Ensino de Inglês na rede pública brasileira

Perspectiva histórico-curricular e implicações sociais

Palavras-chave: Educação pública, Ensino de Língua Inglesa, Currículo

Resumo

Partindo do imaginário coletivo de que a escola pública não é o lugar de um ensino eficiente da Língua Inglesa, este trabalho objetiva abordar os caminhos curriculares percorridos por tal idioma como disciplina na educação pública brasileira, traçando uma linha temporal dentro do arcabouço histórico-normativo, desde quando passou a ser ensinada formalmente aos brasileiros até a atualidade. Com base nas pesquisas bibliográfica e documental de caráter qualitativo, além de referencial teórico ancorado na área de ensino de Língua Inglesa, foram analisados documentos da época do Brasil Imperial e do Brasil República, antes e depois do advento das Leis de Diretrizes e Bases. Ao fim, entende-se que a intermitência entre a eletividade e a obrigatoriedade no texto legal/normativo pode levar ao entendimento geral de que a educação pública não assegura o ensino efetivo de Inglês.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Karine Soares de Souza Silva, Instituto Federal Fluminense (IFF), Campos dos Goytacazes, RJ, Brasil.

Mestra em Educação Profissional e Tecnológica (ProfEPT)/ Instituto Federal Fluminense (IFFluminense), em Campos dos Goytacazes, RJ, Brasil.

Thiago Soares de Oliveira, Instituto Federal Fluminense (IFF), Campos dos Goytacazes, RJ, Brasil.

Doutor em Cognição e Linguagem pela Universidade Estadual do Norte Fluminense (UENF), em Campos, RJ, Brasil. Pós-doutorado em Letras pela Universidade da Beira Interior, em Covilhã, Portugal.

Referências

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC, 2017. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf. Acesso em: 26 mar. 2021.

BRASIL. Câmara de Educação Básica. Resolução n. 6, de 20 de setembro de 2012. Define Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Profissional Técnica de Nível Médio. Brasília: Diário Oficial da União, 2012. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=11663-rceb006-12-pdf&category_slug=setembro-2012-pdf&Itemid=30192. Acesso em: 26 mar. 2021.

BRASIL. Decreto nº 29, de 14 de julho de 1809. Crea nesta cidade uma cadeira de Arithmetica, Algebra e Geometria, uma de Inglez e uma de Francez. Coleção das Leis do Império do Brasil, 1809. p. 28.

BRASIL. Decreto 62, de 1º de fevereiro de 1841. Altera algumas das disposições do Regulamento nº 8 de 31 de janeiro de 1838, que contém os Estatutos do Collegio de Pedro Segundo. Coleção das Leis do Império do Brasil, Rio de Janeiro, 1841. T. 4, parte 2, seção 4, p.13.

BRASIL. Decreto 1.556, de 17 de fevereiro de 1855. Aprova o Regulamento do Colégio Pedro II. Coleção das leis do Império do Brasil, Rio de Janeiro, 1856. parte 2, p. 80.

BRASIL. Decreto de 2, de dezembro de 1837. Converte o Seminario de S. Joaquim em collegio de instrucção secundaria, com a denominação de Collegio de Pedro II, e outras disposições. Coleção das leis do Império do Brasil, Rio de Janeiro, 1837. parte 2, p. 59.

BRASIL. Decreto 2.883, de 1º de fevereiro de 1862. Altera os Regulamentos relativos ao curso de estudos do Imperial Colégio de Pedro II. Coleção das leis do Império do Brasil, Rio de Janeiro, 1862. v. 1, parte 2, p. 13.

BRASIL. Decreto 4.468, de 1º de fevereiro de 1870. Altera os Regulamentos relativos ao Imperial Colégio de Pedro II. Coleção das leis do Império do Brasil, Rio de Janeiro, 1870. v. 1, parte 2, p. 67.

BRASIL. Decreto 6.130, de 1º de março de 1876. Altera o Regulamento do Imperial Colégio de Pedro II. Coleção das leis do Império do Brasil, Rio de Janeiro, 1876. v. 1, parte 2, p. 256.

BRASIL. Decreto 6.884, de 20 de abril de 1878. Altera os Regulamentos do Imperial Colégio de Pedro II. Coleção das leis do Império do Brasil. Rio de Janeiro,1879. t. 41, p. 207.

BRASIL. Decreto 8.051, de 24 de março de 1881. Altera os Regulamentos do Imperial Colégio de Pedro II. Coleção das leis do Império do Brasil. Rio de Janeiro, 1882. v. 1, parte 2, p. 225.

BRASIL. Decreto 1.075, de 22 de novembro de 1890. Aprova o Regulamento para o Ginásio Nacional. Decretos do Governo Provisório da República dos Estados Unidos do Brasil. Rio de Janeiro, 1891. n. 12, p. 3865.

BRASIL. Decreto 1.041, de 11 de setembro de 1892. Manda proceder nos Estados durante os meses de dezembro e janeiro próximos vindouros a exames geraes de preparatorios, de acordo com as instrucções que com estes baixam. Coleção das Leis do Império do Brasil. Rio de Janeiro, 1892. v. 1, parte 2, p. 490.

BRASIL. Decreto 2. 857, de 30 de março de 1898. Approva o regulamento para o Gymnasio Nacional e ensino secundario nos Estados. Coleção de Leis do Brasil, Rio de Janeiro, 1898. v. 1, parte 2, p. 348.

BRASIL. Decreto 3.890, de 1º de janeiro de 1901. Approva o Codigo dos Institutos Officiaes de Ensino Superior e Secundario, dependentes do Ministerio da Justiça e Negocios Interiores. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, p. 447, 1901.

BRASIL. Decreto 8.659, de 05 de abril de 1911. Approva a lei Organica do Ensino Superior e do Fundamental na Republica. Coleção de Leis do Brasil. Rio de Janeiro, 1911. v. 1, p. 492.

BRASIL. Decreto 11.530, de 18 de março de 1915. Reorganiza o ensino secundario e o superior na Republica. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, p. 2977, 1915.

BRASIL. Decreto 16.782–A, de 13 de janeiro de 1925. Estabelece o concurso da União para a diffusão do ensino primario, organiza o Departamento Nacional do Ensino, Reforma o ensino secundário e superior e dá outras providencias. Coleção de Leis do Brasil, Rio de Janeiro, v. 2, p. 20, 1925.

BRASIL. Lei 5.692, de 11 de agosto de 1971. Fixa as Diretrizes e Bases para o ensino de 1º e 2° graus e dá outras providências. Brasília: Diário Oficial da União, Brasília, DF, 1971.

BRASIL. Lei 11.1161, de 05 de agosto de 2005. Dispõe sobre o ensino da Língua Espanhola. Brasília: Diário Oficial da União, Brasília, DF, 2005.

BRASIL. Lei 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Dispõe sobre as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 1996.

BRASIL. Lei 13.145, de 16 de fevereiro de 2017. Altera a Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, DF: Diário Oficial da União, Brasília, DF, 2017.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases 4.024, de 20 de dezembro de 1961. Fixa as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Coleção de Leis do Brasil. Rio de Janeiro, 1961. v. 7, p. 51.

BRASIL. Orientações curriculares para o Ensino Médio: Linguagens, códigos e suas tecnologias Brasília: MEC/SEB, 2006. v. 1, 239 p.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais: terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental: língua estrangeira. Brasília: MEC/SEF, 1998.

BRASIL. PCN + Ensino Médio: Orientações educacionais complementares aos Parâmetros Curriculares Nacionais – Linguagens, códigos e suas tecnologias. Brasília: MEC/SEMTEC, 2002. 244 p.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais: Ensino Médio. Brasília, DF: MEC/SEMTEC, 1999. 364 p.

BRASIL. Parecer 853 de 12 de novembro de 1971. Brasília: Conselho Federal de Educação, documento n. 132, 1971.

CHAGAS, R. V. Didática especial de línguas modernas. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1976.

CHAVES, C. O ensino de inglês como língua estrangeira na educação infantil: para inglês ver ou para valer? 2004. Monografia (Especialização em Educação Infantil) – Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2004. Disponível em: https://www.docsity.com/pt/monografia-curso-de-especializacao-em-educacao-infantil-o-ensino-de-ingles-como-lingua-estrangeira-na-educacao-infantil-para-ingles-ver-ou-para-valer/5385005. Acesso em: 16 mar. 2021.

CHAVES, C. Arte dos Negocios: saberes, práticas e costumes mercantis no império luso-brasileiro. America Latina en La Historia Economica, México, n. 31, jan./jun., 2009. Disponível em: http://www.scielo.org.mx/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1405-22532009000100006. Acesso em: 26 mar. 2021.

DAY, K. C. N; SAVEDRA, M. M. G. O ensino de línguas estrangeiras no Brasil: questões de ordem político-linguísticas. Fórum Linguístico. Florianópolis, v. 12, n. 1, p. 560-567, jan./mar. 2015. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/forum/article/view/1984-8412.2015v12n1p560. Acesso em: 26 mar. 2021.

LEFFA, V. O ensino de línguas estrangeiras no contexto nacional. Contexturas, APLIESP, São Paulo, n. 4, p. 13-24, 1999.

LEFFA, V. Prefácio. In: SILVA, K. A. (org.). A Rede Federal de Educação Profissional no Ensino Médio e a aprendizagem de inglês: visão geral e pedagogias vivenciadas, Campinas, SP: Pontes Editores, 2020.

LIMA, D. C. O Ensino de língua estrangeira e a formação do professor de inglês no contexto atual. In: SCHEYERL, D., RAMOS, E. (org.). Vozes, olhares, silêncios: diálogos transdisciplinares entre a linguística aplicada e a tradução. Salvador: Edufba, 2008. p. 31- 43.

OLIVEIRA, A. B. ENEM e a política linguística para o inglês no Brasil: da legislação às representações de coordenadores, professores e alunos em um contexto de ensino. Campinas, SP: [s.n.], 2017.

PAIVA, V. L. M. A LDB e a legislação vigente sobre o ensino e a formação de professor de língua inglesa. In: STEVENS, Cristina Maria T., CUNHA, Maria Jandyra C. (org.). Caminhos e Colheitas: ensino e pesquisa na área de inglês no Brasil. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2003. p. 53-84.

SHOHAMY, E. G. Language policy: Hidden agendas and new approaches. Psychology Press, 2006.

SOUZA, S. A. O Movimento dos sentidos sobre línguas estrangeiras no Brasil: discurso, história e educação. Campinas, SP: [s.n.], 2005.

VIDOTTI, J. Políticas Linguísticas para o Ensino de Língua Estrangeira no Brasil do século XIX, com ênfase na Língua Inglesa. 2012. 245 f. Tese (Doutorado em Letras Modernas) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. São Paulo, 2012. Disponível em: https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8147/tde-07112012-122108/pt-br.php. Acesso em: 26 mar. 2021.

Publicado
2022-03-09
Como Citar
Silva, K. S. de S., & Oliveira, T. S. de. (2022). Ensino de Inglês na rede pública brasileira: Perspectiva histórico-curricular e implicações sociais. Educação Por Escrito, 13(1), e40507. https://doi.org/10.15448/2179-8435.2022.1.40507