Continuidade intensificada no som dos filmes: seis tendências e um estudo de caso

Palavras-chave: Sound design, Continuidade intensificada, Pro Tools

Resumo

Este artigo tem como objetivo discutir a pertinência do conceito de continuidade intensificada para a análise da banda sonora de filmes e outros produtos audiovisuais. Além de detalhar a origem do conceito, desenvolvido por David Bordwell, o artigo examina duas tentativas prévias de correspondência conceitual entre o termo e certas estratégias estilísticas edição de som e mixagem, utilizadas de forma recorrente por profissionais de pós-produção sonora. Na seção seguinte, o artigo testa as premissas desenvolvidas através de um estudo de caso: a análise da banda sonora de uma sequência do filme Drive (2011), de Nicolas Winding Refn. A análise foi realizada a partir da banda sonora do filme, aberta e dissecada no software de edição de som Pro Tools, padrão da indústria do audiovisual contemporânea.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rodrigo Carreiro, Universidade Federal de Pernambuco
Doutor em Comunicação Pela Universidade Federal de Pernambuco. Professor do Programa de Pós-Graduação em Comunicação e do Bacharelado em Cinema e Audiovisual da UFPE.

Referências

AUMONT, Jacques. Moderno? Por que o cinema se tornou a mais singular das artes. Campinas: Papirus Editora, 2008.

BORDWELL, David. Sobre a história do estilo cinematográfico. Campinas: Papirus, 2013.

______. The way Hollywood tells it: story and style in modern movies. Los Angeles: University of California Press, 2006.

BROWN, William. Resisting the psycho-logic of intensified continuity. Projections. Berghahn Journals, Oxford, v. 5, n. 1, p. 69-86, verão 2011. Disponível em: http://filmoterapia.pl/wp-content/uploads/2015/07/Resisting-the-Psycho-Logic-of-Intensified-Continuity.pdf. Acesso em: 25 mar. 2018.

BUHLER, James; NEUMEYER, David; DEEMER, Rob (Org.). Hearing the movies: music and sound in film history. New York: Oxford University Press, 2010.

CARREIRO, Rodrigo. Os sons da continuidade intensificada: o caso de Sergio Leone. In: CÁNEPA, Laura; MULLER, Adalberto; SOUZA, Gustavo; VIEIRA, Marcel. (Org.). XII Estudos de Cinema e Audiovisual (SOCINE), São Paulo, v. 2, p. 354-369, 2011.

CHION, Michel. A audiovisão. Lisboa: Edições Texto & Grafia, 2011.

______. Film, a sound art. New York: Columbia University Press, 2009.

COUSINS, Mark. Biografia do filme. Lisboa: Plátano Editora, 2004.

KERINS, Mark. Beyond dolby (stereo): Cinema in the digital sound age. Bloomington:Indiana University Press, 2011.

MANEVY, Alfredo. Nouvelle vague. História do cinema mundial. In: MASCARELLO, Fernando (Org.). Campinas: Papirus Editora, 2006.

MCQUEEN, Amanda. ‘Bring the Noise!’ Sonic intensified continuity in the films of Edgar Wright. Journal Music, sound, and the moving image, Liverpool, v. 7, n. 2, p. 141-165, outono de 2013.

PEREIRA, Vinicius; CASTANHEIRA, José Cláudio S. Mais grave! Como as tecnologias midiáticas afetam as sensorialidades auditivas e os códigos sonoros contemporâneos. Revista Contracampo, Niterói, n. 23, p. 130-143, dez. 2011. Disponível em: http://www.contracampo.uff.br/index.php/revista/article/view/88/87. Acesso em: 17 ago. 2017.

PUCCI JR., RENATO LUIZ . Uma nova etapa na interlocução entre cinema e TV: Hoje é dia de Maria. Anais resumidos do XIII Encontro Anual da SOCINE - Sociedade Brasileira de Estudos de Cinema e Audiovisual, São Paulo, v. 1, 2009. Disponível em: http://www.socine.org.br/anais/interna.asp?nome=renato%20

luiz%20pucci%20junior%20. Acesso em: 5 ago. 2017.

SILVEIRA, Thiago Rodrigues. Um estudo sobre a continuidade intensificada e o estilo de James Gray: uma análise da encenação no filme Amantes. Contribuciones a las Ciencias Sociales, n. 29, jul./set. 2015. Disponível em: http://www.eumed.net/rev/cccss/2015/03/amantes.html. Acesso em: 2 ago. 2017.

SMITH, Jeff. The sound of intensified continuity. In: RICHARDSON, John; GORBMAN, Claudia; VERNALLIS, Carol. (Org.). The Oxford Handbook of New Audiovisual Aesthetics, New York, Oxford University Press, 2013, p. 331-356.

STAM, Robert. Introdução às teorias do cinema. Campinas: Papirus Editora, 2003.

THOMAS, Orson Welles. Trademark: overlapping film dialogue. In: JAECKLE, Jeff (Org.). Film dialogue. New York: Columbia University Press, 2013, p. 126-139.

VERNALLIS, Carol. Unruly media: YouTube, music video, and the new digital cinema. Oxford: Oxford University Press, 2013.

WILSON, Brian. The film dialogue of Howard Hawks. In: JAECKLE, Jeff (Org.). Film dialogue, New York, Columbia University Press, 2013, p. 116-125.

Publicado
2018-04-07
Como Citar
Carreiro, R. (2018). Continuidade intensificada no som dos filmes: seis tendências e um estudo de caso. Revista FAMECOS, 25(2), ID28679. https://doi.org/10.15448/1980-3729.2018.2.28679
Seção
Cinema