Educação e pobreza: teoria da justiça como equidade e a política do reconhecimento

  • Jean Carvalho Costa Universidade Federal da Paraíba/Centro de Educação
  • Swamy Paula Soares Universidade Federal da Paraíba/Centro de Educação
Palavras-chave: Justiça como equidade. Reconhecimento. Pobreza.

Resumo

O objetivo deste artigo é discutir as contribuições teóricas para o debate sobre as categorias educação e pobreza. Isso é realizado a partir da ênfase colocada na teoria da justiça como equidade, formulada por John Rawls, e a teoria do reconhecimento, essa última sistematizada por Charles Taylor e, em particular, desenvolvida pelo filósofo alemão Axel Honneth. A ideia central do texto é apresentar as principais contribuições dessas duas importantes perspectivas de análise, os seus possíveis embates, convergências e limites para a discussão sobre escolarização de pessoas pobres.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jean Carvalho Costa, Universidade Federal da Paraíba/Centro de Educação
Departamento de Fundamenação da Educação - Centro de Edcução - Área - Sociologia

Referências

ARAÚJO, Cícero. Legitimidade, justiça e democracia: o novo contratualismo de Rawls. Lua Nova, São Paulo, n. 57, 2002.

AZEVEDO, Janete Maria Lins de. O Estado, a política educacional e a regulação do setor educação no Brasil: uma abordagem histórica. In:

FERREIRA, Naura Syria Carapeto; AGUIAR, Márcia Ângela da S. (Org.). Gestão da educação: impasses, perspectivas e compromissos. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2001.

BERGER, Manfredo. Educação e dependência. São Paulo: Difel; Porto Alegre: UFRGS, 1976.

BOURDIEU, Pierre; PASSERON, Jean-Claude. A reprodução: elementos para uma teoria do sistema de ensino. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1975.

CASTEL, Robert. As metamorfoses da questão social: uma crônica do salário. Petrópolis: Vozes, 1998.

COSTA, Jean Carlo de Carvalho. O charme da modernidade e a utopia da hybris: civilidade, reforma moral e educação no jovem parlamentar Joaquim Nabuco. In: PINHEIRO, Antonio Carlos Ferreira; CURY, Antonio Carlos Ferreira (Org.). Histórias da Educação da Paraíba: rememorar e comemorar. João Pessoa: Editora UFPB, 2012.

DUBAR, Claude. A socialização: construção das identidades sociais e profissionais. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

FERNANDES, Florestan. A integração do negro na sociedade de classes. 3. ed. São Paulo: Ática, 1978. v. 1.

FRASER, Nancy. Reconhecimento sem ética? Lua Nova n. 70 São Paulo, 2007.

FRIGOTTO, Gaudêncio. A produtividade da escola improdutiva: um (re)exame das relações entre educação e estrutura econômico-social capitalista. São Paulo: Cortez, 1984.

GRANSCI, Antonio. Americanismo e fordismo. In: GRANSCI, Antonio. Maquiavel, a política e o estado moderno. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1988.

HABERMAS, Jürgen. Lutas pelo reconhecimento no Estado

democrático nacional. In: TAYLOR, Charles. Multicultura-

lismo. Lisboa: Instituto Piaget, 1994.

HONNETH, Axel. Integrity and disrespect: principles of a conception of morality based on the theory of recognition. Political Theory, v. 20, n. 2, p. 187-202, 1992. http://dx.doi.org/10.1177/0090591792020002001

HONNETH, Axel. Luta por reconhecimento: a gramática moral dos conflitos morais. São Paulo: 34, 2003.

HONNETH, Axel. Disrespect: the normative foundations of critical theory. Cambridge: Polity, 2007.

HONNETH, Axel. Educação e esfera pública democrática. Um capítulo negligenciado da filosofia política. Civitas, Porto Alegre, v. 13, n. 3, p. 544-562, set./dez, 2013.

MARGULIS, Mario; URRESTI, Marcelo. La juventud es mas que una palabra. In: MARGULIS, Mario. La juventud es más que una palabra: ensayos sobre cultura y juventud. Buenos Aires: Biblos, 1998.

MARTINS, José de Souza. Exclusão social e a nova desigualdade. São Paulo: Paulus, 1997.

MENDONÇA, Ricardo Fabrino. Reconhecimento em debate: os modelos de Honneth e Fraser em sua relação com o legado habermasiano. Revista Sociologia e Política, Curitiba, n. 29, p. 169-185, nov. 2007.

MOACYR, Primitivo. A instrução e o império. São Paulo, Nacional, 1937.

PINTO, Celi Regina Jardim. Nota sobre a controvérsia Fraser-Honneth informada pelo cenário brasileiro. Lua Nova, São Paulo, n. 74, p. 35-58, 2008.

POULANTZAS, Nicos. O Estado, o Poder, o Socialismo. Rio de Janeiro: Graal, 1981.

PRADO JUNIOR, Caio. Formação do Brasil Contemporâneo: colônia. São Paulo: Brasiliense/Publifolha, 2000.

RAVAGNANI, Hebert B. Uma introdução à teoria crítica de Axel Honneth. Intuitio, Porto Alegre, v. 2, n. 3, p. 51-67, 2009.

RAWLS, John. Justiça como equidade: uma reformulação. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

RIBEIRO, Marlene. Exclusão: problematizando o conceito. Educação e Pesquisa [online], v. 25, n. 1, p. 35-49, 1999.

ROMANELLI, O. História da educação no Brasil. 21. ed. Petrópolis: Vozes, 2001.

SAAVEDRA, Giovani Agostini; SOBOTTKA, Emil Albert. Introdução à teoria do reconhecimento de Axel Honneth. In: SAAVEDRA, Giovani Agostini; SOBOTTKA, Emil Albert (Org.). Reconhecimento e teoria crítica. Civitas – Revista de Ciências Sociais, Porto Alegre, v. 8, n. 1, p. 9-18, jan./abr. 2008.

SILVEIRA, Denis Coitinho. Teoria da justiça de John Rawls: entre o liberalismo e o comunitarismo. Trans/Form/Ação [online], v. 30, n. 1, p. 169-190, 2007. http://dx.doi.org/10.1590/S0101-31732007000100012

SOTO, Silvia Fernandez. El concepto de pobreza en la teoría Marxista. Serviço Social e Sociedade, São Paulo: Cortez, v. 24, n. 73, p. 5-22, mar. 2003.

STOTZ, Eduardo Navarro. Pobreza e capitalismo. In: VALLA, Vitor V.; STOTZ, Eduardo N.; ALGEBAILE, Eveline B. Para compreender a pobreza no Brasil. Rio de Janeiro: Contraponto; Escola Nacional de Saúde Pública, 2005.

TAYLOR, Charles. A política do reconhecimento. In: TAYLOR, Charles, Argumentos Filosóficos. São Paulo: Edições Loyola, 2000.

Publicado
2015-04-14
Como Citar
Costa, J. C., & Soares, S. P. (2015). Educação e pobreza: teoria da justiça como equidade e a política do reconhecimento. Educação, 38(1), 124-137. https://doi.org/10.15448/1981-2582.2015.1.16579