Exercícios que fazem pensar a formação a partir de experiências de exclusão e inclusão na escola

Entre narrativas, complexidade e conversas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15448/2179-8435.2022.1.39504

Palavras-chave:

formação do professor, inclusão, exclusão, complexidade, conversa

Resumo

Escrevemos um artigo sobre o que pode uma disciplina de Educação e Diversidade em um curso de Pedagogia de uma Universidade Pública em meio aos problemas contemporâneos da formação para educar com as diferenças. Utilizamos a metodologia da conversa (SAMPAIO; RIBEIRO; SOUZA, 2018) com base nas anotações de seus últimos três anos de exercício, narrativas escritas que a compuseram, em especial, aquelas que se produziam no primeiro dia de aula, isto é, em um memorial sobre as experiências de exclusão/inclusão que os alunos e alunas tenham vivido e/ou observado e, a partir delas, realizamos uma roda de conversas. Nosso objetivo se constituiu em problematizar como as concepções de exclusão/inclusão vêm sendo construídas nas experiências dos alunos e alunas que chegam à Universidade no curso de Pedagogia conforme suas histórias de vidaconhecimento. Nos pautamos no referencial teórico do pensamento complexo (MORIN, 2003a, 2003b, 2007a) para tecer, junto com as memórias dos estudantes da disciplina, como as marcas de inclusão e exclusão que vêm constituindo seus percursos formativos dizem sobre a composição social, cultural e histórica da humanidade e, também, são marcas decisivas nas práticas pedagógicas inclusivas ou excludentes que irão compor os gestos de professor. O que nos passa, não passa em nossa frente, não passa por nós, mas nos atravessa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luciana Pacheco Marques, Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), Juiz de Fora, MG, Brasil.

Doutora em Educação pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), em Campinas, SP, Brasil; mestre em Educação pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, no Rio de Janeiro, RJ, Brasil. Professora da Universidade Federal de Juiz de Fora, em Juiz de Fora, MG, Brasil.

Alan Wilian de Jesus, Secretaria Municipal de Educação de Juiz de Fora (SME/JF), Juiz de Fora, MG, Brasil.

Mestre em Educação pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), em Juiz de Fora, MG, Brasil. Doutorando em Educação pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), em Juiz de Fora, MG, Brasil. Coordenador Pedagógico da Secretaria Municipal de Educação de Juiz de Fora (SME/JF), em Juiz de Fora, MG, Brasil.

Cristiane Elvira de Assis Oliveira, Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), Juiz de Fora, MG, Brasil.

Doutora em Educação pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), em Juiz de Fora, MG, Brasil; mestre em Educação pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), em Juiz de Fora, MG, Brasil. Pedagoga do Instituto Federal SUDESTE MG, campus JF, em Juiz de Fora, MG, Brasil.

Referências

ATIHÉ, Eliana Braga Aloia. Conhecer é descolar rótulos: uma reflexão imaginativa sobre a cultura da escola. In: MONTEIRO, Sueli Aparecida Itman (org.). Culturas contemporâneas, imaginário e educação: reflexões e relatos de pesquisas. São Carlos, SP: RiMa, 2010. p. 55-69.

CIRULNIK, Boris. O murmúrio dos fantasmas. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

DUSCHATZKY, Silvia; SKLIAR, Carlos. O nome dos outros. Narrando a alteridade na cultura e na educação. In: LARROSA, Jorge; SKLIAR, Carlos (org.). Habitantes de Babel: políticas e poéticas da diferença. Tradução Semíramis Gorini de Veiga. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2011. p. 119-138.

FLEURI, Reinaldo Matias. Políticas da diferença: para além dos estereótipos na prática educacional. Educação e Sociedade, Campinas, SP, v. 27, n. 95, p. 495-520, maio/ago. 2006.

GÓES, Weber Lopes. Racismo, eugenia no pensamento conservador brasileiro: a proposta de povo em Renato Kehl. 2015. 276 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais) – Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (Unesp), Marília, SP, 2015.

GUIMARÃES, Antonio Sérgio Alfredo. Modernidades negras: a formação racial brasileira (1930-1970). São Paulo: Editora 34, 2021.

IN/EXCLUSÃO UFRGS - Aula 1. Direção de Alfredo Veiga-Neto. Rio Grande do Sul: Foucault et alii, 2017. 1 vídeo (205 min), digital, son., color. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=B4ZSwy2y2Wg&t=10429s. Acesso em: 3 abr. 2019.

LARROSA, Jorge. Linguagem e educação depois de Babel. Belo Horizonte: Autêntica, 2004.

LARROSA, Jorge. Tremores: escritos sobre a experiência. Belo Horizonte: Autêntica, 2014.

MARQUES, Luciana Pacheco. Cotidiano escolar e diferenças. Educação em Foco, Juiz de Fora, MG, v. 17, n. 1, p. 101-117, mar./jun. 2012.

MARQUES, Luciana Pacheco. Diversidade, formação de professores e prática pedagógica. Educação em Foco, Juiz de Fora, MG, v. 13, n. 1, p. 175-184, mar./ago. 2008.

MATTOS, Ivanilde Guedes de. Estética afro-diaspórica e o empoderamento crespo. Pontos de Interrogação, [S. l.], v. 5, n. 2, p. 37-53, jul./dez. 2015.

MERLEAU-PONTY, Maurice. Fenomenologia da percepção. Paris: Gallimard, 1979.

MORIN, Edgar. O enigma do homem. Rio de Janeiro: Zahar, 1975.

MORIN, Edgar. Educação e complexidade: os sete saberes e outros ensaios. In: ALMEIDA, Maria da Conceição de Almeida; CARVALHO, Edgard de Assis (org.). São Paulo: Cortez, 2002. p. 27-74.

MORIN, Edgar. Da necessidade de um pensamento complexo. In: MARTINS, Francisco Menezes; SILVA, Juremir Machado da (org.). Para navegar no século XXI: tecnologias do imaginário e cibercultura. 3. ed. Porto Alegre: Sulina, 2003a. p. 13-36.

MORIN, Edgar. Meus demônios. 4. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2003b.

MORIN, Edgar. Introdução ao pensamento complexo. 3. ed. Porto Alegre: Sulina, 2007a.

MORIN, Edgar. O método 5: A humanidade da humanidade – a identidade humana. 4. ed. Porto Alegre: Sulina, 2007b.

MORIN, Edgar. O método 6: Ética. 3. ed. Porto Alegre: Sulina, 2007c.

MORIN, Edgar. O método l: A natureza da natureza. 2. ed. Porto Alegre: Sulina, 2008a.

MORIN, Edgar. O método 3: o conhecimento do conhecimento. 4. ed. Porto Alegre: Sulina, 2008b.

MORIN, Edgar. Rumo ao abismo?: ensaio sobre o destino da humanidade. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2011.

MORIN, Edgar; CYRULNIK, Boris. Diálogo sobre a natureza humana. Lisboa: Instituto Piaget, 2004.

NAJMANOVICH, Denise. O sujeito encarnado: questões para pesquisa no/do cotidiano. Rio de Janeiro: DP&A, 2001.

SAMPAIO, Carmen Sanches; RIBEIRO, Tiago; SOUZA, Rafael de. Conversa como metodologia de pesquisa: uma metodologia menor? In: RIBEIRO, Tiago; SOUZA; Rafael de; SAMPAIO, Carmen Sanches (org.). Conversa como metodologia de pesquisa: por que não? Rio de Janeiro: Ayvu, 2018. p. 21-40.

SILVA, Tomaz Tadeu da. A produção social da identidade e da diferença. In: SILVA, Tomaz Tadeu da (org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014. p. 73-102.

SKLIAR, Carlos. A educação que se pergunta pelos outros: e se o outro não estivesse aqui? In: LOPES, Alice Casimiro; MACEDO, Elizabete (org.). Currículo: debates contemporâneos. São Paulo: Cortez, 2002. p. 196-215.

SOUZA, Neusa Santos. Tornar-se negro: as vicissitudes da identidade do negro brasileiro em ascensão social. Rio de Janeiro: Graal, 1983.

TARDIF, Maurice; RAYMOND, Danielle. Saberes, tempo e aprendizagem do trabalho no magistério. Educação & Sociedade, ano XXI, n. 73, p. 209-244, dez. 2000.

VEIGA-NETO, Alfredo. Incluir para saber. Saber para excluir. Revista Pro-Posições, Campinas, SP, v. 12. n. 2-3 (35-36), p. 22-31, jul./nov. 2001.

Downloads

Publicado

2022-11-23

Como Citar

Marques, L. P., Jesus, A. W. de, & Oliveira, C. E. de A. (2022). Exercícios que fazem pensar a formação a partir de experiências de exclusão e inclusão na escola: Entre narrativas, complexidade e conversas. Educação Por Escrito, 13(1), e39504. https://doi.org/10.15448/2179-8435.2022.1.39504