Onde os mortos sobrevivem: traços míticos em Ópera dos mortos, de Autran Dourado

Palavras-chave: Literatura brasileira. Ópera dos Mortos. Mito.

Resumo

Este trabalho objetiva demonstrar como as personagens Lucas Procópio, João Capistrano, Rosalina e Juca Passarinho, de Ópera dos mortos, constituem-se, com recorrência sistemática, de traços míticos marcantes. Para tanto, foi utilizado um aporte teórico formado por Boudrot (2017), Campbell (1997), Cassirer (1985), Eliade (1998) para abordar a relação entre mito e literatura; Candido (2010), (2011), Lukács (2009), Watt (2010) e Holanda (1995) para aprofundar o liame intrínseco que envolve personagem de ficção, romance e sociedade; e Lepecki (1976) e Segalla (2017) com o intuito de potencializar as dimensões teóricas acerca da obra analisada. A partir dos resultados obtidos, fica evidente, além da magnitude do romance de Autran Dourado, a pluralidade de percursos (e recursos) narrativos que garantem a permanência do mito na arte literária até os dias de hoje, integrando um elemento importante na complexidade estrutural que fundamenta o gênero romanesco.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lucas da Cunha Zamberlan, Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, RS
Doutor em Letras - Estudos Literários - e mestre pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). No período de 2016 e 2017, foi Professor Substituto do Departamento de Letras Vernáculas da UFSM e, em 2018, atuou como professor do curso de Letras (UFSM) em parceria com a Universidade Aberta do Brasil (UAB) na modalidade EaD. Atualmente realiza Pós-Doutorado na linha de pesquisa Literatura, Comparatismo e Crítica Social do Programa de Pós-Graduação em Letras da UFSM com bolsa PNPD/CAPES e desenvolve pesquisas na área de Literatura Comparada, com enfoque na relação entre literatura, outras artes e mídias e literatura e história. Possui experiência docente em Literatura brasileira e portuguesa, Literaturas africanas de expressão portuguesa, Literatura infantil e Teoria da Literatura. Também participa como integrante do Grupo de Pesquisa Literatura e História - UFSM, vinculado ao CNPq. Áreas de interesse: Intermidialidade. Literatura e História. Comparativismo. Literatura Modernista. Literatura Contemporânea.
Isabel Scremin, Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, RS
Graduada em Letras - Bacharelado pela Universidade Federal de Santa Maria. Participa dos projetos de pesquisa "Construções da alegoria em narrativas dos séculos XVII e XVIII" e "Vozes e perspectivas no romance português contemporâneo". Entre 2016 e 2017 realizou intercâmbio na Universidade de Coimbra, em Portugal.

Referências

ALMEIDA, Manuel Antônio de. Memórias de um sargento de milicias. Porto Alegre: Leitura XXI, 2012.

BOUDROT, Pierre. Le héros fondateur. Hypothèses, Paris, v. 1, n. 5, p. 167-180, 2002. Disponível em: https://www.cairn. info/revue-hypotheses-2002-1-page-167.htm. Acesso em: 08 mar. 2019. https://doi.org/10.3917/hyp.011.0167

CAMPBELL, Joseph. O herói de mil faces. Tradução de Adail Ubirajara Sobral. 10. ed. São Paulo: Cultrix, 1997. p. 234-259.

CANDIDO, Antonio. A personagem do romance. In: CANDIDO, Antonio et al. A personagem de ficção. 12. ed. São Paulo: Perspectiva, 2011. p. 53-80.

CANDIDO, Antonio. Dialética da malandragem. In: CANDIDO, Antonio. O discurso e a cidade. 4. ed. Rio de Janeiro: Ouro Sobre Azul, 2010. p. 19-53.

CASSIRER, Ernst. Linguagem e mito. Tradução de J. Guinsburg e Miriam Schnaiderman. 2. ed. Perspectiva: São Paulo, 1985.

DOURADO, Autran. Ópera dos mortos. 11. ed. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1990.

ELIADE, Mircea. Mito e realidade. Tradução de Pola Civelli. 5. ed. São Paulo: Perspectiva, 1998.

HOLANDA, Sergio Buarque de. O homem cordial. In: HOLANDA, Sergio Buarque de. Raízes do Brasil. 26. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1995. p. 141-151. https://doi. org/10.11606/issn.1983-6023.sank.2017.137189

LEPECKI, Maria Lúcia. Autran Dourado: uma leitura mítica. São Paulo: Quíron, 1976.

LUKÁCS, George. Epopeia e romance. In: LUKÁCS, George. A teoria do romance: um ensaio histórico-filosófico sobre as formas da grande épica. Tradução de José Marcos Mariani de Macedo. 2. ed. São Paulo: Duas Cidades, 2009. p. 55-60. https://doi.org/10.4013/csu.2019.55.1.07

SEGALLA, Cristiane Barnabé. Ópera dos mortos: uma narrativa em quatro atos (o desdobramento do espaço social através da linguagem). 2006. Dissertação (Mestrado em Letras) – Departamento de Teoria Literária e Literatura Comparada, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2006. Disponível em: https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8151/tde27012007-180339/publico/TESE_CRISTIANE_BARNABE_ SEGALLA.pdf. Acesso em: 26 nov. 2017. https://doi.org/10.11606/d.8.2006.tde-27012007-180339

WATT, Ian. A ascensão do romance: estudos sobre Defoe, Richardson e Fielding. Tradução de Hildegard Feist. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

Publicado
2020-01-06
Como Citar
Zamberlan, L. da C., & Scremin, I. (2020). Onde os mortos sobrevivem: traços míticos em Ópera dos mortos, de Autran Dourado. Navegações, 12(2), e34960. https://doi.org/10.15448/1983-4276.2019.2.34960
Seção
Ensaios