Responsabilização ameaçada: sobre falar “bobagem” em educação

  • Thomas Kesselring Universidade de Berna
Palavras-chave: – Ética. Educação. Ensino superior. Marketing. Bullshit.

Resumo

Em seu livro On Bullshit, Harry Frankfurt constata uma trivialização crescente tanto na comunicação humana quanto na produção de textos. À primeira vista, Bullshit (falar bobagem) parece ser uma expressão semelhante à mentira. No entanto, o mentiroso mantém a distinção entre o verdadeiro e o falso, enquanto o Bullshiter faz pouco caso desta distinção. Desse modo, o Bullshit se aproxima do blefe. Qual é a causa do aumento da produção de Bullshit? Frankfurt sugere que isso se deve ao achatamento do discurso político. Mas como podemos explicar esse fenômeno? Mesmo com o elevado nível de sua análise, Frankfurt esquece de mencionar uma característica da atual sociedade de mercado, ou seja, o papel cada vez mais importante do marketing. Quando a cultura da concorrência e do marketing começou a fazer parte da educação superior, práticas que originariamente nada têm a ver com a educação, como a jactância, o engano, ranking e benchmarking passaram a pervadir e perverter também o ensino superior. Este artigo descreve e analisa as excrescências esquisitas desse processo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Thomas Kesselring, Universidade de Berna
Filósofo suíço, formado na Alemanha. Ensina ética, ecologia e multiculturalidade na Escola Superior de Pedagogia de Berna (Suíça) e filosofia na Universidade de Berna. É professor convidado da Universidade de Caxias do Sul (UCS) e da Universidade Pedagógica em Maputo (Moçambique). Obras principais: Entwicklung und Widerspruch (Frankfurt, 1981), DieProduktivität der Antinomie (Frankfurt, 1984), [[Jean Piaget (Munique, 1999)]], Ethik der Entwicklungspolitik (Munique, 2003), traduzido para o português: Ética, política e desenvolvimento humano (Caxias do Sul: Educs 2007), eHandbuch Ethik für Pädagogen [Manual de ética para pedagogos] (Darmstadt:Wissenschaftliche Buchgesellschaft, no prelo).

Referências

BINSWANGER, Mathias. Sinnlose Wettbewerbe. Warum wir immer mehr Unsinn produzieren. [Competições sem sentido. Sobre os motivos de produzir cada vez mais bobagem.] Freiburg: Herder, 2010.

FRANKFURT, Harry. Sobre falar merda. Tradução Ricardo Gomes Quintana. Rio de Janeiro: Intrínseca, 2005. [Original: On Bullshit. Princeton, Princeton Univ. Press 2005;outra tradução portuguesa: FRANKFURT, Harry: Da treta. Trad. de Piedade Pires. Viana do Castelo: Livros de Areia, 2010.]

KANT, Immanuel. Beantwortung der Frage: Was ist Aufklärung? (1783). Frankfurt am Main: Suhrkamp, 1978, Band 11, p. 53-61. [Trad. br.: Resposta à pergunta: que é o esclarecimento? In: Textos seletos. Petrópolis: Vozes, 1974).

NIETZSCHE, Friedrich. Sobre verdade e mentira no sentido extra-moral (1873). São Paulo: Abril Cultural, 1974.

SCHIRRMACHER, Frank. Payback. Warum wir im Informationszeitalter gezwungen sind zu tun, was wir nicht tun wollen, und wie wir die Kontrolle über unser Denken zurückgewinnen. [Reembolso. Por que na era da informação nós somos forçados a fazer o que não queremos fazer, e como podemos recuperar o controle sobre o nosso pensamento]. München: Karl Blessing Verlag, 2009.

SCHIRRMACHER, Frank. Ego. Das Spiel des Lebens. [Ego. O jogo da vida]. München: Karl Blessing Verlag, 2013.

WEX, Peter. Das leere Versprechen der Kompetenzenprüfung. Frankfurt am Main: FAZ, 3.10.2012, Feuilleton, p. 1.

Publicado
2014-12-15
Como Citar
Kesselring, T. (2014). Responsabilização ameaçada: sobre falar “bobagem” em educação. Educação, 37(3), 435-440. https://doi.org/10.15448/1981-2582.2014.3.18387