O dever de resistir: sobre escolas, professores e sociedade

Palavras-chave: Educação. Resistência. Qualificação. Socialização. Subjetivação.

Resumo

Nas sociedades contemporâneas existem muitas expectativas sobre o que as escolas devem fazer. Estas incluem a instrumentalização de crianças e jovens para o mundo do trabalho, a sua transformação em cidadãos democráticos ou a criação de uma sociedade coesa e inclusiva. O que une essas expectativas é que elas se aproximam da escola como uma espécie de instrumento para resolver problemas da sociedade. A escola é tratada como tendo uma função para a sociedade e, portanto, como uma instituição que deve ser funcional e útil para ela. O perigo dessa maneira de pensar é que outras questões – como o que a escola deve cuidar ou proteger – desaparecem facilmente do campo de visão. Neste artigo, explora-se como se pode responder à pergunta sobre qual é a “tarefa” especial e exclusiva da escola, argumentando que esta não deve ser vista apenas como tendo uma função para a sociedade, mas também como tendo um dever importante de resistir às demandas que a sociedade deseja que sejam atendidas.

**************************************************************

**** Bruno Antonio Picoli (tradutor)

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gert Biesta, Brunel University London
Professor de Educação no Departamento de Educação da Brunel University London. E-mail: [email protected]
Bruno Antonio Picoli, Universidade Federal da Fronteira Sul

Professor da Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS), campus Chapecó; doutorando em Educação pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS). E-mail: [email protected]

Referências

BIESTA, G. J. J. Beyond learning: Democratic education for a human future. Boulder: Paradigm Publishers, 2006.

BIESTA, G. J. J. Good education in an age of measurement: ethics, politics, democracy. Boulder: Paradigm Publishers, 2010.

BIESTA, G. J. J. Interrupting the politics of learning. Power and Education, v. 5, n. 1, p. 4-15, 2013.

BIESTA. G. J. J. The beautiful risk of education. Boulder: Paradigm Publishers, 2014.

BIESTA, G. J. J. Hva er en pedagogisk oppgave? Om det å gjøre voksen eksistens mulig. In: BRUNSTAD, P. O.; REINDAL, S. M.; SÆVEROT. H. (Red.), Eksistens og pedagogikk: en samtale om pedagogikkens oppgave. Oslo: Universitetsforlaget, 2015a. p.194-209.

BIESTA, G. J. J. Wereld-gericht onderwijs: Vorming tot volwassenheid. De Nieuwe Meso, v. 2, n. 3, p. 54-61, 2015b.

BIESTA, G. J. J. Freeing teaching from learning: opening up existential possibilities in educational relationships. Studies in Philosophy and Education, v. 34, n. 3, p. 229-243, 2015c.

LEVINAS, E. Totality and infinity: an essay on exteriority. Pittsburgh; The Hague: Duquesne University Press; Martinus Nijhoff, 1969.

MASSCHELEIN, J. & SIMONS, M. Apologie van de school. Leuven: Acco, 2012.

MEIRIEU, P. Pédagogie: le devoir de résister. Issy-les- Moulineaux: ESF éditeur, 2007.

MOLLENHAUER, K. Vergessene Zusammenhänge: Ueber Kultur und Erziehung. München: Juventa. 1983.

OELKERS, J. Reformpädagogik. Eine kritische Dogmengeschichte. 4 ed. München: Juventa, 2005.

SIDORKIN, A. Learning relations: impure education, deschooled schools, and dialogue with evil. New York: Peter Lang, 2002.

SPIVAK, G. C. Righting the wrongs. South Atlantic Quarterly, v. 103, n. 2-3, 523-581, 2004.

Publicado
2018-05-29
Como Citar
Biesta, G., & Picoli, B. A. (2018). O dever de resistir: sobre escolas, professores e sociedade. Educação, 41(1), 21-29. https://doi.org/10.15448/1981-2582.2018.1.29749
Seção
Dossiê: A construção de profissionalidade: a pessoa em formação