Narrando normativas escolares

O diagnóstico (psiquiátrico) como um desdobramento da educação neoliberal

Palavras-chave: escola, diagnóstico, neoliberalismo, avaliação externa

Resumo

Este artigo tem como objetivo investigar quais as possíveis condições de emergência das demandas por diagnósticos psiquiátricos advindas das escolas atuais, em destaque, as escolas públicas brasileiras. A investigação teve início contrapondo diferentes modelos de escola ao longo do tempo, demonstrando como cada um destes produziu em sua conjuntura, um modelo norma-desvio que fundamenta a prática escolar. Ao longo da discussão, a dimensão diagnóstica emergiu atrelada à crescente sistematização avaliativa das escolas, corroborando com a dimensão neoliberal de uma escola que busca alcançar lucros. Em uma problematização teórica que dialoga com os estudos foucaultianos, pode-se demonstrar o quanto a emergência por diagnósticos psiquiátricos faz parte da atual racionalidade governamental da instituição escola. Nas conclusões, a questão referente ao diagnóstico psiquiátrico apresenta-se como uma modulação da diferença, cuja demanda crescente no contexto escolar mencionado reflete, de forma estratégica, a igual crescente busca por bons índices nas avaliações em larga escala.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Alayny Cavalcante Melo, Universidade Federal do Ceará (UFC), Sobral, CE, Brasil.

Pós-graduada em Psicopedagogia Institucional e Clínica pelo Centro Universitário UNINTA, em Sobral, CE, Brasil. Graduada em Psicologia pela Universidade Federal do Ceará (UFC), em Sobral, CE, Brasil.

Maria Vitória Silva Ripardo, Universidade Federal do Ceará (UFC), Sobral, CE, Brasil.

Graduanda em Psicologia na Universidade Federal do Ceará (UFC), em Sobral, CE, Brasil.

Ana Carolina Borges Leão Martins, Universidade Federal do Ceará (UFC), Sobral, CE, Brasil.

Doutora em Teoria Psicanalítica pela UFRJ. Professora adjunta da graduação em Psicologia e do Mestrado em Psicologia e Políticas Públicas da Universidade Federal do Ceará (UFC), Sobral, CE, Brasil

Referências

AMARO, Ivan. Avaliar ou examinar a escola? Performatividade, regulação e intensificação do trabalho docente. Impulso, Piracicaba; v. 24, n. 61, p. 109-127, set./dez. 2014. Disponível em: https://www.metodista.br/revistas/revistasunimep/index.php/impulso/article/view/2120. Acesso em: 2 maio 2020.

ARIÈS, Philippe. História social da criança e da família. Tradução de Dora Flaksman. 2. ed. Rio de Janeiro: Copyright, 1981.

AVALIAÇÕES brasileiras: Conheça As Principais. In: Todos pela Educação. [S. l.], 17 jul. [2018]. Disponível em: https://www.todospelaeducacao.org.br/conteudo/uais-sao-as-avaliacoes-brasileiras-e-porque-elas-sao-importantes. Acesso em: 2 de maio 2020.

BALL, Stephen J. Reformar escolas/reformar professores e os terrores da performatividade. Revista Portuguesa de Educação, Braga, v. 15, p. 3-23, 2002. Disponível em: https://www.redalyc.org/pdf/374/37415201.pdf. Acesso em: 2 maio 2020.

BENEDETTI, Mariana Dias et al. Medicalização e educação: análise de processos de atendimento em queixa escolar. Psicologia Escolar e Educacional., Maringá, v. 22, n. 1, p. 73-81, abr. 2018. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-85572018000100073&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 3 maio 2020.

DURKHEIM, Émile. Educação e Sociologia. Tradução de Stephania Matousek. Petrópolis: Vozes, 2011. (Coleção Textos Fundantes de Educação).

DUSCHATZKY, Silvia; SKLIAR, Carlos. O nome dos outros: narrando a alteridade na cultura e na educação. In: LAROSSA, Jorge; SKLIAR, Carlos. Habitantes de Babel: políticas e poéticas da diferença. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2011. p. 119-139.

ESTEBAN, Maria Teresa; FETZNER, Andréa Rosana. A redução da escola: a avaliação externa e o aprisionamento curricular. Educar em revista, Curitiba, n. 1, p. 75-92, 2015. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-40602015000500075&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 2 maio 2020.

FOUCAULT, Michel Microfísica do poder. Organização, introdução e revisão técnica Roberto Machado. 28. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2014a.

FOUCAULT, Michel. Nascimento da biopolítica: Curso dado no Collège de France (1978-1979). Tradução de Eduardo Brandão. Revisão da tradução de Claudia Berliner. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e Punir: nascimento da prisão. Tradução de Raquel Ramalhete. 42. ed. Petrópolis: Vozes, 2014b.

HAN, Byung-Chul. Agonia do Eros. Tradução de Enio Paulo Giachini. Petrópolis: Vozes, 2017a.

HAN, Byung-Chul. Sociedade do Cansaço. Tradução de Enio Paulo Giachini. 2. ed. amp. Petrópolis: Vozes, 2017b.

HATTGE, Morgana Domênica; LOPES, Corcini Lopes. A inclusão escolar e o movimento Todos pela Educação. Revista Educação Especial, Santa Maria, v. 28, n. 53, p. 569-582, 2015. Disponível em: https://periodicos.ufsm.br/index.php/educacaoespecial/article/view/18838. Acesso em: 2 maio 2020.

LARROSA, Jorge. Tecnologias do Eu e Educação. In: SILVA, Tomaz Tadeu (org.). O sujeito da educação: estudos foucaultianos. Petrópolis: Vozes, 1994. p. 35-87.

LOCKMANN, Kamilla; MACHADO, Roseli Belmonte. A produção do outro incluído em tempos de avaliação em larga escala. Revista de Gestão e Avaliação Educacional, Santa Maria, v. 9, n. 18, 2020. Disponível em: https://periodicos.ufsm.br/regae/article/view/41486. Acesso em: 4 maio 2020.

MARTINS, Karla Patrícia Holanda et al. Um golpe de mestre: crianças e pais frente ao diagnóstico psiquiátrico. Revista latino-americana de psicopatologia fundamental, São Paulo, v. 20, n. 2, p. 278-293, 2017. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-47142017000200278&lng=en&nrm= iso. Acesso em: 23 maio 2020.

NETO, Filinto Jorge Eisenbach, CAMPOS, Gabriela Ribeiro de. O impacto do neoliberalismo na educação brasileira. In: CONGRESSO NACIONAL DE EDUCAÇÃO, 13., SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE REPRESENTAÇÕES SOCIAIS, SUBJETIVIDADE E EDUCAÇÃO, 4., Curitiba. Anais [...]. 2017. p. 10986-10999. Disponível em: https://educere.bruc.com.br/arquivo/pdf2017/24420_12521.pdf. Acesso em: 28 jun. 2020.

PAIS, Sofia Castanheira; MENEZES, Isabel; NUNES, João Arriscado. Saúde e escola: reflexões em torno da medicalização da educação. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 32, n. 9, 2016. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2016000905009&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 3 maio 2020.

VIZOTTO, Luana Paula; FERRAZZA, Daniele de Andrade. Educação medicalizada: Estudo sobre o diagnóstico de TDAH em um dispositivo de saúde. Estudos e Pesquisas em psicologia., Rio de Janeiro, v. 16, n. 3, p. 1013-1032, 2016. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1808-42812016000300019&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 23 maio 2020.

Publicado
2022-09-05
Como Citar
Melo, M. A. C., Ripardo, M. V. S., & Martins, A. C. B. L. (2022). Narrando normativas escolares: O diagnóstico (psiquiátrico) como um desdobramento da educação neoliberal. Educação Por Escrito, 13(1), e40111. https://doi.org/10.15448/2179-8435.2022.1.40111