As cotas étnico-raciais nas universidades federais brasileiras e o imperativo da inclusão

  • Mozart Linhares da Silva Universidade de Santa Cruz do Sul (UNISC)
  • Marisa Fernanda da Silva Bueno Universidade de Santa Cruz do Sul (UNISC)
Palavras-chave: Cotas étnico-raciais, Educação, Neoliberalismo, Dispositivo de segurança.

Resumo

Analisa-se neste artigo o programa de cotas étnico-raciais nas universidades federais brasileiras como um dispositivo de in/exclusão, a partir das teorizações de Michel Foucault sobre a governamentalidade neoliberal e sobre os dispositivos de segurança. A proposta é problematizar o sistema de reserva de vagas nas universidades brasileiras, considerando o imperativo da inclusão como estratégia neoliberal de gestão da liberdade e de controle social. Na contemporaneidade, a gestão dos desejos da população, de sua capacidade de optar livremente e de requerer a sua participação nos jogos do mercado é considerada, neste caso, efeito dos dispositivos de segurança, o que aponta para a maneira como a governamentalidade neoliberal atua nos processos de subjetivação. É nesse sentido que a inclusão se torna a tônica dos preceitos sociais atuais e se traduz no discurso de que todos devem estar incluídos e podem lançar mão das possibilidades ofertadas pelo Estado. No entanto, a inclusão não garante a participação igualitária de todos e, por isso, não é necessariamente o oposto da exclusão, mas compõe a dinâmica da inclusão exclusiva.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mozart Linhares da Silva, Universidade de Santa Cruz do Sul (UNISC)

Doutor em História pela PUCRS, com extensão na Universidade de Coimbra, Pós-doutor em Educação pela UFRGS, Professor do Programa de Pós-graduação em Educação (mestrado e doutorado) e do Departamento de História e Geografia da UNISC.

Marisa Fernanda da Silva Bueno, Universidade de Santa Cruz do Sul (UNISC)

Doutorado em andamento em Educação (UNISC), bolsista PROSUP/CAPES, Mestrado em Educação (UNISC), Mestrado em Ciências Criminais (PUCRS).

Referências

AGRA, Walber de Moura. Manual de Direito Constitucional. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2002.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal, 1988. Disponível em:

www.planalto.gov.br. Acesso em: 3 out. 2016.

______. Lei n. 10.639, de 9 de janeiro de 2003. Disponível em:

https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2003/L10.639.htm. Acesso em: 2 dez. 2016.

______. Lei n. 12.711, de 29 de agosto de 2012a. Disponível em:

http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/Lei/L12711.htm. Acesso em: 2 dez. 2016.

______. Inteiro Teor do Acórdão. Brasília, DF: Supremo Tribunal Federal, 2012b. Disponível em:

http://www.stf.jus.br/portal/processo/verProcessoAndamento.asp?incidente=2691269. Acesso em: 2 dez. 2016.

BUENO, Marisa Fernanda da Silva. A construção do pensamento político-educacional sobre o programa de cotas étnico-raciais nas universidades federais brasileiras. 2015. 100 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Unisc, Santa Cruz do Sul, 2015.

DUARTE, André. Foucault e as novas figuras da biopolítica: o fascismo contemporâneo. In: RAGO, M.; VEIGA NETO, A. (Orgs.). Para uma vida não-fascista. Belo Horizonte: Autêntica, 2009.

FOUCAULT, Michel. Em defesa da sociedade. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

______. Nascimento da biopolítica: curso dado no Collège de France (1978-1979). São Paulo: Martins Fontes, 2008b.

______. Segurança, território, população: curso dado no Collège de France (1977-1978). São Paulo: Martins Fontes, 2008a.

______. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Petrópolis: Vozes, 2002.

FUX, Luiz. Voto. In: BRASIL. Inteiro Teor do Acórdão. Brasília, DF: Supremo Tribunal Federal, 2012. Disponível em:

http://www.stf.jus.br/portal/processo/verProcessoAndamento.asp?incidente=2691269. Acesso em: 2 dez. 2016.

GOMES, Joaquim Barbosa. O debate constitucional sobre as ações afirmativas. In: LOBATO, F.; SANTOS, R. E. (Orgs.).Ações afirmativas: políticas públicas contra as desigualdades raciais. Rio de Janeiro: DPA, 2003.

______. Ação afirmativa e o princípio constitucional da igualdade: o direito como instrumento de transformação social – A experiência dos EUA. Rio de Janeiro: Renova, 2001.

GRAU, Eros Roberto. Ensaio e discurso sobre a interpretação/aplicação do direito. São Paulo: Malheiros, 2005.

IKAWA, Daniela. Ações afirmativas em universidades. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2008.

LOPES, Maura Corcini. Políticas de inclusão e governamentalidade. Porto Alegre: Educação e Realidade, 2009.

MACHADO, F. C.; MENEZES, E. C. P. de; TURCHIELLO, P. Cidadania e democracia: estratégias da governamentalidade neoliberal para a produção de práticas (de si) inclusivas. In: 35ª REUNIÃO ANUAL DA ANPED, 2012, GT15. Disponível em:

http://35reuniao.anped.org.br/trabalhos/121-gt15. Acesso em: 25 jun. 2015.

MACHADO, Roberto. Por uma genealogia do poder. In: FOUCAULT, Michel. A microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal, 2005.

ROCHA, Cármen Lúcia Antunes. Ação afirmativa: o conteúdo democrático do princípio da igualdade jurídica. Revista de Informação Legislativa, Brasília, n. 33, p. 283-295, jul./set. 1996.

SILVA, José Afonso da. Curso de Direito Constitucional Positivo. São Paulo: Malheiros, 1996.

SIQUEIRA, Carolina de Freitas Corrêa. Narrativa histórica, cultura afro-brasileira e governamento biopolítico. 2015. 86 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Unisc, Santa Cruz do Sul, 2015.

SILVA, Mozart Linhares. Michel Foucault e a genealogia da exclusão/inclusão: o caso da prisão na modernidade. Revista de Estudos Criminais, Porto Alegre, Notadez, n. 33, n. 17, ano V, p. 39-61, jan./mar. 2005.

TERRA, Rosane Beatris Mariano da Rocha Barcellos. Políticas públicas de acesso ao ensino superior (lei das cotas) e autonomia universitária: uma (re)leitura constitucional. 2014. 314 f. Tese (Doutorado em Direito) – Unisc, Santa Cruz do Sul, 2014.

VEIGA-NETO, Alfredo. Incluir para excluir. In: LARROSA, J.; SKLIAR, C. (Orgs.). Habitantes de Babel: políticas e poéticas da diferença. Belo Horizonte: Autêntica, 2011.

______; LOPES, M. C. Inclusão e governamentalidade. Educação e sociedade, Campinas: Cedes, v. 29, n. 100, p. 947-964, out. 2007.

______. Inclusão, exclusão, in/exclusão. Revista Verve, São Paulo, v. 20, p. 121-135, 2011.

VILAS BOAS, Crisoston Terto. Para ler Michel Foucault. Edição eletrônica: Imprensa Universitária da Ufop, 2002.

Publicado
2018-12-30
Como Citar
Silva, M. L. da, & Bueno, M. F. da S. (2018). As cotas étnico-raciais nas universidades federais brasileiras e o imperativo da inclusão. Educação, 41(3), 418-426. https://doi.org/10.15448/1981-2582.2018.3.26091