Máscara e performance – literaturas lusófonas em diálogo: o desdobramento em heterônimos na lírica de Virgílio de Lemos, leitor de Fernando Pessoa

  • Luciana Brandão Leal Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, Minas Gerais (MG)
Palavras-chave: Virgílio de Lemos. Fernando Pessoa. Fingimento. Heteronímia. Máscara.

Resumo

Este artigo apresenta uma análise do processo heteronímico na escrita do poeta Virgílio de Lemos. Discute-se, especificamente, a concepção poética dos três principais heterônimos virgilianos: Lee-Li Yang, Duarte Galvão e Bruno dos Reis. Virgílio de Lemos reitera, constantemente, ser profundo admirador e leitor atento da obra de Fernando Pessoa, atestando o diálogo intertextual com esse poeta português e com o jogo inovador proposto por ele no cenário das literaturas lusófonas no século XX. A metáfora da “máscara” está presente tanto no discurso de Virgílio de Lemos quanto no de Fernando Pessoa, portanto, pretende-se investigar como a dinâmica da encenação e da teatralização ocorre em alguns poemas desses escritores, importantes arautos das Literaturas de Língua Portuguesa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BAUDRILLARD, Jean. Simulacros e simulação. Tradução de Maria João da Costa Pereira. Lisboa: Relógio D’Água, 1981. (Coleção Antropos).

BENVENISTE, Émile. Problemas de linguística geral I. Tradução de Maria da Glória Novak e Maria Luisa Neri. 5. ed. Campinas: Pontes Editores, 2005.

DUARTE, Lélia Parreira. Heteronímia e ironia em Fernando Pessoa. [S. l.: s. n., 2010]. Disponível em: http://www.leliaparreira.com.br/images/ensaios/heteronimia.pdf. Acesso em: 10 nov. 2017.

FONSECA, Maria Nazareth Soares; MOREIRA, Terezinha Taborda. Panorama das literaturas africanas de língua portuguesa. Cadernos CESPUC de Pesquisa, Belo Horizonte, n. 16, p. 13-69, 2007.

ISER, Wolfgang. A literatura e o leitor: textos de estética da recepção. In: LIMA, Luiz Costa (Org.). A literatura e o leitor: textos de estética da recepção. Tradução de Luiz Costa

Lima. 2. ed. rev. e ampl. São Paulo: Paz e Terra, 2002. p. 9-36. https://doi.org/10.11606/issn.2316-9141.v0i125-126p191-192

KRISTEVA, Júlia. Sol negro: depressão e melancolia. Tradução de Carlota Gomes. Rio de Janeiro: Rocco, 1987.

LEMOS, Virgílio de. Eroticus moçambicanus: breve antologia da poesia escrita em Moçambique (1944/1963). Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1999.

LEMOS, Virgílio de. Jogos de prazer. Lisboa: Imprensa Nacional, 2009.

LOPES, Elizabeth. A magia das máscaras: ator e seu duplo. In: BELTRAME, Valmor Níni; ANDRADE, Milton de (org.). Teatro de máscaras. Florianópolis: UDESC, 2010.

LOURENÇO, Eduardo. Pessoa revisitado: leitura estruturante de um drama em gente. Porto: Editorial Inova, 1974. https://doi.org/10.11606/issn.2594-5963.lilit.1974.115786

MELO, Rosicler Ferraz de. O erotismo na poesia de Virgílio de Lemos (1944-1963): o eu que recorda. 2003. Dissertação (Mestrado em Literatura Portuguesa) – Faculdade de Letras, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2003. https://doi.org/10.21011/apn.2016.0602

PERRONE-MOISÉS, Leyla. A poética do ensaio. Revista Brasileira: Academia Brasileira de Letras, v. 2, n. 74, p. 9-14, 2013. Disponível em: https://livrozilla.com/doc/602235/ entrevista---machado-de-assis. Acesso em: 01 mar. 2018.

PESSOA, Fernando. Primeiro Fausto: passagem das horas. In: PESSOA, Fernando. Obra poética. Rio de Janeiro: Companhia Aguilar, 1965.

SECCO, Carmen Lúcia Tindó. Virgílio de Lemos e a linhagem pessoana de múltiplos eus. In: SANTOS, Gilda; OLIVEIRA, Paulo Motta. Genuína fazendeira: os frutíferos 100 anos de Cleonice Berardinelli. Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, 2016. p. 185-198.

Publicado
2020-01-06
Como Citar
Leal, L. B. (2020). Máscara e performance – literaturas lusófonas em diálogo: o desdobramento em heterônimos na lírica de Virgílio de Lemos, leitor de Fernando Pessoa. Navegações, 12(2), e34064. https://doi.org/10.15448/1983-4276.2019.2.34064
Seção
Ensaios