Na captura de uma agência astuciosa: lições de uma etnografia com crianças sobre usos da noção de bullying

Palavras-chave: Bullying. Agência. Infância. Educação. Etnografia.

Resumo

Este artigo aborda interpelações teóricas, metodológicas e éticas levantadas ao se abraçar crianças enquanto sujeitos de pesquisa numa etnografia da agência da noção de bullying na contemporaneidade brasileira. Para situar esses desafios num contexto empírico, a exposição delimita como estudo de caso as conexões que as crianças hoje estabelecem entre o agenciamento desse conceito e a atribuição de apelidos pejorativos entre pares escolares.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Juliane Bazzo, Universidade Federal do Paraná (UFPR), Curitiba, PR.

Doutora em Antropologia Social pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs), Porto Alegre, RS,  com estágio doutoral na City University of New York (Cuny), Queens College e The Graduate Center, New York, EUA. Professora substituta do Departamento de Antropologia da Universidade Federal do Paraná (UFPR), Curitiba, PR.

Referências

Bazzo, Juliane. 2018. “Agora tudo é bullying”: uma mirada antropológica sobre a agência de uma categoria de acusação no cotidiano brasileiro. Tese em Antropologia Social, UFRGS, Porto Alegre.

Becker, Howard S. 2008. Outsiders: estudo de sociologia do desvio. Rio de Janeiro: Zahar.

Cohn, Clarice. 2013. Concepções de infância e infâncias: um estado da arte da antropologia da criança no Brasil. Civitas: Revista de Ciências Sociais 13 (2): 221-244. https://doi.org/10.15448/1984-7289.2013.2.15478.

Douglas, Mary. Jokes. 1993. In Implicit meanings: essays in anthropology, editado por Mary Douglas, 90-114. London: Routledge & Kegan Paul.

Duarte, Luiz Fernando D. 1981. Identidade social e padrões de “agressividade verbal” em um grupo de trabalhadores urbanos. Boletim do Museu Nacional n. 36: 1-36.

Elias, Norbert e John L. Scotson. 2000. Introdução: ensaio teórico sobre as relações estabelecidos-outsiders. In Os estabelecidos e os outsiders: sociologia das relações de poder a partir de uma pequena comunidade, 19-50. Rio de Janeiro: Zahar.

Fassin, Didier e Richard Rechtman. 2009. The empire of trauma: an inquiry into the condition of victimhood. Princeton, Oxford: Princeton University Press.

Fernandes, Florestan. 2004. As “trocinhas” do Bom Retiro. Pro-posições 15 (1): 229-250.

Horn, Claudia I. 2013. Pesquisa etnográfica com crianças: algumas possibilidades de investigação. Revista Enfoques 13 (1): 1-19.

Lagrou, Els. 2009. O riso grotesco e o riso festivo: narrativas e performances Kaxinawa. In As festas e os dias: ritos e sociabilidades festivas, organizado por Maria Laura V. C. Cavalcanti e José Reginaldo S. Gonçalves, 169-196. Rio de Janeiro: Contra Capa.

Leach, Edmund R. 1983. Aspectos antropológicos da linguagem: categorias animais e insulto verbal. In Leach, organizado por Roberto DaMatta, 170-198. São Paulo: Ática.

Lévi-Strauss, Claude. 1986. O totemismo hoje. Lisboa: Edições 70.

Lewis, Liana. 2015. Infância e agenciamento sobre representações raciais. In Antropologia em novos campos de atuação: debates e tensões, organizado por Mónica

Franch, Maristela Andrade e Lara Amorin, 251-270. João Pessoa: Mídia Gráfica e Editora.

Maggie, Yvonee e Ana Prado. 2014. O que muda e o que permanece o mesmo nas escolas cariocas: culturas de gestão e as representações dos estudantes. In Abordagens etnográficas sobre educação: adentrando os muros das escolas, organizado por Simoni L. Guedes e Tatiana A. Cipiniuk, 69-81. Niterói: Alternativa.

Noel, Gabriel. 2009. La conflictividad cotidiana en el escenario escolar: una perspectiva etnográfica. San Martín: Unsam Edita.

Olweus, Dan. 2006. Bullying at school: what we know and what we can do? Malden, MA: Blackwell Publishing.

Ortner, Sherry B. 2007. Poder e projetos: reflexões sobre a agência. In Conferências e diálogos: saberes e práticas antropológicas, organizado por Miriam P. Grossi, Cornelia Eckert e Peter Fry, 45-80. Blumenau: Nova Letra.

Pereira, Alexandre B. 2010. “A maior zoeira”: experiências juvenis na periferia de São Paulo. Tese em Antropologia Social, USP, São Paulo.

Sarti, Cynthia, Éverton L. Pereira e Nádia Meinerz. 2017. Avanços da resolução 510/2016 e impasses do Sistema Cep/Conep. Revista Mundaú 2: 8-21.

Smolka, Ana Luiza Bustamente, Adriana Lia F. de Laplane, Lavinia L. S. Magiolino e Débora Dainez. 2015. O problema da avaliação das habilidades socioemocionais como política pública: explicitando controvérsias e argumentos. Educação & Sociedade 36 (130): 219-242. https://doi.org/10.1590/ES0101-73302015150030.

Souza, Jessé (org.). 2009. Ralé brasileira: quem é e como vive. Belo Horizonte: Editora da UFMG.

Tambiah, Stanley J. 1985. A performative approach to ritual. In Culture, thought, and social action, edited by Stamley J. Tambiah, 123-166. Cambridge: Harvard University Press.

Velho, Gilberto. 1981. Individualismo e cultura: notas para uma antropologia da sociedade contemporânea. Rio de Janeiro: Zahar.

Publicado
2020-07-20
Como Citar
Bazzo, J. (2020). Na captura de uma agência astuciosa: lições de uma etnografia com crianças sobre usos da noção de bullying. Civitas - Revista De Ciências Sociais, 20(2), 248-258. https://doi.org/10.15448/1984-7289.2020.2.31448