Contextualização do ensino de língua portuguesa e literatura

Uma ferramenta de inclusão do sujeito quilombola em tempos de pandemia?

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15448/1981-2582.2022.1.41564

Palavras-chave:

mediação, ensino, língua e literatura portuguesa, quilombola

Resumo

Objetivou-se analisar as mediações pedagógicas realizadas na disciplina de língua portuguesa, no que tange a literatura dos anos finais do ensino fundamental com a finalidade de contextualizar o sujeito quilombola em Bela Vista-PI na pandemia de COVID-19. O levantamento de dados foi feito através da análise do conteúdo dos cadernos de atividades encaminhados pelas escolas aos alunos dos anos finais do ensino fundamental durante os meses de agosto e dezembro do ano de 2020. Para dar suporte à análise, contribuíram com o estudo a respeito da mediação as abordagens de Alves (2020), Antunes (2014) e Pino e Sigardo (2000). Referente à mediação e à contextualização no ensino de língua portuguesa, as produções de Soares (2002), Bernardo (2016); Daros (2021) colaboraram com pesquisa a respeito da educação na pandemia de COVID-19 e sobre a educação do sujeito quilombola. Foi possível constatar que, embora a contextualização da vida do sujeito quilombola, bem como de outras minorias, no ensino na disciplina de língua portuguesa pudesse contribuir para a inclusão, os professores não a empregaram como instrumento pedagógico. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Patrícia de Oliveira Teles, Secretaria Municipal de Educação de Bela Vista, Bela Vista do Piauí, PI, Brasil.

Especialista em Língua Portuguesa e Literatura pela Faculdade Evangélica do Piauí, em Teresina, PI, Brasil.; Professora substituta da rede pública municipal de Bela Vista, PI, Brasil.

Emanuel Moura Costa, Faculdade Evangélica do Piauí (FAEPI), Nova Santa Rita do Piauí, PI, Brasil.

Mestrando em Educação pela Universidade Federal do Piauí, Teresina, Piauí, Brasil. Professor da Faculdade Evangélica do Piauí, em Teresina, PI, Brasil.

Euvaldo de Sousa Costa Junior, Faculdade Evangélica do Piauí (FAEPI), Nova Santa Rita do Piauí, PI, Brasil.

Mestre em Fitotecnia pela Universidade Federal do Piauí, Bom Jesus, Piauí, Brasil Professor da Faculdade Evangélica do Piauí, em Teresina, PI, Brasil.

Referências

Alves, L. (2020). Educação remota: entre a ilusão e a realidade. Interfaces Científicas Educação, 8(3), 348-365. https://doi.org/10.17564/2316-3828.2020v8n3p348-365

Antunes, I. (2014). Gramática contextualizada: limpando o “pó das ideias simples” (1. ed.). Parábola.

Bakhtin, M. (2006). Marxismo e filosofia da linguagem (12. ed.). Hucitec.

Bakhtin, M. (2007). Muito além da gramática: por um ensino de línguas sem pedras no caminho. Parábola.

Bardin, L. (2011). Análise de conteúdo. Edições 70.

Barreto, J. da Silva, Amorim, M. R. O. R. M., & Cunha, C. (2020). A pandemia da covid-19 e os impactos na educação. Revista JRG de Estudos Acadêmicos, 3(7), 792-805. http://doi.org/10.5281/zenodo.4361693

Brasil. (2012). Resolução CNE/CEB n. 8, de 20 de novembro de 2012. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Escolar Quilombola na Educação Básica. Ministério da Educação: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=11963-rceb008-12-pdf&category_slug=novembro-2012-pdf&Itemid=30192

Brasil. (2018). Base Nacional Comum Curricular: Versão final. Ministério da Educação. http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf

Brasil. (1998). Parâmetros curriculares nacionais: terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental: língua portuguesa. Ministério da Educação. http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/portugues.pdf

Brasil. (2017). Base Nacional Comum Curricular. Ministério da Educação. http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=79601-anexo-texto-bncc-reexportado-pdf-2&category_slug=dezembro-2017-pdf&Itemid=30192

Brasil. (2020). Resolução CNE/CP nº 2, de 10 de dezembro de 2020. Institui Diretrizes Nacionais orientadoras para a implementação dos dispositivos da Lei nº 14.040, de 18 de agosto de 2020, que estabelece normas educacionais excepcionais a serem adotadas pelos sistemas de ensino. Ministério da Educação. https://www.in.gov.br/en/web/dou/-/resolucao-cne/cp-n-2-de-10-de-dezembro-de-2020-293526006

Brasil. (2020). Parecer CNE/CEP nº 5/2020, aprovado em 28 de abril de 2020. Reorganização do Calendário Escolar e da possibilidade de cômputo de atividades não presenciais para fins de cumprimento da carga horária mínima anual, em razão da Pandemia da COVID-19. Ministério da Educação. http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=14511-pcp005-20&category_slud=marco-2020-pdf&Itemid=30192

Bernardo, B. A. (2016). Texto: objeto de ensino para o aprendizado de língua portuguesa [Monografia de especialização, Universidade Federal do Rio Grande do Sul]. https://lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/96182/000918852.pdf?sequence=1&isAllowed=y

Bravo, R. S. (1997). Técnicas de investigação social: Teoria e ejercicios (7. ed.). Paraninfo.

Campos, E. P. (2014). Por um novo ensino de gramática: orientações didáticas e sugestões de atividades. Cânone.

Castaman, A. S., & Rodrigues, R. A. (2020). Educação a Distância na crise COVID - 19: um relato de experiência. Research, Society and Development, 9(6), 1-26. https://doi.org/10.33448/rsd-v9i6.3699

Couto, E. S., Couto, E. S., & Cruz, I. M. P. (2020). #Fiqueemcasa: educação na pandemia da covid-19. Educação, 8(3), 200-217. https://doi.org/10.17564/2316-3828.2020v8n3p200-217

Daros, T. (2020, Mar 19). Covid-19 impulsiona uso de metodologias ativas no ensino a distância. Desafios da Educação. https://desafiosdaeducacao.grupoa.com.br/coronavirus-metodologias-ativas/#:~:text=Covid%2D19%20impulsiona%20uso%20de%20metodologias%20ativas%20no%20ensino%20a%20dist%C3%A2ncia&text=Para%20garantir%20aulas%20e%20atividades,modalidade%20de%20educa%C3%A7%C3%A3o%20a%20dist%C3%A2ncia

Franco, M. L. P. B. (2003). Análise de conteúdo. Plano editora.

Freire, P. (2019). Pedagogia do Oprimido (71. ed.). Paz e Terra.

Geraldi, J. W. (2015). O ensino de língua portuguesa e a Base Nacional Comum. Revista Retratos da Escola, 9(17), 381-396. https://doi.org/10.22420/rde.v9i17.587

Knechtel, M. R. (2014). Metodologia da pesquisa em educação: uma abordagem teórico-prática dialogada. Intersaberes.

Kleiman, A. (2004). Oficina de leitura: teoria e prática (10. ed.). Pontes.

Marques, R., & Fragas, T. (2020). A ressignificação da educação e o processo de ensino e aprendizagem no contexto de pandemia da covid-19. Boletim de Conjuntura Revista (BOCA), 3(8), 1-8. https://doi.org/10.34117/bjdv6n11-148

Oliveira, J. F. A. C., Fernandes, J. C. C., & Andrade, E. L. M. (2020). Educação no contexto da pandemia da Covid-19: adversidades e possibilidades. Itinerarius Reflectionis, 16(1), 1-17. https://doi.org/10.5216/rir.v16i1.65332

Pauliukonis, M. A. L. (2004). O texto como objeto de estudo das aulas de português. In S. R. Vieira, & S. F. Brandão (Eds.), Morfossintaxe e ensino de português: reflexões e propostas. (pp. 255-272). Faculdade de Letras.

QEDU. (2022). Unidade Escolar Municipal Jose Florencio Neto. Disponível em: https://novo.qedu.org.br/escola/22116842-unidade-escolar-municipal-jose-florencio-neto

Rocha, M. S. P. M. L. (2000). Não brinco mais: a (des)construção do brincar no cotidiano educacional. Ed. UNIJUÍ.

Saraiva, K., Traversini, C., & Lockmann, K. (2020). A educação em tempos de COVID-19: ensino remoto e exaustão docente. Práxis Educativa, 15(e2016289), 1-24. https://doi.org/10.5212/PraxEduc.v.15.16289.094

Sigardo, A. P. (2000). O conceito de mediação semiótica em Vygotsky e seu papel na explicação do psiquismo humano. Cadernos Cedes, 2(24), 38-51.

Souza, I. M. M. (2004). 163f. Interrogando o ensino de português: a práxis do/da professor/a de língua portuguesa formado pela FFPP/UPE [Dissertação de mestrado, Universidade Federal do Espírito Santo].

Souza, J. S. Z. (2006). O papel da família na constituição do leitor. In S. A. S. Leite (Eds.), Afetividade e práticas pedagógicas (1. ed.) Casa do Psicólogo.

Soares, M. (2002). Português na escola: história de uma disciplina curricular. In B. Marcos. Linguística da Norma (3. ed.). Loyola.

Saviani, D. (2008). Escola e Democracia (Edição Comemorativa, Coleção Educação Contemporânea). Autores Associados.

Downloads

Publicado

2022-11-21

Como Citar

Teles, M. P. de O., Costa, E. M., & Junior, E. de S. C. (2022). Contextualização do ensino de língua portuguesa e literatura: Uma ferramenta de inclusão do sujeito quilombola em tempos de pandemia?. Educação, 45(1), e41564. https://doi.org/10.15448/1981-2582.2022.1.41564