A literatura infantil entre a experiência estética e a educação moral

Palavras-chave: Literatura infantil, Experiência, Sujeito moral, Tecnologias do eu.

Resumo

O presente artigo tem por finalidade propor uma problematização acerca da dimensão moral abordada pela literatura infantil na educação escolar, entrecruzada com a formação do leitor, enquanto sujeito no ato pedagógico. Interroga-se aqui a intensificação da moral nas práticas educativas em que a literatura infantil perde sua potência ética-estética para alinhar-se com uma proposição de doutrina moral. Por meio de uma pesquisa teórico-bibliográfica, de cunho filosófico, a argumentação é estruturada pela perspectiva de Walter Benjamin – pela referência ao conceito de experiência – e Michel Foucault – no que tange à compreensão de moral como contraponto à ética e à conjugação com a noção de tecnologias do eu, bem como a apropriação de Jorge Larrosa do mesmo conceito.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gomercindo Ghiggi, Universidade Federal de Pelotas.
Doutor em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Professor Titular do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de Pelotas.
Priscila Monteiro Chaves, Universidade do Oeste de Santa Catarina
Doutora em Educação pela Universidade Federal de Pelotas. Licenciada em Letras Português-Francês pela mesma Universidade. Professora do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade do Oeste de Santa Catarina.
Daniela da Cruz Schneider, Universidade Federal do Tocantins
Doutoranda em Educação na Universidade Federal de Pelotas. Mestra em Educação e Licenciada em Artes Visuais pela mesma Universidade. Professora Assistente da Universidade Federal do Tocantins.

Referências

ADORNO, Theodor. Notas de literatura I. São Paulo: Editora 34, 2003. (Coleção Espírito Crítico).

ARENDT, Hannah. A condição humana. Rio de Janeiro, Forense Universitária, 1997.

______. Entre o passado e o futuro. 6. ed. Tradução: Mauro W. Barbosa. São Paulo: Perspectiva, 2007.

BENJAMIN, Walter. Passagens. Belo Horizonte: Editora UFMG, São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2009.

______. Reflexões sobre a criança, o brinquedo e a educação. São Paulo: Editora 34, 2002.

______. Rua de mão única. In: ______. Obras escolhidas. II: Rua de mão única. São Paulo: Brasiliense, 2000a.

______. Infância em Berlim por volta de 1900. In: ______. Obras escolhidas. II: Rua de mão única. São Paulo: Brasiliense, 2000b.

BRASIL. Ministério da Educação/Ministério da Cultura. Plano Nacional do Livro e Leitura (PNLL). Brasília, 2007.

CUNHA, Maria Antonieta Antunes. Acesso à leitura no Brasil. In: AMORIM, Galeano (Org.). Retratos da leitura no Brasil. São Paulo: Imprensa Oficial, 2008.

FOUCAULT, Michel. Hermenêutica do sujeito. São Paulo: Martins Fontes, 2010.

______. Tecnologías del yo. Buenos Aires: Paidós, 1990.

______. História da sexualidade 2: o uso dos prazeres. Rio de Janeiro: Graal, 1984.

GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

HEGEL, G. W. F. Fenomenologia do espírito. 3. ed. Petrópolis: Vozes, 2005.

LAJOLO, Marisa. Literatura: leitores e leitura. São Paulo: Moderna, 2001.

LARROSA, Jorge. Tecnologias do eu e Educação. In: SILVA, Tomaz Tadeu (Org.). O sujeito da Educação: estudos foucaultianos. Petrópolis, RJ: Vozes, 2010.

______. A construção pedagógica do sujeito moral. In: SILVA, Tomaz Tadeu (Org.). Pedagogias reguladas: a pedagogia construtivista e outras formas de governo do eu. Petrópolis, RJ: Vozes, 1998.

MACHADO, Ana Maria. Como e por que ler os clássicos desde cedo. Rio de Janeiro: Objetiva, 2002.

NIETZSCHE, Friedrich. O crepúsculo dos ídolos. In: ______. Obras incompletas. São Paulo: Editora 34, 2014.

PALO, Maria José; OLIVEIRA, Maria Rosa D. Literatura infantil: voz de criança. 4. ed. São Paulo, Ática, 2006.

RAMOS, Adriana de Melo; CAMPOS, Soraia Souza; FREITAS, Lisandra Cristina Gonçalves. Uma análise sobre estudos que relacionam a literatura infantil e a oralidade na perspectiva construtivista piagetiana. Nuances: estudos sobre Educação, ano XVIII, v. 23, n. 24, p. 142-161, set./dez. 2012.

SEVERINO, Antônio Joaquim. Metodologia do trabalho científico. São Paulo: Cortez, 2002.

TODOROV, Tzvetan. Les abus de la mémoire. Paris, Arléa, 2004.

Publicado
2018-12-30
Como Citar
Ghiggi, G., Chaves, P. M., & Schneider, D. da C. (2018). A literatura infantil entre a experiência estética e a educação moral. Educação, 41(3), 437-445. https://doi.org/10.15448/1981-2582.2018.3.26054