Para inteligir a complexidade das redes

  • Lucia Santaella Pontifícia Universidade Católica de São Paulo
  • Tarcisio Cardoso Pontifícia Universidade Católica de São Paulo
Palavras-chave: Redes, Stuart Kauffman, Modelo NK

Resumo

O interesse dos estudos de redes sociais e práticas colaborativas na internet tem sido recorrente na Revista Famecos, que conta, por exemplo, com sete artigos sobre o tema apenas nos anos de 2012 e 2013. Tendo em vista contribuir para esses estudos, o presente trabalho toma o modelo da teoria das redes (Barabási, 2009) e a teoria do Ator-Rede (Latour, 2012) como base para a inserção das redes booleanas e o modelo NK (Kauffman, 1993) nesse cenário. A contribuição visa à compreensão das formas de evolução das redes à luz dos processos de auto-organização. Isto se torna particularmente interessante se lembrarmos que redes sociais são sistemas dinâmicos em constante mutação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lucia Santaella, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo
Pesquisadora 1A do CNPq, professora doutora titular do Programa de estudos pós-graduados em Tecnologias da Inteligência e Design Digital (PUC-SP)
Tarcisio Cardoso, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo
Pesquisador doutorando do Programa de estudos pós-graduados em Tecnologias da Inteligência e Design Digital (PUC-SP) 

Referências

BARABÁSI, Alber-László. Linked: a nova ciência dos networks, como tudo está conectado a tudo e o que isso significa para os negócios, relações sociais e ciências. Barueri: Leopardo, 2009.

BREITMAN, Karin; CASANOVA, Marco; TRUSZKOWSKI, Walter. Semantic Web: concepts, technologies and applications. India: Springer International Edition, 2010.

BRZOZOWSKI, Jerzy André. Auto-organização e contingência da biologia evolutiva: um estudo sobre os desafios de Stuart Kauffman e Stephen Jay Gould ao darwinismo. Dissertação (Mestrado em Filosofia) – Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC, Florianópolis, 2007.

CASTELLS, Manuel (1999). A sociedade em rede – a era da informação: economia, sociedade e cultura. São Paulo: Paz e Terra, 2012.

CATTUTO, Ciro; LORETO, Vittorio; PIETRONERO, Luciano. Collaborative Tagging and Semiotic Dynamics. cs.CY, 4 maio 2006. v. 1.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mil platôs. Capitalismo e esquizofrenia. Rio de Janeiro: 34, 1995-1997.

DI FELICE, Massimo. Redes sociais digitais, epistemologias reticulares e a crise do antropomorfismo social. Revista USP, São Paulo, n. 92, p. 6-19, dez./fev. 2012.

JENKINS, Henry. Cultura da convergência. São Paulo: Aleph, 2008.

KAUFFMAN, Stuart A. The origins of order: self-organization and selection in evolution. New York: Oxford University Press, 1993.

LATOUR, Bruno. Reagregando o Social: uma introdução à Teoria do Ator-Rede. Salvador: Edufba, 2012.

LEMOS, André. Cibercultura, tecnologia e vida social na cultura contemporânea. Porto Alegre: Sulina, 2005.

LÉVY, Pierre. A inteligência colectiva: para uma antropologia do ciberespaço. Lisboa: Instituto Piaget, 1994.

RECUERO, Raquel. Teoria das redes e redes sociais na internet: considerações sobre o Orkut, os Weblogs e os Fotologs. INTERCOM, 27., 2004, Porto Alegre. Disponível em: http://www.portcom.intercom.org.br/pdfs/121985795651418859729998795470196200751.pdf. Acesso em: 1 ago. 2013.

RECUERO, Raquel. Redes sociais na internet. Porto Alegre: Sulina, 2009.

_____. A conversação em rede. Porto Alegre: Sulina, 2012.

SANTAELLA, Lucia. Linguagens líquidas na era da mobilidade. São Paulo: Paulus, 2007.

_____. Mídias locativas: a internet móvel de lugares e coisas. Revista FAMECOS, v. 1, n. 35, abr. 2008.

SANTAELLA, Lucia; LEMOS, Renata. Redes sociais digitais: a cognição conectiva do Twitter. São Paulo: Paulus, 2010.

Publicado
2014-09-12
Como Citar
Santaella, L., & Cardoso, T. (2014). Para inteligir a complexidade das redes. Revista FAMECOS, 21(2), 742-765. https://doi.org/10.15448/1980-3729.2014.2.15923
Seção
Cibercultura