Subjetividade na e pela linguagem: a construção da identidade docente

Palavras-chave: Educação, Subjetividade, Constituição da identidade docente.

Resumo

Este artigo tem por objetivo abordar a construção da identidade docente pelo viés da subjetividade na linguagem. Para isso, inicialmente é apresentado o aporte teórico que fundamenta essa proposta, os estudos benvenistianos, seguidos de uma breve incursão pela filosofia buberiana, assim como pelo olhar de alguns estudiosos da Educação, quanto a como o docente se vê e se constrói como professor, demonstrando, ainda, algumas das influências externas (culturais, sociais etc.) que interferem nesse processo de constituição docente. Por fim, é feita uma análise de alguns discursos de professores que falam sobre como se veem como docentes, bem como veem o profissional de maneira geral, a fim de ser demonstrado de que forma se marcam na e pela linguagem e como por ela manifestam a subjetividade no processo de construção de sua identidade docente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carina Maria Melchiors Niederauer, Universidade de Caxias do Sul
Doutora em Letras (2015), Mestre em Letras, Cultura e Regionalidade (2007), graduada em Letras- Licenciatura em Língua e Literatura Portuguesa (2005), graduada em Letras - Secretário Executivo pela Universidade de Caxias do Sul (1987). Professora do corpo colaborador do Mestrado Acadêmico em Letras e Cultura e professora do Curso de Letras-Licenciatura,da UCS. Está realizando estágio de pós-doutoramento junto ao Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade de Caxias do Sul. Tem experiência na área de Linguística, com ênfase em Linguística Aplicada, atuando principalmente nas seguintes áreas: Linguística Aplicada ao Ensino, Semântica Argumentativa,estudos Saussurianos.
Tânia Maris Azevedo, Universidade de Caxias do Sul
Possui graduação em Letras pela Universidade de Caxias do Sul (1988), mestrado em Letras - Linguística Aplicada, pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (1995) e doutorado em Letras - Linguística Aplicada, pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (2003). Desenvolveu estágio de pós-doutoramento em Educação, na Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, por meio de uma pesquisa interdisciplinar intitulada Por uma aprendizagem significativa da língua materna: o ensino fundamentado em Ausubel e Saussure. É professora do corpo permanente do Programa de Pós-Graduação em Educação e do Programa de Doutorado em Letras, da Universidade de Caxias do Sul. Suas áreas de atuação em pesquisa são, principalmente, semântica argumentativa, discurso, enunciação, leitura e produção escrita, transposição didática e ensino de língua. Atua, também, como consultora nos seguintes temas: proposta pedagógica, competências e habilidades, formação de conceitos, problematização, planejamento e avaliação educacional e ensino de língua.

Referências

BENVENISTE, É. Problemas de lingüística geral I. 5. ed. Campinas: Pontes, 2005.

______. Problemas de lingüística geral II. 2. ed. Campinas: Pontes, 2006.

BUBER, M. Eu e tu. São Paulo: Moraes, 1979.

CARRARA, O. V. A relação em Martin Buber. Mimesis, v. 23, n. 1, p. 81-98, 2002.

CASTAMAN, A. S.; VIEIRA, A. M. D. P.; OLIVEIRA, D. A constituição da profissão docente: um estudo com professores da educação profissional. Revista Diálogo Educacional, Curitiba, v. 16, n. 50, p. 1009-1028, out./dez. 2016.

CAVACO, Maria Helena. Ofício de professor: o tempo e as mudanças. Profissão professor. Porto, Portugal: Porto Editora, 1995.

ENTREVISTA com um professor de idiomas online. Blazaar. Disponível em:

https://www.blazaar.com/blog/entrevistacom-um-professor-idiomas-online/. Acesso em: 24 ago. 2017.

FLORES, V. et al. (Org.). Dicionário de linguística da enunciação. São Paulo: Contexto, 2009.

______. Introdução à teoria enunciativa de Benveniste. São Paulo: Parábola, 2013.

NÓVOA, António (Org.). Profissão professor. Porto, Portugal: Porto Editora, 1995.

SACRISTÁN, J. G. Consciência e acção sobre a prática como libertação profissional dos professores. In: NÓVOA, António (Org.). Profissão professor. Porto, Portugal: Porto Editora, 1995.

VEIGA, I. P. A. Docência como atividade profissional. In:VEIGA, I. P. A.; D’AVILA, C. (Orgs.). Profissão docente: novos sentidos, novas perspectivas. Campinas, SP: Papirus, 2010.

Publicado
2018-12-30
Como Citar
Niederauer, C. M. M., & Azevedo, T. M. (2018). Subjetividade na e pela linguagem: a construção da identidade docente. Educação, 41(3), 463-470. https://doi.org/10.15448/1981-2582.2018.3.29726