A África nos filmes infantis: uma análise de Madagascar

  • Maria Carolina da Silva Caldeira Centro Pedagógico da UFMG
Palavras-chave: África. Representação. Pedagogia cultural. Estudos culturais.

Resumo

Este artigo tem como objetivo analisar que representações sobre a África e os africanos são divulgadas pelos filmes infantis de animação Madagascar 1 e 2. Com inspiração na vertente pós-estruturalista dos estudos culturais em educação, considera-se que esses filmes exercem uma pedagogia cultural, a qual ensina e constrói representações desse continente. O argumento desenvolvido é o de que esses filmes, ao representarem a África, atualizam o binarismo entre natureza e cultura, associando a África à natureza e as grandes metrópoles à cultura. Nesse processo, o polo natural é considerado inferior ao polo cultural. Por meio de relações de poder desiguais, aqueles que habitam o continente africano também são considerados inferiores aos habitantes de outras regiões. Dessa forma, os filmes se inserem em um longo processo performativo que repete representações historicamente construídas sobre a África, as quais a situam como um continente exclusivamente selvagem, perigoso e habitado por seres exóticos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Carolina da Silva Caldeira, Centro Pedagógico da UFMG
Doutoranda em educação pela UFMG. Professora do Centro Pedagógico da UFMG

Referências

AMARAL, Marise. Natureza e representação na pedagogia da publicidade. In: COSTA, Marisa Vorraber. Estudos culturais em educação. 2. ed. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2004.

ANJOS, Roberto. A geografia, a África e os negros brasileiros. In: MUNANGA, Kabengele (Org.). Superando o racismo na escola. 2. ed. Brasília: MEC, 2005.

BALESTRIN, Patrícia; SOARES, Rosângela. “Etnografia da tela”: uma aposta metodológica. In: MEYER, Dagmar; PARAISO, Marlucy. Metodologias de pesquisas pós-críticas em educação. Belo Horizonte: Mazza, 2012.

BUTLER, Judith. Corpos que pesam: sobre os limites dis-

cursivos do sexo. In: LOURO, Guacira. O corpo educado: Pedagogias da Sexualidade. Belo Horizonte: Autêntica, 1999.

CUNHA JR., Henrique. Os negros não se deixaram escravizar: temas para as aulas de história dos afrodescendentes. Revista Eletrônica Espaço Acadêmico, v. 69, p. 1-10, 2007. Disponível em: http://www.espacoacademico.com.br/069/69

cunhajr.htm

DUARTE, Rosália. Cinema e educação. Belo Horizonte: Autêntica, 2001.

GIROUX, Henry. Memória e pedagogia no maravilhoso mundo da Disney. In: SILVA, Tomaz Tadeu da. Alienígenas na sala de aula: uma introdução aos estudos culturais em educação. Petrópolis: Vozes, 1995.

GOMES, Nilma. A questão racial na escola: desafios colocados pela implementação da Lei 10639/2033. In: MOREIRA, Antonio Flavio; CANDAU, Vera. Multiculturalismo: diferenças culturais e práticas pedagógicas. Petrópolis: Vozes, 2008.

KINDEL. Eunice. A natureza no desenho animado: ensinando sobre homem, mulher, raça, etnia e outras coisas mais. 2003. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2003.

KUNZRU, Hari. “Você é um ciborgue”: um encontro com Donna Haraway. In: HARAWA, Donna; KUNZRU, Hari; TADEU, Tomaz. Antropologia do ciborgue: as vertigens do pós-humano. Org. e trad. de Tomaz Tadeu. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2009.

LOURO, Guacira Lopes. O cinema como pedagogia. In: LOPES, Eliana Marta Teixeira; FARIA FILHO, Luciano Mendes; VEIGA, Cynthia Greive (Org.). 500 anos de educação no Brasil. Belo Horizonte, Autêntica, 2000.

OLIVA, Anderson. A história da África nos bancos escolares. Representações e imprecisões na literatura didática. Estudos Afro-Asiáticos, ano 25, n. 3, 2003.

OLIVA, Anderson. A história africana nas escolas brasileiras: entre o prescrito e o vivido, da legislação educacional aos olhares dos especialistas (1995-2006). História, Franca, v. 28, n. 2, 2009.

RIAL, Carmen. Estudos de mídia. In: GROSSI, Miriam (Org.). Movimentos sociais, educação e sexualidades. Rio de Janeiro: Garamond, 2005.

SERRANO, Carlos; WALDMAN, Maurício. Memória d’África: a temática africana em sala de aula. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2008.

SILVA, Tomaz Tadeu. Currículo e identidade social: territórios contestados. In: ______. (Org.). Alienígenas na sala de aula: uma introdução aos estudos culturais em educação. Petrópolis: Vozes, 1995.

SILVA, Tomaz Tadeu. Documentos de identidade: uma introdução às teorias do currículo. Belo Horizonte: Autêntica, 2001.

SILVA, Tomaz Tadeu. A produção social da identidade e da diferença. In: ______. (Org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis: Vozes, 2009.

STEINBERG, Shirlei. Kindercultura: a construção da infância pelas grandes corporações. In: SILVA, Luiz Heron et al. Identidade social e a construção do conhecimento. Porto Alegre: Secretaria Municipal de Educação, 1997.

TEIXEIRA, Inês. Apresentação à Seção Temática: Cinema e Educação. Educação em Revista, Belo Horizonte, v. 41, jun. 2005.

WOODWARD, Kathryn. Identidade e diferença: uma introdução teórica e conceitual. In: SILVA, Tomaz Tadeu (Org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis: Vozes, 2009.

Publicado
2014-08-11
Como Citar
Caldeira, M. C. da S. (2014). A África nos filmes infantis: uma análise de Madagascar. Educação, 37(2), 317-324. https://doi.org/10.15448/1981-2582.2014.2.16445
Seção
Outros Temas