09lew

ŁYDA, A. Concessive relation in spoken discourse: A study into academic spoken English. Katowice: University of Silesia, 2007.

MACÁRIO LOPES, A. C. Afinal: elementos para uma análise semântico pragmática. Revista Linguística, jun., v. 4, n. 1, p. 1-19, 2008a.

MACÁRIO LOPES, A. C. Enfim. Estudos Linguísticos, v. 2, p. 61-76, 2008b.

MARQUES, J. Novo Diccionario das Linguas Portugueza e Franceza. Lisboa: Officina Patriarcal de Francisco Luiz Ameno, 1974.

MOURA NEVES, M. H. d. Gramática de usos do português. São Paulo: Editora UNESP, 2000.

MURPHY, L. M. Lexical Meaning. Cambridge: University Press, 2010. http://dx.doi.org/10.1017/CBO9780511780684

PENHAVEL, E. Sobre as funções dos marcadores discursivos. Estudos Lingüísticos, v. 34, p. 1296-1301, 2005.

RISSO, M. S.; SILVA, G. M. d. O. e.; URBANO, H. Marcadores discursivos: traços definidores. Em: Gramática do português falado. v. VI. Desenvolvimentos. São Paulo: Unicamp, 2002. p. 21-103.

SZCZEŚNIAK, K. Quanto significam as construções? Sentidos de formas de classes fechadas. Cadernos de Letras UFF, Anáfora e correferência: temas, teorias e métodos, v. 49, p. 309-326, 2014.

TALMY, L. Toward A Cognitive Semantics. Concept Structuring Systems. Volume I, Cambridge, MA: MIT Press, 2000.

TRAUGOTT, E. C. Pragmatic Strengthening and Grammaticalization. Proceedings of the Fourteenth Annual Meeting of the Berkeley Linguistics Society, p. 406-416, 1988.

TRAUGOTT, E. C. The Discourse Connective after all: A Historical Pragmatic Account, Paris: Paper presented at ICL, Paris, July, 1997.

VICENTE, R. B. Mudança gramatical da palavra afinal e sua gramaticalização num contraste entre variedades linguísticas: português do Brasil e de Portugal. São Paulo: Universidade de São Paulo, 2009.

Publicado
2015-07-15
Como Citar
Szczesniak, K. (2015). O que, afinal, significa afinal?. Letrônica, 8(1), 137-147. https://doi.org/10.15448/1984-4301.2015.1.19694