O Sentido da teoria na pesquisa em comunicação

Três questionamentos a partir da prática acadêmica

Palavras-chave: Teoria da Comunicação, Epistemologia da Comunicação, Metodologia, Pesquisa

Resumo

Qual o sentido de “teoria” nos estudos de Comunicação? O que significa escrever um “capítulo teórico” ou “aplicar uma teoria” em uma pesquisa? Essas questões, nascidas das práticas de ensino e orientação, apontam para a existência de três problemas epistemológicos referentes à compreensão do que é “teoria” e sua ação na atividade de pesquisa. A partir de análise bibliográfica, situações de ensino e orientação e estudos empíricos anteriores, este artigo delineia essas três visões que entendem a teoria (1) em oposição à prática, (2) como conjunto de proposições relativas a questões contextuais mais amplas e (3) como o conhecimento prévio de um campo. Indica-se, em cada caso, perspectivas para a
operacionalização metodológica da teoria durante todo o processo de pesquisa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luís Mauro Sá Martino, Faculdade Cásper Líbero, São Paulo, SP, Brasil.

Graduado em Comunicação — Jornalismo pela Faculdade Cásper Líbero (FCL — 1998), em São Paulo, SP, Brasil, com mestrado (2001) e doutorado (2004) em Ciências Sociais pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC), em São Paulo, SP, Brasil. Foi pesquisador-bolsista na School of Political, Social and International Studies na University of East Anglia, na Inglaterra (2008). Professor do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da FCL, em São Paulo, SP, Brasil, onde também leciona na graduação em
Jornalismo e é um dos editores da Revista Líbero. Autor, entre outros, dos livros Teoria da Comunicação
(2009), Teoria das Mídias Digitais (2014) e Métodos de Pesquisa em Comunicação (2018).

Referências

ADORNO, Theodor W. Primeiros escritos filosóficos. São Paulo: UNESP, 2018.

BACHELARD, Gaston. A formação do espírito científico. Rio de Janeiro: Contraponto, 2007.

BACHELARD, Gaston. Estudos. Rio de Janeiro: Contraponto, 2008.

BAPTISTA, Maria Luiza C. Disciplinas teóricas: de entulho de currículo a campo de desejo e autopoiese. Anais do 26º INTERCOM. Universidade Federal de Belo Horizonte, Belo Horizonte, 2 a 6 de setembro de 2003.

BARROS, José D’A. Uma teoria é um modo de ver. Interfaces da educação, v. 23, n. 10, p. 28-57, 2019. https://doi.org/10.26514/inter.v10i29.3901

BRAGA, José L. A prática da pesquisa em Comunicação. E-Compós, v. 14, n. 1, p. 1-33, 2011. https://doi.org/10.30962/ec.665

BRAGA, José Luiz. Ensino e pesquisa em comunicação. Comunicação & Educação, v. 12, n. 2, p. 21-27, 2007. https://doi.org/10.11606/issn.2316-9125.v12i2p21-27

BRAGA, José Luiz. A prática da teoria na pesquisa em Comunicação. Galáxia, n. 41, p. 48-61, 2019. http://doi.org/10.1590/1982-25542019239896

BUTLER, Christopher. Postmodernism. Oxford: OUP, 2002.

CHECHETTO, Fabíola B.; MARTINO, Luís Mauro S. Qual conceito de ciência fundamenta as Teorias da Comunicação? Um estudo exploratório do “cânone”. Verso e Reverso, v. 33, n. 1, p. 2-17, 2019. https://doi.org/10.4013/ver.2019.3382.01

CULLER, Jonathan. Literary theory. Oxford: OUP, 2000.

EAGLETON, Terry. The significance of theory. Londres: Blackwell, 1989.

EAGLETON, Terry. After Theory. Londres: Palgrave, 2007.

FABIANI, Jean-Luis. Faire son choix théoriques en Sciences Sociales. In: HUNSMANN, Moritz; KAPP, Sébastien. (Orgs.). Devenir chercheur: écrire une thèse en sciences sociales. Paris: EHESS, 2013, p. 47-61.

FAUSTO NETO, Tiago Q. A centralidade da teoria na constituição de uma episteme comunicacional. Anais do 32º INTERCOM. Universidade Tuiuti do Paraná, Curitiba, 4 a 7 de setembro de 2009.

FERRARA, Lucrécia D’A. A ciência do olhar atento. Trans/Form/Ação. v. 9, n. 10, p. 1-7, 1987. https://doi.org/10.1590/S0101-31731987000100001

FERREIRA, Nelson T. A construção da pesquisa científica em comunicação. Revista de Ciências Humanas, v. 12, n. 1, p. 27-37, 2012. Disponível em: https://periodicos.ufv.br/RCH/article/view/3448

GATTI, Bernardette. Algumas considerações sobre procedimentos metodológicos na pesquisa em educação. Eccos, v. 1, n. 1, p. 63-79, 1999. https://doi.org/10.5585/eccos.v1i1.155

GINZBURG, Carlo. Mitos, emblemas, sinais. São Paulo: Companhia das Letras, 2005.

GOBRY, I. Le vocabulaire Grec de la Philosophie. Paris: Elipses, 2010.

HANITZSCH, Thomas. Writing for Communication Theory. Communication Theory 23, n. 1, p. 1-9, 2013. https://doi.org/10.1111/comt.12004

HICKSON, Mark; STACKS, Don W. Teaching the introductory communication theory course to undergraduates. Communication Quarterly, v. 41, n. 3, p. 261-268, 1993. https://doi.org/10.1080/01463379309369887

JENSEN, Klaus B. Practical theories: concepts, conceptions and conceptualizations of communication. Empedocles, v. 7, n. 2, p. 143-156, 2016. https://doi.org/10.1386/ejpc.7.2.143_1

LIEDKE, Élida R. Breves indicações ara o ensino de sociologia hoje. Sociologias, v. 9, n. 17, p. 266-278, 2007. https://doi.org/10.1590/S1517-45222007000100011

LIMA, Venício. Repensando as Teorias da Comunicação. In: MELO, José. M. (Org.). Teoria e Pesquisa em Comunicação. São Paulo: Intercom/Cortez, 1983, p. 85-99.

LIMA, Venício. Mídia: teoria e política. São Paulo: Perseu Abramo, 2001.

LOPES, Maria I. V. Pesquisa em Comunicação. São Paulo: Loyola, 1999.

MAGNAVACCA, Silvia. Lexico Técnico de Filosofía Medieval. Buenos Aires: Miño y Davila, 2005.

MARTINO, Luís M. S. Da teoria à Metodologia: um ensaio sobre a elaboração de projetos de pesquisa em Comunicação. Comunicação Midiática, v. 11, p. 1-15, 2016. Disponível em: https://www2.faac.unesp.br/comunicacaomidiatica/index.php/CM/article/view/88

MARTINO, Luís M. S. Métodos de Pesquisa em Comunicação. Petrópolis: Vozes, 2018.

MARTINO, Luís M. S. O diálogo norte-sul em Teoria da Comunicação: hegemonias, apropriações e resistências nas pesquisas anglo-saxônicas e latino-americanas. Comunicação & Sociedade, v. 36, p. 85-106, 2014. https://doi.org/10.15603/2175-7755/cs.v36n1p107-132

MARTINO, Luís M. S.; MARQUES, Angela C. S. A afetividade do conhecimento na epistemologia. Matrizes, v. 12, p. 217-234, 2018. https://doi.org/10.11606/issn.1982-8160.v12i2p217-234

MARTINO, Luiz C. Epistemologia da Comunicação. Porto Alegre: Sulina, 2017.

MARTINO, Luiz C. Significação da teoria em um campo diversificado. Anais do 33º INTERCOM. Universidade de Caxias do Sul, Caxias do Sul, 2 a 6 de setembro de 2010.

MARTINO, Luiz C. Teorias da comunicação: muitas ou poucas? Cotia: Ateliê, 2007.

MARX, Karl. O capital. Livro 3, Vol. 6. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2008.

MERTON, Robert. Sociologia: teoria e estrutura. São Paulo: Mestre Jou, 1970.

OLIVEIRA, Marcio. O ensino de teoria sociológica em cursos de ciências sociais em universidades brasileiras. Política e Sociedade, v. 14, n. 31, p. 87-113, 2015. https://doi.org/10.5007/2175-7984.2015v14n31p87

OLSEN, Stein H. The moment of theory. Critical Quarterly, v. 49, n. 4, p.90-120, 2007. http://doi.org/10.1111/j.1467-8705.2007.00802.x

OROZCO, Guillermo; GONZÁLEZ, Rodrigo. Una coartada metodológica. México: Tintable, 2012.

PEIRANO, Mariza. A teoria vivida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2006.

PETERS, F. R. Léxico filosófico Grego. Lisboa: Edições 70, 1983.

POPPER, Karl R. A lógica da pesquisa científica. São Paulo: Cultrix, 2016.

PORTA, Eva. Objeto de estudio, objeto empírico. In: ROSA MARTINEZ, Fabiana; SAUR, Daniel. La cocina de la investigación. Córdoba: Eduvim, 2017.

REIMÃO, Sandra. Teoria ou Teorias da Comunicação. Intercom, v. 17, n, 2, p. 146-170, 1994. http://doi.org/10.1590/rbcc.v17i2.860

RENÓ, Denis. Pesquisa aplicada em comunicação: uma tendência necessária. Comunicação & Sociedade, v. 36, n. 1, p. 7-30, 2014. https://doi.org/10.15603/2175-7755/cs.v36n1p7-30

ROSENGREN, Karl E. Communication. Londres: Sage, 2000.

RUSSI-DUARTE, Pedro. Por que ensinar teorias (da comunicação)? Anais do 33º INTERCOM. Universidade de Caxias do Sul, Caxias do Sul, 2 a 6 de setembro de 2010.

SAUR, Daniel. Territorio, posicionamiento, responsabilid y formas de relacionamento con la teoria. In: ROSA MARTINEZ, Fabiana; SAUR, Daniel. La cocina de la investigación. Córdoba: Eduvim, 2017.

SIGNATES, Luiz. A comunicação como ciência básica tardia. E-Compós, v. 21, n. 2, p. 1-15, 2018. https://doi.org/10.30962/ec.1387

THOMAS, Sari. A Brief Consideration of Theoretical Significance in Media Study. Critical Studies in Media Communication, v. 23, n. 2, p. 173-180, 2006. https://doi.org/10.1080/07393180600714570

TORRICO VILLANUEVA, Erik R. Comunicacion de las matrices a los enfoques. Quito: Ciespal, 2010.

VALDETTARO, Sandra. Epistemologia de la comunicación. Rosário: Ed. Universidad de Rosario, 2015.

WOTTRICH, Laura; FONSECA, Paula C. A definição do problema e dos objetos de pesquisa. Anais do 42º INTERCOM. Universidade Federal do Pará, Belém, 2 a 7 de setembro de 2019.

ZELIZER, Barbie. Making communication theory matter. Communication Theory. v. 25, n.1, p. 410-415, 2015. https://doi.org/10.1111/comt.12075

Publicado
2021-08-27
Como Citar
Martino, L. M. S. (2021). O Sentido da teoria na pesquisa em comunicação: Três questionamentos a partir da prática acadêmica. Revista FAMECOS, 28(1), e39211. https://doi.org/10.15448/1980-3729.2021.1.39211
Seção
Pensamento Midiático Comunicacional