Cultura do silêncio e educação libertadora

Aportes freirianos

Palavras-chave: educação libertadora, silenciamento, Paulo Freire

Resumo

O trabalho objetiva compreender a relação entre a cultura do silêncio e a educação libertadora a partir do pensamento de Paulo Freire. Trata-se de um recorte da pesquisa intitulada “Cultura do silêncio na identidade profissional do TAE-Pedagogo do IFCE à luz do pensamento freiriano”, em desenvolvimento no Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Estadual do Ceará. Como procedimentos de coleta de dados, recorreu-se nesta primeira etapa à revisão bibliográfica. Em uma sociedade de tolhimento da voz, da palavra e da expressão humana, constatam-se marcas da cultura do silêncio introjetada como inconsciente coletivo, entretanto, a educação libertadora como ato cognoscente se apresenta como resistência à herança histórica de silenciamento, assistencialismo e domesticação do corpo. Tal educação ocorre em oposição aos limites da realidade opressora e do silêncio imposto, buscando ultrapassar o estado de classe em si para se configurar como classe para si por meio da consciência crítica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Daniele Cariolano da Silva, Universidade Estadual do Ceará (UECE), Fortaleza, CE, Brasil.

Doutora em Educação pela Universidade Estadual do Ceará (UECE), em Fortaleza, CE, Brasil; mestre em educação pela Universidade Estadual do Ceará (UECE), em Fortaleza, CE, Brasil. Pedagoga do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará (IFCE), em Quixadá, CE, Brasil. 

Jacques Therrien, Universidade Estadual do Ceará (UECE), Fortaleza, CE, Brasil.

Pós-doutor pela Université Laval, Canadá; pós-doutor pela Universitat de Valência, Espanha; doutor em educação pela Cornell University, USA; Mestre em educação pela Cornell University, USA. Professor pesquisador do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Estadual do Ceará (UECE), em Fortaleza, CE, Brasil. 

Referências

Boufleuer, J. P. (1997). Pedagogia da ação comunicativa: uma leitura de Habermas. Ed. UNIJUÍ.

Freire, P. (1967). Educação como prática da liberdade. Paz e Terra.

Freire, P. (1981). Ação Cultural para Liberdade e outros escritos. Paz e Terra.

Freire, P. (1996). Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa (25. ed.). Paz e Terra.

Freire, P. (2019). Pedagogia do oprimido (17. ed.) Paz e Terra.

Gil, A. C. (2002). Como elaborar projetos de pesquisa (4. ed). Atlas.

Habermas, Jurgen (2012). Teoria do agir comunicativo: racionalidade da ação e racionalização social (Paulo

A. S., trad.). Editora WMF Martins Fontes.

Lincoln, Y. S., & Guba, E. G. (2006). Controvérsias paradigmáticas, contradições e confluências emergentes. In N. K. Denzin, &, Y. S. Lincoln, O planejamento da pesquisa qualitativa: teorias e abordagens (2. ed., pp. 169-192). Artmed.

Lima, V. A. de. (2011). Da cultura do silêncio ao direito à comunicação. Observatório da imprensa. http://observatoriodaimprensa.com.br/feitos-desfeitas/da-cultura-do-silencio-ao-direito-a-comunicacao

Lima, V. A. De. (2015). Comunicação e cultura: as ideias de Paulo Freire. Editora UnB; Editora Fundação Perseu Abramo.

Lima, V. A. De. (2017). Sobre a Cultura do Silêncio. Carta Maior. https://www.cartamaior.com.br/?/Editoria/Midia-e-Redes-Sociais/Sobre-a-cultura-do-silencio-1-/12/38974

Lima, V. A. De. (2018). Para além da alfabetização: cultura do silêncio e os 50 anos da pedagogia do oprimido. Carta Maior. https://www.cartamaior.com.br/?%2FEditoria%2FPolitica%2FPara-alem-da-alfabetizacao-cultura-do-silencio-e-os-50-anos-da-pedagogia-do-oprimido%2F4%2F40403

Severino, A. J. (2007). Metodologia do trabalho científico (23. ed.). Cortez.

Publicado
2022-09-14
Como Citar
Silva, D. C. da, & Therrien, J. (2022). Cultura do silêncio e educação libertadora: Aportes freirianos. Educação, 45(1), e38533. https://doi.org/10.15448/1981-2582.2022.1.38533