A presença de estudantes indígenas na educação profissional e tecnológica

Palavras-chave: Educação Profissional. Educação Indígena. Interculturalidade

Resumo

A presença de estudantes indígenas e sua cultura específica, no âmbito da rede federal de Educação Profissional, é ainda recente, considerando a expansão dos Institutos Federais de Educação Profissional, Ciência e Tecnologia e a implementação da Lei de Cotas nº 12.711, de 2012. A pesquisa desenvolvida apresenta o mapeamento das terras indígenas demarcadas e dos campi dos Institutos Federais presentes no Rio Grande do Sul, bem como o número de matrículas de estudantes indígenas em cada campus. No campus Sertão do Instituto Federal do Rio Grande do Sul, evidenciou-se a presença significativa de estudantes indígenas. A metodologia da pesquisa baseou-se em entrevistas etnográficas junto a gestores, técnicos administrativos, professores e estudantes indígenas kaingang. Foram identificadas implicações da presença kaingang nos processos burocráticos e pedagógicos da instituição.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Simone Valdete Dos Santos, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil.

Doutora em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul e Professora Associada IV da Faculdade de Educação e do Pós-Graduação da mesma Universidade (UFRGS).

Juliana da Cruz Mülling, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul, Canoas, RS, Brasil.

Mestre em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Professora do Ensino Básico, Técnico e Tecnológico do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul (IFRS/Campus Canoas).

Referências

ARIAS, P. G. Corazonar el sentido de las epistemologías dominantes desde las sabidurías insurgentes: para construir sentidos otros de la existencia (Primera Parte). Calle14: Revista de Investigación en el Campo del Arte, Bogotá, v. 4,n. 5, p. 80-94, 2010. https://doi.org/10.17163/soph.n8.2010.05

BERGAMASCHI, M. A. Educação escolar indígena: um modo próprio de recriar a escola nas aldeias Guarani.Cadernos CEDES, Campinas, v. 27n. 72, p. 197-213, 2007a.

https://doi.org/10.1590/S0101-32622007000200006.

BERGAMASCHI, M. A. Nhembo’e: enquanto o encanto permanece! Processos e práticas de escolarização nas aldeias Guarani. 2005. Tese =(Doutorado em Educação) –Programa de Pós-Graduação em educação, Faculdade de Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2005. https://doi.org/10.14507/epaa.v20n34.

BERGAMASCHI, M. A. Processos e práticas educativas dos povos ameríndios no Brasil: um olhar a partir de pesquisas contemporâneas. Arquivos Analíticos de Políticas Educativas, [s. l.], v. 20, n. 34, p. 1-28, 2012. https://doi.org/10.14507/epaa.v20n34.2012.

BERGAMASCHI, M. A.; SILVA, R. H. D. Das escolas para índios às escolas indígenas. Ágora, Santa Cruz do Sul, v. 13, n. 1, p. 124-150, 2007.

BOGDAN, R.; BIKLEN, S. K. Investigação qualitativa em educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Porto:Porto, 1994.

BRASIL. Lei nº 11.892, de 29 de dezembro de 2008. Institui a Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica, cria os Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia. Diário Oficial da União, Brasília, 30 dez. 2008. https://doi.org/10.18225/sispub.2019.7.

BRASIL. Lei nº 12.711, de 29 de agosto de 2012. Lei de Cotas. Dispõe sobre o ingresso nas universidades federais e nas instituições federais de ensino técnico de nível médio e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 30 ago. 2012a. https://doi.org/10.18316/22389024.15.4.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação.Parecer nº 11, de 9 de maio de 2012. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Profissional Técnica de Nível Médio. Brasília: MEC, 2012b. https://doi.org/10.11606/d.91.2017.tde-05012017-143040.

BRINGMANN, S. F. Entre os índios do Sul: uma análise da atuação indigenista do SPI e de suas propostas de desenvolvimento educacional e agropecuário nos postos indígenas Nonoai/RS e Xapecó/SC (1941-1967). 2015. Tese (Doutorado em História) – Programa de Pós-Graduação em História, Departamento de História, Centro de Filosofia

e Ciências Humanas, Universidade Federal de Santa

Catarina, Florianópolis, 2015. https://doi.org/10.24873/j.rpemd.2017.11.026.

DOEBBER, M. Indígenas estudantes nas graduações da UFRGS: movimentos de re-existência. 2017. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Faculdade de Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2017.

Publicado
2019-12-31
Como Citar
Dos Santos, S. V., & Mülling, J. da C. (2019). A presença de estudantes indígenas na educação profissional e tecnológica. Educação, 42(3), 475-485. https://doi.org/10.15448/1981-2582.2019.3.33245
Seção
Dossiê - ALFAEEJA