Comunidade escolar de Mato Grosso do Sul: refletindo sobre o trabalho de docentes do gênero masculino

  • Josiane Peres Gonçalves Universidade Federal de Mato Grosso do Sul Campus do Pantanal
  • Edicleia Lima de Oliveira Universidade Federal de Mato Grosso do Sul
Palavras-chave: Gênero. Docência. Educação infantil. Ensino fundamental.

Resumo

O presente estudo tem por objetivo identificar as representações sociais de professores homens, gestores escolares e familiares de alunos de educação infantil e anos iniciais do ensino fundamental do município de Corumbá (MS), em relação ao trabalho desenvolvido por docentes do gênero masculino com crianças. A metodologia consiste na gravação de entrevistas semiestruturadas, posteriormente transcritas, sistematizadas e analisadas. Participaram do estudo dez pessoas, sendo cinco da educação infantil e cinco dos anos iniciais do ensino fundamental. Os resultados revelam que nos dois níveis de ensino averiguados não há grandes problemas relacionados ao trabalho desenvolvido pelos professores homens em Corumbá. Entretanto, o medo do que a família vai pensar e as representações sociais de que a mulher é a pessoa mais adequada para cuidar e educar as crianças na escola exercem influências para que exista um número cada vez menor de docentes do gênero masculino trabalhando nas duas primeiras etapas da educação básica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Josiane Peres Gonçalves, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul Campus do Pantanal

Doutora em Educação pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS). Professora do Programa de Pós-graduação em Educação pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul Campus do Pantanal (UFMS/CPAN) e do Programa de Pós-Graduação em Educação pelo Centro de Ciências Humanas e Sociais (UFMS/CCHS). Líder do Grupo de Estudo e Pesquisa em Desenvolvimento, Gênero e Educação (GEPDGE).

Edicleia Lima de Oliveira, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul
Bolsista de Iniciação Científica CNPq. Graduanda do Curso de Pedagogia da UFMS.

Referências

ARCE. A. Documentação oficial e o mito da educadora nata na educação infantil. Cadernos de Pesquisa, n. 113, p. 167-184, jul. 2001.

BONI, V.; QUARESMA, S. J. Aprendendo a entrevistar: como fazer entrevistas em Ciências Sociais. Revista Eletrônica dos Pós-Graduandos em Sociologia Política da UFSC, v. 2, n. 1, p. 68-80, jan./jul. 2005.

COELHO, S. M. P. F.; CARLOTO, C. M. Violência doméstica, homens e masculinidades. Textos & Contextos, Porto Alegre, v. 6, n. 2, p. 395-409, jul./dez. 2007.

CONGRO, C. R. Análise do perfil e da satisfação dos turistas da cidade de Corumbá (MS) visando à adequação dos empreendimentos turísticos da região. Dissertação (Mestrado em Turismo e Hotelaria) – Universidade do Vale do Itajaí, Balneário Camboriú, 2005.

CONNELL, R. W. Masculinities. Berkeley: University of California Press, 1995.

FARIA, Adriana Horta de; GONÇALVES, Josiane Peres. Famílias, reações de gênero e representações sociais. Psicopedagogia [On-line], 2015. Disponível em: <http://www.psicopedagogia.com.br/new1_artigo.asp?entrID=1850#.V1V5pDUrLIX>. Acesso em: 20 maio 2016.

FONSECA, T. S. M. Quem é o professor homem dos anos iniciais? Discursos, representações e relações de gênero. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal de Juiz de Fora, 2011.

GONÇALVES, J. P.; CAPRISCO, Z. R. N.; FERREIRA, V. C. M. Professores homens na educação infantil: aceitação e receio dos familiares que vivenciam essa experiência. Pesquisa em Foco, São Luís, v. 20, n. 2, p. 136-154, 2015.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e estatística. Mato Grosso do Sul – Corumbá. Disponível em: <http://cod.ibge.gov.br/fdm>. Acesso em: 27 jan. 2016.

JARDIM, S. R. M. Gênero e educação: abordagens e concepções em dissertações de mestrado no Estado de São Paulo. 122 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Centro de Educação e Ciências Humanas da Universidade Federal de São Carlos – UFScar, São Carlos, 2003.

KOEHLER, S. M. F. Violência psicológica: um estudo do fenômeno na relação professor-aluno. Anais do Congresso La Nueva Alfabetización: un reto para la educación del siglo XXI. Madrid, 2003.

KULESZA, W. A. A sedução da professora. Anais do IX Simpósio Internacional Processo Civilizador Tecnologia e Civilização. Ponta Grossa, Paraná, Brasil, 2005.

LOURO, G. L. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista, 10. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 1999.

MOSCOVICI, S. A social psychological analysis. London: Academic Press, 1973.

OLIVEIRA, F. O; WERBA, G. C. Representações sociais. In: OLIVEIRA, F. (org.). Psicologia social contemporânea. Petrópolis, RJ: Vozes, 2003. p. 104-117.

PINCINATO, D. A. V. História do magistério: experiências masculinas na carreira administrativa no Estado de São Paulo (1950-1980). In: Reuni ão da Associaç ão Nacional de Pós-Graduaç ão e Pesquisa em Educaç ão, 27., 2004, Caxambu. Anais eletrônicos. Rio de Janeiro: Anped, 2004.

RABELO, Amanda Oliveira O. Professores discriminados: um estudo sobre os docentes do sexo masculino nas séries do ensino fundamental. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 39, n. 4, p. 907-925, out./dez. 2013.

RAMOS, J. Um estudo sobre os professores homens da educação infantil e as relações de gênero na rede municipal de Belo Horizonte-MG. 139 f., 2011. Tese (Doutorado em Educação) – Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, PUC/MG. Disponível em: . Acesso em: 15 abr. 2016.

ROCHA, C. M. Homens podem ensinar crianças pequenas? A experiência masculina de ensino nas etapas iniciais da educação básica. Anais do VI Congresso Paulista de Educação Infantil – Copedi, São Paulo, Faculdade de Educação, USP, 2012.

SANTOS, W. T. M. Modelos de masculinidade na percepção de jovens homens de baixa renda. Barbarói, Santa Cruz do Sul, n. 27, p. 130-157, jul./dez. 2007.

SÁ, C. P. Representações sociais: o conceito e o estado atual da teoria. In: SPINK, M. J. (Org.). O conhecimento no cotidiano. São Paulo: Brasiliense, 1995. p. 19-45.

SCOTT, J. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação e Realidade, Porto Alegre, v. 2, n. 20, p. 71-99, jul./dez. 1998.

TRINDADE, Z, N. Masculinidades, prática educativa e risco social. Simpósio Nacional de Psicologia Social e do Desenvolvimento. Anais do X Encontro Nacional Procad- Psicologia/Capes: Violência e Desenvolvimento Humano, 2005. p. 123-127.

VIANNA, C.; FINCO, D. Meninos e meninas na educação infantil: uma questão de gênero e poder. Cadernos Pagu, n. 33, p. 265-283, jul./dez. 2009.

ZANTEN, A. V. Pesquisa qualitativa em educação: pertinência, validez e generalização. Perspectiva, Florianópolis, v. 22, n. 1, p. 25-45, jan./jun. 2004.

Publicado
2017-08-30
Como Citar
Gonçalves, J. P., & Oliveira, E. L. de. (2017). Comunidade escolar de Mato Grosso do Sul: refletindo sobre o trabalho de docentes do gênero masculino. Educação, 40(2), 275-285. https://doi.org/10.15448/1981-2582.2017.2.24393
Seção
Dossiê: Regulação da Ética na Pesquisa